Cartões de loja: caros, confusos e desnecessáriosVocê entra em uma loja de departamentos ou em um grande varejista, escolhe alguns produtos e enquanto aguarda na fila e escolhe a forma de pagamento alguém lhe aborda gentilmente, com uma expressão feliz e olhos bastante focados. Você ouve uma proposta: “Oferecemos a possibilidade do pagamento em maior número de parcelas, sem juros, participação em sorteios, além de descontos e benefícios exclusivos em cada compra. Tudo isso de graça ao optar por nosso cartão”.

O discurso é sempre o mesmo e pretende convencê-lo de que aceitar o cartão da loja não vai lhe trazer nenhuma mudança no cotidiano. Vende-se a idéia de você não perde nada ao optar por um cartão deste tipo. O máximo que pode acontecer é você usá-lo de vez em quando e ainda obter bons descontos. Você é induzido a pensar “Hum, tanto faz. Legal”. Pura falácia! Cuidado.

O cartão de loja não é seu aliado nas compras, sinto decepcioná-lo. Ele é um instrumento de fidelização e faturamento. Ponto. Poderíamos ir além, discutindo se sua agressiva estratégia de massificação não pretende também gerar consumidores ainda mais despidos de consciência financeira e focados apenas no consumo facilitado através dos altos custos (e lucros, na outra ponta) do crédito. O que você acha?

Mitos e verdades sobre os cartões de loja
O texto de hoje tem caráter educativo, portanto facilitarei o entendimento de minhas opiniões montando uma pequena lista dos principais motivos de confusão e problemas quando o assunto são os cartões de loja. Reflita sobre seus principais mitos e verdades:

  • Cartão de loja também é cartão de crédito? MITO! É muito comum que se confunda o cartão de loja com o cartão de crédito. O cartão de loja pode ser um cartão de crédito. Pode, mas na maioria não é, pois não há bandeira alguma a ele associada. A ProTeste fez um excelente estudo com 15 opções de cartões; destes, apenas 3 funcionavam como cartões de crédito. O funcionamento, no entanto, é semelhante: há fatura, cobrança de juros no crédito rotativo e tarifas;
  • Cartão de loja é totalmente grátis, sem anuidade e tarifas? MITO! As propagandas informam que o cliente não terá custos se usar o cartão, mas isso não é verdade. A maior parte das opções disponíveis gera custo sob nomes como “tarifa de manutenção”, “taxa de extrato” ou “custo de manutenção”. A moda agora é também oferecer – pasme! – seguros como pacotes adicionais aos serviços, todos com valores embutidos no parcelamento. Informe-se muito bem antes de aderir;
  • Cartão de loja oferece parcelamento fixo, sem juros? MITO! O foco da publicidade é na questão do valor fixo das parcelas, mas geralmente há incidência de juros. Não raro, ao apresentar o cartão da loja no ato do pagamento, o profissional responsável tenta induzi-lo a parcelar no maior número possível de parcelas. Lojas de departamento costumam ser as únicas a oferecer parcelamento do valor anunciado sem acréscimo;
  • Cartão de loja oferece melhores condições de pagamento e descontos? MITO! No caso dos descontos, a matemática é simples: o “benefício” está precificado em outros itens e na margem dos pagamentos com juros. Não há desconto real, pechincha. As condições de pagamento, geralmente voltadas para a opção de parcelas fixas, são péssimas: juros da ordem de mais de 100% ao ano (e 400% a.a. para o rotativo), mais caros que um empréstimo pessoal ou consignado.

Ué, mas só foram citados os mitos. E as verdades? Este artigo tem como referência a maioria dos cartões, então há (poucas) exceções, mas a verdade é que você não precisa de um cartão de loja. Seu atual cartão de crédito, cuja data de vencimento e características você já conhece bem, resolve muito bem as situações de compra em que o cartão de loja seria necessário. Dinheiro vivo e cartão de débito completam a mais que suficiente cesta de meios de pagamento de qualquer brasileiro.

Com foco no dinheiro, o produto virou estratégia.
Se analisar com atenção as práticas detalhadas neste artigo, chegará a uma conclusão simples e óbvia: o produto que você compra nas lojas é a isca, o gatilho, a razão da compra. O faturamento galopante das redes vem mesmo da comodidade oferecida pelos cartões próprios. O antigo crediário evoluiu. Logo, a prática não é nova, mas continua perigosa.

Não entendeu? A empresa lhe empresta o dinheiro necessário para que você leve os itens que escolheu, acrescido de juros, permitindo o pagamento parcelado. Ah, mas isso não caracteriza um empréstimo? Exato, o varejo descobriu que ser banco é muito mais interessante que ser loja e que ser os dois pode ser ainda melhor, afinal o produto vendido tem sua margem própria de lucro.

Conclusão: as instituições gentis ao oferecer o inocente “cartão facilitador de compra” ganham nos juros, como uma financeira, e ganham nos produtos, como uma loja. Não há nada de criativo nesta constatação. Quer negociar melhor? Prefira usar o cartão de crédito que você já tem, jogue fora os cartões de loja e pague sempre à vista e com desconto. Se você insistir, as lojas acabarão aceitando. Afinal, o consumidor desinteressado sempre paga por quem pede desconto. Simples assim.

PS: Você está diante do artigo número 1000 do Dinheirama. São três anos dedicados à educação financeira e tudo aquilo que envolve a boa tomada de decisão. Economia, investimentos, empreendedorismo, pedagogia, sustentabilidade, finanças pessoais, resenhas e muito mais. Tudo só vale a pena porque você nos visita e nos prestigia. Muito obrigado! Continuamos aqui se você continuar por ai. Divulgue nosso trabalho e participe sempre!

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários