O senso comum e uma visão mais rasa podem dizer que o momento de crise requer cautela extra e nada de empreendedorismo, mas a verdade é que na crise surgem algumas das melhores oportunidades neste sentido.

Há novos nichos a serem explorados

Um dos pontos positivos da crise para o empreendedorismo é que ela permite o exercício da criatividade para a exploração de novos nichos que antes não existiam ou que não estavam a todo vapor.

É o caso, por exemplo, de empresas de reparos – de roupas, de sapatos ou mesmo de carros, no caso das oficinas – já que como a regra é economizar, os consumidores procuram reparar em vez de substituir. Bem óbvio, não é mesmo?

O mesmo vale para empresas de consertos domésticos e obras residenciais em geral, já que, inclusive, os reparos são uma necessidade em muitos casos.

Negócios que ofereçam produtos mais baratos ou mesmo sem uma estrutura de vendas tão robusta também estão em alta, como food trucks, que oferecem comida de qualidade e mais barata. Outros exemplos são as lojas de carros usados, já que o carro novo ficou mais caro, e brechós e lojas de roupas usadas.

Atenção para o fato de que nem tudo dá certo e alguns deslizes precisam ser evitados, e neste sentido já mostramos aqui os 5 principais erros cometidos quando o assunto é empreendedorismo (clique para ler).

É possível ganhar mercado dos concorrentes

Outra forma ver a crise como oportunidade para o empreender tem relação com a concorrência: é possível abocanhar parte do mercado dos concorrentes, especialmente quando o empreendedor anteviu a crise e se preparou para ela.

Dessa forma, um concorrente despreparado provavelmente irá se deparar com a necessidade de fazer cortes de gastos e também de investimentos. É nessa hora que o empreendedor preparado investe em seu negócio, atraindo mais clientes e superando a crise. Em alguns casos, a expansão de um negócio passa pela compra do concorrente desprevenido.

Além disso, para empreendedores que estão dispostos a correr riscos controlados, é possível abrir o seu próprio negócio agora, já que há menos concorrência (há muitas empresas fechando as portas e outras diminuindo drasticamente o investimento).

Empresas que estão superando a crise

Para se inspirar, confira algumas empresas que estão superando a crise e saiba como elas estão fazendo isso, mostrando que o momento pode, sim, ser bom para o empreendedor:

  • General Motors: a montadora está utilizando a crise como um momento de oportunidade para investir 13 bilhões de reais para trazer uma nova família global de veículos;
  • Ambev: no segundo trimestre de 2015, a empresa teve um aumento de 27,3% em relação ao lucro líquido. Para driblar a crise, a líder de mercado vem investindo em cervejas mais caras e exclusivas, algumas atersanais;
  • Renner: com uma alta de 33% no lucro líquido no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, mesmo com a crise a empresa mantém seu plano de expansão, que inclui um investimento de mais de meio bilhão de reais;
  • CVC: aproveitando o momento de crise, a CVC continua investindo em promoções e pacotes de viagens de estudo, o que aumentou em 20% o número de passageiros em 2015.

Conclusão

Crise é crise, e isso é bem complicado. Ok, dito isso, é hora de olhar um pouco além do apocalipse e buscar, ainda que de forma planejada e cuidadosa, maneiras de aproveitar o momento e fortalecer seus negócios e talentos.

Quanto do seu tempo você dedica ao aprendizado e leitura de livros e conteúdo relacionado ao empreendedorismo? Selecionamos 6 livros que todo empreendedor deve ler (clique para conhecê-los).

Crises vem e vão, e empreendedores bem-sucedidos (e preparados para estes ciclos) sabem muito bem que nestas horas são realizados excelentes negócios. Procure entender essa dinâmica e aplicá-la também em sua vida e carreira.

Foto “Strong businessman”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários