Home Empresas Com 1.847 cervejarias registradas no Brasil, setor cresce 6,8% em 2023

Com 1.847 cervejarias registradas no Brasil, setor cresce 6,8% em 2023

Já a importação brasileira de cerveja segue em queda desde 2019

por Agência Gov
0 comentário

Nesta quarta-feira (8), o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) em conjunto com o Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (Sindicerv) divulgou o Anuário da Cerveja .

O documento traz dados estatísticos do setor cervejeiro no Brasil que vem crescendo de forma constante.

Conforme o Anuário, o número de cervejarias registradas no país cresceu 6,8% no ano passado. Isso significa que a quantidade de estabelecimentos saltou de 1.729, em 2022, para 1.847 em 2023.

Em relação a série histórica analisada, o ano de 2023 representa o 8º maior aumento do setor já registrado.

O estado de São Paulo segue na liderança com a marca de 410 cervejarias. Essa é também a primeira vez que uma unidade da Federação supera a marca de 400 estabelecimentos registrados no Mapa.

Todas as regiões do país apresentaram aumento no número de cervejarias registradas. Seguindo a tendência observada nos anos anteriores, a região Sudeste lidera com 856 cervejarias, representando 46,3% do total de estabelecimentos do Brasil.

Já o número de municípios com pelo menos uma cervejaria chegou a 771, um crescimento também de 6,8% em relação ao ano passado. Estatisticamente, o levantamento aponta pelo menos uma cervejaria registrada em 13,8% dos municípios brasileiros.

Ainda em relação aos municípios, o destaque ficou para cidade de São Paulo com total de 61 estabelecimentos registrados, seguido por Porto Alegre, 43, e Curitiba com 26.

(Imagem: Agência Gov / Via Mapa)

Já a novidade sinalizada no documento é que Farroupilha/RS e Goiânia/GO passaram a constar na lista de cidades brasileiras com 10 ou mais cervejarias registradas.

Agora, são 23 cidades que figuram essa lista, sendo 12 situadas no Sudeste, oito no Sul, duas no Centro-Oeste e uma no Nordeste.

Em relação a densidade de cervejarias por habitantes, o Anuário traz uma cervejaria registrada para cada 109.952 habitantes.

O Rio Grande do Sul é unidade da Federação em que os habitantes estão mais bem servidos com cervejarias, ultrapassando Santa Catarina e alcançando a primeira posição com a marca de um estabelecimento para cada 32.486 habitantes.

PRODUTOS

A cerveja segue como a bebida mais registrada no país, com considerável variedade para o mercado de consumo, com 45.648 rótulos. Isso representa um aumento de 6,6% em relação ao total de produtos registrados que havia em 2022, ou seja, 2.817 registros a mais em um ano.

São Paulo segue sendo o estado com maior número de cervejas registradas, com 13.654. Em segundo e terceiro lugares, ficam Rio Grande do Sul e Minas Gerais, com 6.791 e 6.417 respectivamente.

A média brasileira é de 24,7 registros de produtos por estabelecimento. O estado de São Paulo detém média mais elevada que a nacional, com 33,3 produtos registrados por estabelecimento.

IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO

Em relação à exportação de cerveja, houve aumento de 18,6% no volume exportado, alcançando 231.977.494 litros do produto brasileiro exportado. Esse é o maior volume atingido no período estudado.

Ao todo, as cervejas brasileiras foram para 75 países, resultando em um faturamento de US$ 155.788.372. Os principais destinos são os países da América do Sul, que respondem por 97,8% das vendas externas.

O Paraguai é o principal destino da cerveja brasileira, seguido por Bolívia, Uruguai, Chile e Cuba.

Já a importação brasileira de cerveja segue em queda desde 2019.

Os produtos são provenientes de 19 países, sendo a maior quantidade oriunda da Alemanha. Em valores, a importação de cerveja no Brasil foi apenas 7.130.686 litros e de faturamento US$ 8.597.137 totais.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.