Home Comprar ou Vender CCR: Banco Safra eleva preço-alvo

CCR: Banco Safra eleva preço-alvo

Os analistas esperam uma melhoria nos resultados da CCR nos próximos anos

por Rafael Borges
0 comentário

O Banco Safra ampliou suas estimativas sobre a CCR (CCRO3) e atualizou o preço-alvo de R$ 14,10 para R$ 18,10. A recomendação é de compra. O potencial de valorização é de aproximadamente 30%.

Em uma análise enviada a clientes nesta terça-feira (12), o banco destaca uma revisão no modelo de valuation da empresa, incorporando os últimos resultados, atualização de premissas macroeconômicas e eventos futuros.

Os analistas esperam uma melhoria nos resultados da CCR nos próximos anos.

Isso inclui o esperado salto no crescimento do tráfego rodoviário, beneficiado pela cobrança de pedágio sobre eixos suspensos de veículos não vazios.

Além disso, o encerramento dos acordos MSVias e Barcas, que operam abaixo do ponto de equilíbrio, e o impacto positivo da redução das taxas de juros também são apontados como elementos que favorecem os resultados consolidados da empresa.

“Com base em nossas novas estimativas, a CCR está atualmente sendo negociada a uma TIR (real alavancada) de 10,3%, 452bps acima do rendimento dos títulos indexados à inflação (NTN-Bs 2035), contra 11,1% da EcoRodovias (ECOR3) e 9,4% da Rumo (RAIL3)”, disse o Banco.

Segundo calendário da empresa, a divulgação dos resultados do 1º trimestre de 2024 acontecerá dia 02 de maio.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.