Home Economia e Política China apresentará agenda de política econômica em maio

China apresentará agenda de política econômica em maio

As autoridades querem dobrar a economia da China até 2035, o que exige um crescimento médio anual de 4,7%

por Reuters
0 comentário

Líderes da China tentarão injetar confiança na economia em uma reunião na próxima semana, mas metas conflitantes, como impulsionar o crescimento e, ao mesmo tempo, reduzir a dívida, podem significar pouco progresso na implementação de mudanças.

A reunião da liderança do Partido Comunista delineará os esforços para promover a manufatura avançada, revisar o sistema tributário para reduzir os riscos de endividamento, administrar uma vasta crise imobiliária, impulsionar o consumo interno e revitalizar o setor privado, segundo assessores.

Com o sentimento empresarial, de emprego e do consumidor próximo a níveis recordes de baixa, a reunião plenária de quatro dias, que começa na segunda-feira, buscará acalmar as preocupações de que a segunda maior economia do mundo esteja caminhando para um período prolongado de baixo crescimento ou até mesmo para a deflação que o Japão tem enfrentado com frequência desde a década de 1990.

No entanto, os líderes chineses não demonstraram como podem reduzir a dívida e estimular o crescimento, fazer com que os consumidores gastem mais e, ao mesmo tempo, canalizar recursos para os produtores e a infraestrutura, ou aumentar a urbanização e, ao mesmo tempo, revitalizar as áreas rurais.

Como resultado, o comunicado ao final da reunião a portas fechadas, presidida pelo presidente Xi Jinping, pode conter metas grandiosas, mas oferecer poucos caminhos para alcançá-las. Isso poderia decepcionar os tensos mercados financeiros e as autoridades globais que pedem que a China mude seu modelo de crescimento.

“São necessárias reformas, pois vários riscos estão se sobrepondo: envelhecimento da população, bolhas imobiliárias, riscos de dívidas de governos locais e riscos financeiros”, disse um consultor assessor que pediu anonimato devido à sensibilidade do tópico. “Mas a implementação de reformas será muito difícil.”

As autoridades querem dobrar a economia da China até 2035, o que exige um crescimento médio anual de 4,7%. Poucos acreditam que isso seja viável, com o Fundo Monetário Internacional prevendo uma desaceleração de 5,2% no ano passado para 3,3% até 2029.

“Precisamos liberar novos motores de crescimento”, disse um segundo assessor. “Se não fizermos a reforma, é provável que a economia desacelere de acordo com as previsões do FMI.”

Muitos economistas pediram que a China reduza sua dependência de projetos de investimento e exportações alimentados por dívidas e, em vez disso, promova o crescimento estimulando os gastos das famílias – algo que os líderes prometeram em uma reunião plenária em 2013, mas fizeram pouco progresso.

Isso exigiria a transferência de recursos do governo e das empresas para as famílias por meio do bem-estar social e de salários mais altos, prejudicando a redução da dívida e as metas industriais.

Ambições de longa data, como o fim de um sistema de passaportes internos da era Mao, associado à enorme desigualdade urbano-rural, e o aumento da idade de aposentadoria, que está entre as mais baixas do mundo, poderiam provocar instabilidade social.

Pequim afirma que tem uma política de portas abertas para investimentos do exterior, mas as empresas estrangeiras reclamam de batidas e prisões, amplas leis de segurança nacional e apoio estatal aos concorrentes nacionais.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.