Home Agronegócio CNA entra com ação no STF contra decisão do governo de comprar arroz importado

CNA entra com ação no STF contra decisão do governo de comprar arroz importado

Produtores alertam que estarão desestimulados a plantar arroz na próxima safra, por conta do subsídio ao cereal importado

por Reuters
0 comentário

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) protocolou nesta segunda-feira uma ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do governo federal de realizar leilões de compra de arroz importado, segundo comunicado da entidade.

A ação pede a suspensão do primeiro leilão público da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), previsto para quinta-feira, além de explicações ao governo sobre a medida, que teria o objetivo de enfrentar as consequências das enchentes no Rio Grande do Sul.

Procurado, o Ministério da Agricultura não comentou o assunto imediatamente.

Na semana passada, o ministro da pasta, Carlos Fávaro, disse que os estímulos do governo brasileiro à importação de arroz têm como função combater a especulação de preços do produto básico observada no último mês e não é uma medida para afrontar os produtores gaúchos.

Para a CNA, o incentivo à importação de arroz vai afetar uma cadeia produtiva brasileira “com potencial de desestruturá-la, “criando instabilidade de preços, prejudicando produtores locais de arroz, desconsiderando os grãos já colhidos e armazenados, e, ainda, comprometendo as economias de produtores rurais que hoje já sofrem” com a tragédia e com os impactos das enchentes.

Produtores alertam que estarão desestimulados a plantar arroz na próxima safra, por conta do subsídio ao cereal importado.

O Rio Grande do Sul é o maior produtor de arroz do Brasil, respondendo por cerca de 70% da safra nacional.

Mas produtores argumentam que a colheita estava quase toda finalizada, quando começaram a ocorrer as inundações, sem impacto relevante na produção.

A CNA questiona a constitucionalidade das normas referentes ao tema duas medidas provisórias, duas portarias interministeriais e uma resolução do Comitê Gestor da Câmara de Comércio Exterior.

Estes normativos preveem a importação de até 1 milhão de toneladas do produto.

O governo abriu crédito de mais de 7 bilhões de reais para implementar a medida, que posteriormente prevê a venda de arroz nos supermercados a preços controlados de 4 reais por quilo.

Para o leilão da próxima quinta-feira, o governo estimou gastos de 2,3 bilhões de reais para compra de 300 mil toneladas de arroz importado e posterior venda subsidiada aos consumidores.

Na ação, a CNA ressalta que 84% da área plantada do Estado foi efetivamente colhida antes do início das chuvas e destaca que não existe o risco de desabastecimento.

“Dados realistas do setor indicam que a safra gaúcha de 2023/2024 foi de aproximadamente 7,1 milhões de toneladas de arroz, patamar aproximado ao volume colhido pelo Estado na safra 2022/2023 que foi de 7,239 milhões de toneladas, segundo dados do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga)”, destacou a CNA.

A entidade alerta, ainda, que a importação do arroz viola a Constituição e se revela uma medida abusiva de intervenção reprovável do Poder Público na atividade econômica, restringindo a livre concorrência.

A entidade diz também que o arroz produzido e colhido pelos produtores rurais gaúchos “certamente sofrerá com a predatória concorrência de um arroz estrangeiro, subsidiado pelo governo federal e vendido no Brasil fora dos parâmetros econômicos de fixação natural de preços”.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.