Maurício comenta: “Navarro, eu até que administrava bem as minhas finanças enquanto era solteiro, mas depois que me casei, as coisas complicaram. Minha esposa não gosta de lidar com o orçamento doméstico e quando realiza suas compras (muitas vezes em dinheiro), perco completamente o controle dos gastos. Para piorar, minha filha de 9 anos está se tornando uma consumista e não estou conseguindo mostrar para ela o valor do dinheiro. Você tem algum material específico para me indicar? Obrigado”.

Quando estamos namorando, as coisas funcionam bem, não é mesmo? Até por isso muitos casais fogem de um compromisso mais sério, com medo das coisas “desandarem”. Mas não é assim que resolvemos os problemas.

Uma das belezas da vida à dois é o constante aprendizado e amadurecimento do casal em busca de seus sonhos e da construção de uma família. A tolerância, o respeito, os acordos e as decisões vão nos ensinado algumas habilidades que são (e serão) muito úteis em outras áreas da vida.

As finanças do lar são reflexo da família

Tenha em mente que por mais desafiador que o cenário familiar possa se tornar, sempre será possível encontrar uma saída, desde que haja disposição, comprometimento e atitude em prol da divisão das tarefas e de uma caminhada rumo ao objetivo traçado.

O caso de nosso leitor é apenas um entre vários outros em que o dinheiro se torna um assunto estressante na vida em família, mas isso não acontece à toa: a situação das finanças familiares geralmente é um reflexo dos relacionamentos e laços familiares. Não raro, o dinheiro (ou a falta dele) é apontado como uma das causas de divórcio e separações, embora ele seja, quase sempre, apenas um “bode expiatório”.

Há algumas semanas, eu fui convidado para participar do programa Saldo Extra, da TV Novo Tempo, em que fui entrevistado por Antônio Tostes. O tema foi exatamente este: dinheiro e casamento. Nossa conversa fluiu tão bem que gravamos o programa em duas partes de 30 minutos cada. Falamos de vários itens e considero que estes dois programas se tornaram um mini-curso sobre finanças da família.

Parte 1 – Vamos aprender a lidar com as finanças em família

Na primeira parte do programa, eu respondi às seguintes perguntas:

  • Você vê o dinheiro dentro do casamento como uma bênção ou como uma fonte de problemas?
  • Como os casais devem administrar suas vidas financeiras?
  • Você respeita a individualidade de cada membro da família ou pensa de forma individualista?
  • Como realizar o orçamento familiar? Reuniões mensais? Ajustes? Você tem feito a lição de casa?
  • E os sonhos e objetivos de cada membro da família? Estão sendo planejados e divididos em curto, médio e longo prazo?

Clique abaixo para assistir ao vídeo:

Parte 2 – Praticar a educação financeira em família é simples

Na segunda parte, as perguntas respondidas foram estas:

  • Quando o casal deve começar o diálogo sobre finanças?
  • Que cuidados os casais precisam ter para não começar o casamento com dívidas?
  • É bom para o casal receber ajuda financeira dos pais e familiares?
  • Qual a importância dos sonhos na vida financeira do casal?
  • Onde o casal deve guardar (investir) suas reservas financeiras para seus objetivos de curto, médio e longo prazo?
  • Como deve ser o envolvimento dos filhos na gestão financeira da família?

Confira o vídeo abaixo:

Conclusão

Embora seja muito desejável que o casal já comece a conversar sobre finanças durante a fase de namoro, é possível corrigir os desvios ao longo do caminho se isso não ocorrer. O importante é que você seja o exemplo para sua família.

Ajude-os nos planos de realização dos sonhos individuais e coletivos e mostre a cada um quais são as suas tarefas e responsabilidades para que os objetivos sejam alcançados. Deixo ainda algumas dicas de leituras complementares:

Que tal? Você gostou do material compartilhado hoje? Deixe sua opinião no espaço de comentários abaixo. Obrigado e até a próxima!

Foto “Romantic couple”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários