Home Economia e Política China divulga medidas “históricas” para estabilizar setor imobiliário

China divulga medidas “históricas” para estabilizar setor imobiliário

A China anunciou medidas "históricas" nesta sexta-feira para estabilizar seu setor imobiliário atingido pela crise

por Reuters
0 comentário

A China anunciou medidas “históricas” nesta sexta-feira para estabilizar seu setor imobiliário atingido pela crise, com o banco central viabilizando 1 trilhão de iuanes (138 bilhões de dólares) em financiamento extra e flexibilizando as regras de hipoteca e os governos locais se preparando para comprar “alguns” apartamentos.

Os investidores esperam que as medidas marquem o início de uma intervenção governamental mais decisiva para compensar a diminuição da demanda por apartamentos novos e antigos, para desacelerar a queda dos preços e para reduzir um estoque crescente de casas não vendidas.

Analistas vêm pedido há tempos que o governo intervenha com suas próprias compras para sustentar um setor que, em seu auge, foi responsável por um quinto do PIB e continua sendo um grande obstáculo para a segunda maior economia do mundo.

Desde que o mercado imobiliário começou a cair vertiginosamente em 2021, várias incorporadoras deram calote, deixando dezenas de canteiros de obras ociosos e minando a confiança no que, durante décadas, foi o instrumento de poupança preferido da população chinesa.

O Jornal Imobiliário da China, uma publicação gerenciada pelo Ministério da Habitação, disse que as “políticas pesadas” marcaram “um momento histórico significativo” para o setor.

“É um passo ousado”, disse Raymond Yeung, economista-chefe do ANZ, sobre as medidas.

“O maior problema é se o programa de compras do governo induzirá a demanda do setor privado. A liquidação de estoques aumentará o fluxo de caixa para as incorporadoras e ajudará sua estabilidade financeira, mas não abordará a confiança do setor privado.”

Depois que as ondas de medidas de apoio nos últimos dois anos falharam em estabelecer um piso para o setor imobiliário, o Ministério da Habitação da China disse que os governos locais podem instruir as empresas estatais a comprar “algumas” casas a preços “razoáveis”.

Os veículos de financiamento municipais, culpados pelo que Pequim chama de “dívida oculta”, não terão permissão para comprar.

As casas serão usadas para fornecer moradias a preços acessíveis, disse o vice-primeiro-ministro He Lifeng, sem fornecer um cronograma ou uma meta para as compras.

Ele também disse que os governos locais, que já têm cerca de 9 trilhões de dólares em dívidas, podem recomprar os terrenos vendidos aos incorporadores e prometeu que as autoridades “lutarão arduamente” para concluir os projetos paralisados.

O banco central da China disse que criará um mecanismo de empréstimo para moradias populares que, segundo ele, resultará em 500 bilhões de iuanes em financiamento bancário. Também reduzirá ainda mais as taxas de juros hipotecárias e as exigências de pagamento de entrada.

Sede do banco central da China em Pequim
Sede do banco central da China em Pequim (Imagem: Reuters/Jason Lee/File Photo)

Além disso, disponibilizará outros 500 bilhões de iuanes em seu mecanismo de empréstimo suplementar prometido para apoiar medidas, incluindo a reforma de algumas áreas urbanas com moradias mais antigas.

As autoridades não forneceram uma estimativa do custo total das compras de moradias direcionadas pelo Estado.

O Goldman Sachs estima que o estoque de moradias vendáveis seja de 13,5 trilhões de iuanes no final de 2023.

Desde que o mercado imobiliário azedou em 2021, a China reduziu as taxas de juros e os pagamentos de entrada, enquanto a maioria das cidades diminuiu ou removeu as restrições de compra anteriores.

Um programa de financiamento de incorporadoras para a conclusão de projetos também está lutando para ganhar força.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.