Muitas vezes os investidores, após as escolhas e as aplicações iniciais, não sabem como acompanhar suas carteiras, muito menos que atitudes devem tomar em momentos desfavoráveis. Esse processo tem um importante papel para o bom desempenho dos investimentos. Vamos agora explicar como acompanhar seus ativos de forma a ter a melhor rentabilidade possível.

Plano

Estudos provam que quem segue um plano sem mudá-lo por impulso atinge seus objetivos de forma mais eficaz.  O ideal é que o planejamento só seja ajustado em avaliações anuais ou, pelo menos, semestrais.

Caso mude seu plano com muita frequência pode acabar cometendo um grande erro, que é estar sempre na contramão, sempre chegando depois, atrasado, no momento errado. Consequentemente, não obtém a rentabilidade desejada.

Para elaborar um plano devemos pensar em diversos pontos, como: 1) quanto quero ter em recursos de curto prazo, renda fixa ou ações, risco moderado, alto risco e 2) quais os objetivos com o dinheiro.

O perfil mais comum do investidor brasileiro é fazer investimentos em um horizonte mais curto. Nesse caso, é preciso ter um cuidado ainda maior, preferindo investimentos com mais liquidez e menos risco.

Periodicidade

Um investidor com plano de médio/longo prazo não precisa acompanhar seus rendimentos de forma tão assídua. Olhar uma vez por mês está mais que bom. Uma avaliação semestral também é adequada. Verificar anualmente é imprescindível.

Não é necessário, e pode ser muito ruim, olhar todos os dias ou com muita frequência seus investimentos. Mais que uma vez por mês pode causar ansiedade e nervosismo, o que faz com que o investidor tome atitudes que podem influenciar negativamente seus investimentos.

Um exemplo: se nos depararmos com um dia de queda forte podemos, por impulso, fazer a retirada e encerrar o investimento. Nesse momento, você pode estar jogando fora a chance de obter uma boa rentabilidade: muitas vezes, um dia não interfere no resultado final.

O importante é perceber se coisas estão indo conforme o planejado. Se não, aí sim, podemos pensar em mudanças a cada seis meses.

Benchmark

Ao acompanhar nossos investimentos, devemos sempre compará-los com uma referência, um indicador relacionado a seu tipo de investimento. O CDI, por exemplo, vai servir como forma de comparação para produtos de renda fixa e multimercado. Já o Ibovespa é uma das referências quando se aplica em ações.

Quando comparamos nossas aplicações com o CDI, é preciso ter em mente que é uma variação bruta. Já os produtos têm sempre algum custo ou imposto. Quando o risco é maior, a rentabilidade pode até superar o CDI. Produtos de renda fixa (lista de títulos), no entanto, normalmente vão ficar bem perto ou um pouco abaixo do índice, justamente por causa de custos e taxas.

Rentabilidade

A análise da rentabilidade deve levar em conta o nível de risco e a volatilidade do ativo. Por exemplo, se um fundo tem uma volatilidade de 5%, e caiu 1%, podemos dizer que está tudo bem, ou seja, isso é o esperado para aquele produto.

Por isso, precisamos sempre balancear o risco e a volatilidade para tomar decisões. Às vezes, o retorno pode até não ser o que você deseja, mas é o esperado para o perfil daquele investimento.

A revisão semestral é importante neste momento. Um fundo que está em queda há seis meses pode ser motivo de análise para retirada. Quando isso acontece, devemos tentar entender o que mudou. Se algum gestor saiu, se a estrutura está diferente ou se alguma outra coisa explica o rendimento ruim. Pode ser somente reflexo de uma alteração conjuntural do mercado.

Alguma dúvida ou comentário? Manda pra gente no e-mail [email protected]! Até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Órama, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto: Planning, risk and strategy in business, Shutterstock.

Parceiro de Conteúdo
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários