Como e onde o petróleo nos atinge?O valor do barril de petróleo, na cotação internacional, tem batido recordes há meses. Em 2006, o Brasil havia atingido a tão sonhada auto-suficiência no petróleo, porém hoje ainda não há consenso sobre nossa real independência. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) divulgou que, de janeiro a julho de 2008, o Brasil importou 14,9 milhões de barris de petróleo a mais do que exportou.

O que acontece aqui é que as plataformas nacionais de petróleo foram projetadas para processar petróleo leve (importado do Oriente Médio), enquanto a produção nacional é baseada no petróleo pesado. Isso faz com que a balança comercial seja negativa: o petróleo pesado, vendido pelo Brasil, é mais barato do que o nobre, importado. Pior: a projeção da Petrobrás é que esse déficit só será zerado em 2010.

Portanto, é necessário entender como o nosso bolso[bb] é e será afetado. Ao contrário do que muitos imaginam, não é somente o combustível que pode pesar, e sim um universo muito amplo de produtos, como asfalto, óleos, parafina, solventes, etc. Neste artigo vou falar sobre os amigos das mulheres: os cosméticos.

O petróleo está presente no processo de fabricação de cremes, xampus, condicionadores, maquiagem e etc. Derivados do petróleo mantêm a consistência dos batons, gloss e protetores labiais, fixam os produtos em pó na pele, dissolvem esmaltes, evitam a degradação rápida dos produtos, formam espuma e garantem a emoliência e a umectância. Além disso, o petróleo é matéria-prima para as embalagens plásticas.

Por esses motivos, a indústria mundial de cosméticos tem ficado de olho nos impactos do aumento do petróleo e tem lançado no mercado produtos alternativos, que visam não só driblar os custos cada vez maiores, mas também diminuir o impacto ambiental[bb]. Por exemplo, muitas empresas têm lançado produtos chamados “refil”, onde você compra a embalagem completa somente uma vez. Quando o produto acaba, é necessário comprar somente o produto e não o kit completo.

Para quem ainda não percebeu, grande parte dos fabricantes de cremes faciais trocou a embalagem plástica pela de vidro. As empresas estão aliando a necessidade que o mercado exige – de ter uma política de responsabilidade social[bb] – com a economia de se usar outros tipos de recipientes e embalagens.
Do outro lado, na demanda (que somos nós), ações também devem ser tomadas, como:

  • Trocar produtos importados. Empresas nacionais ou até mesmo multinacionais que instalaram fábricas no Brasil estão bastante competitivas e têm lançado produtos com tanta qualidade quanto os importados. E não podemos esquecer também das revendedoras – aquelas que andam com um catálogo debaixo do braço;
  • Abraçar a idéia dos produtos com refil. É uma ótima idéia;
  • Escolher produtos substitutos. Por conta da alta competitividade, as promoções estão cada vez mais comuns, e assim é possível sempre comprar com preços melhores;
  • Utilizar produtos artesanais. Nós sempre temos uma amiga que faz sabonetes, cremes, velas e etc. São ótimas opções baratas e ainda dá para fazer “pacotes” com preços mais baixos;
  • Juntar um grupo e comprar produtos nas perfumarias que vendem no modelo de atacado. A diferença de preço é muito significativa.

Por último, mas não menos importante, bom-senso. Não há necessidade de ter diversos cremes no armário. Conheço pessoas que adoram comprar potes novos, com cores bonitas, embalagens modernas e abrem sem ao menos acabar com o produto que já estavam usando (e que já era ó-t-i-m-o!).

Pequenas mudanças no dia-a-dia podem não fazer diferença no curto prazo, é verdade. Porém, no longo prazo a economia é grande. A conjuntura atual não é muito favorável, pelo menos para aqueles que contam um salário mensal que sempre poderia ser maior. Mas ainda é possível manter uma rotina financeira saudável, contanto que alguns pontos sejam ajustados. Que tal abraçar essa idéia?

——
Mariana Prates é economista pela PUC-SP e pós-graduanda em Administração de Empresas pela FGV. Trabalha em precificação de Empréstimo em Folha e adora fazer planejamento financeiro para amigos e familiares.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários