Com que roupa eu vou?A polêmica discussão sobre o uso de um vestido curto por uma aluna, durante a aula em faculdade de São Paulo, ainda está em alta. Ontem, li no Canal Executivo, parte do portal UOL, uma matéria interessante e oportuna sobre o tema. Especialistas da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) falaram sobre o uso de roupas inadequadas no ambiente de trabalho.

Segundo Ralph Arcanjo Chelotti, presidente da ABRH-Nacional, “a premissa de que as pessoas são livres para usar o que bem entendem precisa ser analisada com cuidado, pois vivemos em um ambiente social, onde as pessoas são julgadas, inclusive, pela forma como se vestem, por seu asseio e até pelo modo como falam”.

É justamente essa liberdade que precisa ser pensada com cuidado. Temos padrões sociais já estabelecidos e fugir deles pode ser perigoso para o crescimento pessoal e profissional – embora a quebra de paradigmas seja tentadora. A questão estética passa também por isso. Cada ambiente social pede a adoção de uma postura pessoal adequada, e isso inclui a roupa que se usa. As empresas, por exemplo, levam isso em conta desde seu processo de seleção de pessoas, entrevistas[bb] e atividades cotidianas.

Em meus cursos de Marketing Pessoal essa questão é abordada. A primeira pergunta que faço é: “Qual a mensagem que você quer transmitir através do seu modo de vestir?”. O posicionamento de imagem é a adequação visual ao contexto social. A roupa certa para cada ocasião é também seu cartão de visita. É preciso estar atento e buscar eliminar os aspectos que possam trazer um impacto desfavorável, distorcendo a maneira como você é percebido pelos outros.

Outro dia, ao visitar uma universidade, presenciei algumas alunas de cursos da área da saúde atendendo pacientes usando roupas muito inadequadas. Pensei comigo: onde estariam os supervisores de estágio para orientar essas futuras profissionais em relação à questão estética? Será que alguém se preocupa com isso? Deveria?

A intenção em trazer essa matéria não é ser moralista, algo que os integrantes da ABRH também pontuam, mas alertar aos que estão cursando a universidade e aos que estão inseridos (ou não) no mercado de trabalho[bb] que, apesar do Brasil ser um país tropical, existem maneiras adequadas de se vestir e não sentir tanto calor! Não pensem em certo ou errado, mas em coerência.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários