Qual foi a última vez que você fez um check-up financeiro? Para muitos, a resposta é: NUNCA! Não por acaso, temos uma parcela tão expressiva da nossa população sofrendo de doenças financeiras.

Talvez você esteja se perguntando: dinheiro tem a ver com saúde? Tem… e muito! Pessoas que possuem uma vida financeira equilibrada, com poucas dívidas e que conseguem manter seus compromissos em dia possuem uma propensão muito menor a sofrer dos inúmeros problemas ocasionados pelo desequilíbrio financeiro.

Estresse, fadiga, dificuldade de se concentrar no trabalho, baixa produtividade, esses e muitos outros problemas são consequência de uma vida financeira desregrada e repleta de dores de cabeça.

Em um mundo em que tudo e todos giram em torno do dinheiro, não obter êxito na seara financeira pode causar um problema tão ou mais grave do que os já citados: baixa autoestima. Em uma sociedade que nos avalia pelo ter e não pelo ser, ter menos do que se gostaria pode trazer graves prejuízos para a autoestima das pessoas.

E alguém com a confiança abalada certamente obtém resultados muito aquém daqueles do seu potencial. Não é isso que você quer para sua vida, é?

Leitura recomendadaA crise financeira e os seus efeitos psicológicos (aprenda a blindar-se!)

De vez em quando, as “doenças” são inevitáveis, mas na maior parte do tempo estar saudável financeiramente depende somente de nós e mais ninguém. E, acredite você ou não, estar com a saúde em dia é mais fácil do que se pode imaginar.

Antes de sair por aí tomando os remédios que você acha que precisa, o primeiro passo é fazer um diagnóstico – como o médico faz no paciente – para descobrir qual seu estado atual e, caso você esteja doente, quais as causas dessa doença. Pronto! Agora, você já tem uma melhor noção dos seus problemas e sabe a melhor forma de solucioná-los.

Feito isso, você precisa entrar na primeira etapa do “tratamento”. Nela, você irá organizar sua situação financeira e elaborar seu planejamento. Independente do tamanho do seu problema, sempre há uma solução – descobri-la passa, necessariamente, pelas duas etapas listadas.

Depois que você já se organizou e planejou o que irá fazer para melhorar a sua saúde financeira, agora é hora de ir para a etapa mais importante: a execução, ou seja, a ação!

Você já descobriu a doença – diagnóstico -, descobriu o remédio – organização – e comprou o remédio – planejamento -, agora é a hora de efetivamente tomar a medicação – execução. Caso você não cumpra essa última etapa, todas as outras terão sido em vão.

Leitura recomendadaVocê e seu dinheiro: pare de falar e comece a cuidar dessa relação

Sem sombra de dúvidas, a execução é o passo mais difícil! É nele que você descobrirá até que ponto está disposto a mudar seus hábitos. O remédio é amargo. Tomá-lo disciplinadamente até ficar bom não é fácil. A tentação para deixá-lo de lado ou diminuir a dosagem é grande.

  • Até que ponto você está disposto a tomar esse remédio?
  • Até que ponto você está disposto a cuidar da sua saúde financeira?
  • Até que ponto você está disposto a fazer o que for preciso para construir um 2016 com menos problemas e mais soluções?

Sua saúde financeira depende (e dependerá sempre) das respostas que você dá às perguntas que a vida impõe. Só não esqueça que, sem saúde, todo o resto se torna secundário. E aí, vai ou não vai cuidar da sua saúde financeira? Pense bem e até a próxima!

Foto “Financial health”, Shutterstock.

Samuel Magalhães
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários