Toda vez que vou em alguma dessas lojas de departamento, sou abordada no caixa ou na saída por alguma vendedora, tentando me vender o cartão de crédito da loja. Isso já aconteceu com você? Eu topei fazer o meu para explorar as vantagens e desvantagens, e vou te contar.

Logo de cara, reparei nas seguintes vantagens anunciadas pelas varejistas para conquistar o interesse do público: gratuidade na adesão, descontos nas lojas, maior possibilidade de parcelamento, frete grátis em compras on-line, promoções exclusivas, consultoria virtual e descontos em espetáculos patrocinados pela loja. Tem um pouco de tudo para chamar a atenção dos clientes.

Mas que bom seria se fosse tudo tão fácil, não?

Os benefícios podem estar escondendo as taxas de juros cobradas por algumas instituições e outros custos de serviços adicionais. Não sei se você sabe, mas o interesse das redes varejistas em facilitar o crédito não é aleatório. Essas operações ajudam a engordar suas receitas, embora a crise brasileira esteja prejudicando a venda de produtos e serviços financeiros.

Caso prático

Peguemos como exemplo o Magazine Luiza, empresa listada em Bolsa que tem, desde 2001, uma financeira, a LuizaCred, fruto de uma associação com o Itaú Unibanco.

No último balanço financeiro, a empresa informou o seguinte:

“Em 2015, mesmo com taxas de aprovação mais conservadoras, a Luizacred evoluiu sua base de cartões em 3,9% para 3,6 milhões, e cresceu a carteira do Cartão Luiza em 6,5% para R$ 3,8 bilhões.”

O cartão de crédito é o principal produto da financeira e tem a bandeira MasterCard.

Para ter acesso a ele, é necessário ter renda mínima de R$ 800,00 e pagar anuidade de R$ 81,00 (no caso do cartão “preferencial”; no “ouro”, não há cobrança de anuidade). As vantagens citadas pelo Magazine Luiza englobam um limite maior para parcelar os gastos, ofertas exclusivas, cartões adicionais e parcelamento da fatura.

Garanta sua cópia grátis deste relatório: Aprenda a investir por conta própria e seja mais rico

Mas não existe almoço grátis

É possível, sim, parcelar as compras em até 24 vezes, mas você está sujeito à incidência de encargos, ou seja, juros e IOF. Não há necessariamente vantagem em relação a outros tipos de cartões. Confira o contrato:

“Se você pagar uma quantia inferior ao pagamento mínimo ou não realizar o pagamento até a data do vencimento da fatura, você estará em atraso e deverá pagar os seguintes encargos: Juros (indicados no campo “Juros Contratuais Máximos” da Fatura) e IOF sobre o valor não pago, acrescidos dos encargos de atraso: (i) multa de 2%; e (ii) juros moratórios de 1% ao mês, todos desde a data do vencimento da fatura anterior até seu pagamento total ou até a data de corte da próxima fatura, o que ocorrer primeiro.”

Risco de descontrole

“Contrate agora o cartão Luiza e dê uma força para o seu orçamento”, anuncia a rede. Mas a possibilidade de parcelar em muitas vezes as compras e de comprometer o limite do cartão apenas com o valor da parcela, não da compra cheia, é uma enorme tentação para o descontrole. É preciso cuidado redobrado para não ficar inadimplente!

E vale ainda ficar atento às taxas de juros cobradas. O Banco Central tem uma tabela atualizada com as taxas mensais e anuais cobradas das pessoas físicas no cartão de crédito parcelado.

A LuizaCred aparecia em 7º lugar no ranking de maiores taxas no período de 11 a 15 de abril, com juros mensais de 10,30% e anuais de 224,40%. Vale também analisar os custos do crédito rotativo.

Conclusão

O que pude constatar, olhando diversos contratos de cartões de crédito oferecidos por redes varejistas, é que a fácil adesão, a baixa exigência de renda, os descontos nas lojas próprias e a facilidade de parcelamento, justificam grande parte do interesse dos clientes.

Por outro lado, o baixo limite de crédito no início (com o tempo, se você comprovar renda maior, deverá conseguir expandir esse limite), a ausência de pontuação revertida em milhas e os custos muitas vezes mais altos que os de cartões “tradicionais” pesam contra esse mercado.

Antes de adquirir um desses cartões, portanto, analise as condições, os custos embutidos e veja se vale a pena se comprometer.

Convite especial: Melhor do que buscar opções de crédito, é aprender a investir, portanto, não posso me despedir antes de convidá-lo para acessar um relatório gratuito que preparamos para ajudar você a investir por conta própria e começar a criar riqueza! Clique aqui para garantir sua cópia gratuita. Agora sim, abraços e até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pelo Criando Riqueza, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Criando Riqueza
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários