Caro leitor, chegamos ao início de mais um ano. Promessas à parte, também é mais do que tempo de começar de verdade um planejamento financeiro.

Se você nos acompanha, provavelmente já coloca uma ou outra coisa em prática. Mas que tal aproveitarmos esta primeira semana de 2019, onde estamos reorganizando a vida e os planos, para fazer um check list relacionado às suas finanças?

Separei 10 perguntas que você deve fazer a si mesmo para entender em que ponto está quando se trata de conseguir equilíbrio nesta área de sua vida. Vamos lá?

1º) Conheço exatamente as minhas receitas e despesas?

Esta pergunta é básica e você deve respondê-la com sinceridade. Se a gente te perguntasse hoje quanto você ganha e quanto gasta de forma fixa, você saberia responder? Já fez aquela planilha mensal ou usa um app para controlar tudo que entra e sai? Este é o primeiro passo. Não dá para melhorar as finanças sem saber de que ganhos ou perdas estamos falando.

2º) Já cortei todas as despesas fixas desnecessárias?

Você ainda gasta com algumas coisas que não são necessárias ou que insiste em manter mesmo que o custo seja alto e o uso seja raro? Então reavalie. Nesta categoria podem entrar desde a assinatura de jornal (que ninguém lê porque já está na internet) até a manutenção da piscina (que ninguém usa), ou a mensalidade de algum aplicativo que você mal vê. Se você tem outros planos e prioridades, é preciso cuidar e valorizar o seu dinheiro. Tudo começa desta forma.

3º) Já substituí as despesas necessárias que estavam além do viável financeiramente falando?

Algumas despesas são necessárias. Uma conta de celular, por exemplo, já é quase questão de vida ou morte, afinal quem fica sem celular hoje em dia? Mas será que voc~e não está gastando além do necessário? Não dá para cortar? E com Uber? Já notou que muitas vezes pode estar gastando uma fortuna de pouco em pouco? O app agora já tem uma modalidade pré paga e vc pode estabelecer limites para o uso. E as taxas bancárias? Será que anão dá para negociar? Veja só a quantidade de coisas que podem estar engolindo as suas receitas desnecessariamente.

4º) Tenho dívidas? Quais?

Você tem dívidas? Sabe quais as que têm maior juros? Tem idade de quando conseguirá quitá-las? Pensa em fazer um acordo? Algumas dívidas, especialmente as de cheque especial e cartão de crédito, são uma bola de neve. Se você tem alguma delas, trate de trocar por outras com juros menores, como as de empréstimo pessoal. Há muitas opções no mercado hoje em dia, especialmente de fintechs. E assim que possível, faça um acordo para quitá-las.

5º) Tenho muitas compras parceladas a serem pagas? Quais?

Quanto elas comprometerão da minha receita mensal? – O que você comprou parcelado ultimamente? Até quando estas compras comprometerão o seu orçamento? Faça as contas para saber exatamente qual será a sua receita líquida enquanto as parcelas estiverem caindo. Uma boa planilha no Excel já funciona bem para visualizar.

6º) Já iniciei uma reserva de emergência?

Ter uma reserva de emergência é essencial. Se você costuma ganhar 13º ou bÔnus, pode aproveitar ao menos parte deste valor para formá-la. Caso não tenha, é preciso se esforçar um pouco mais e guardar mensalmente um valor com esta finalidade. Esta reserva te ajudará a não precisar se endividar caso tenha despesas extras ou algum problema no orçamento, portanto, deve ser iniciada já.

7º) Já comecei a investir ao menos um pequeno percentual do que ganho?

Não dá para investir sem saber quanto se ganha ou gastando dinheiro no pagamento de dívidas, mas uma vez que estes itens estejam OK, é hora d ecomeçar a investir. Separe um valor mensal, assim que este valor chegar à conta, e escolha uma opção para fazê-lo crescer. O mais importante para começar não é o valor em si, mas a criação do hábito de investir.

8º) Tenho seguros essenciais para proteger meus bens mais valiosos?

O que a sua família faria se você não pudesse mais trabalhar? O que você faria se o carro fosse roubado ou a casa inundada? Calma, não estamos gorando ninguém, mas e importante imaginare stas situações para tomar algumas atitudes o quanto antes. Alguns seguros são essenciais para garantir a tranquilidade e preservar o patrimÔnio. E não costumam custar muito. Veja o que faz sentido no seu caso e já procure imediatamente algumas opções de contratação.

9ª) Tenho metas de curto, médio e longo prazo para meu dinheiro?

Sem metas, sem perseverança. Pode ser se a confusão financeira e a falta de dinheiro o tenham levado a não pensar mais em metas e sonhos, mas é necessário retomar estes pontos. Anote hoje mesmo o que você gostaria de fazer no curto, médio e longo prazo e de quanto dinheiro necessítaria para isso.

10º) Já comecei a pensar em minha aposentadoria e separar uma quantia para esta finalidade?

Se você não trabalha em uma empresa, se não é registrado, pode ser que nem sequer tenha iniciado alguma estrategia para a sua aposentadoria. Não faça isso. Cada ano que você deixa de investir alguma coisa, é um ano perdido. E ainda que seja autônomo, saiba que é possível pagar a aposentadoria facultativa por um valor pequeno. E é claro, não dá para pensar em depender de governo no futuro. O ideal é ir fazendo um pé de meia e pensando em investimentos que gerem renda passiva. O importante, mesmo que não possa fazer muito hoje, é dar um primeiro passo, ok?

Este check list é o básico que você precisa considerar para conseguir ter equilíbrio financeiro, portanto, comece hoje a colocá-lo em ordem, combinado? Para cada um dos itens acima é possível trabalhar soluções diferenciadas, e a gente costuma falar sobre elas aqui no Dinheirama. Basta nos acompanhar! Boa sorte e um ótimo ano.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários