O povo brasileiro não tem costume de investir de forma inteligente e prefere a boa e velha caderneta de poupança em detrimento de alternativas melhores, mais seguras e rentáveis (caso do Tesouro Direto). A desinformação é a grande responsável por essa realidade.

Com a alta da inflação, os investimentos precisam ser bem planejados e executados por quem deseja aumentar seu poder de compra e já consegue estabelecer metas a serem realizadas em períodos de meses a anos.

Qualquer pessoa que deseja investir deve aprender a conter a ansiedade para planejar e escolher o melhor investimento para a sua realidade, ou seja, que se faz sentido para a realização de suas metas e objetivos.

Antes de fazer um planejamento financeiro e traçar um objetivo de investimento, você precisa tomar alguns passos:

  • Preencha e atualize uma planilha de controle financeiro para descobrir o seu real ganho líquido e quais são suas despesas (clique aqui para download de nossa planilha gratuita);
  • Separe qual valor você poderá investir por mês para alcançar seu objetivo;
  • Defina se o cumprimento da sua meta poderá ser realizado a curto ou longo prazo, sendo curto prazo até 2 anos, médio prazo, de 2 a 5 anos e longo prazo, mais de 5 anos;
  • Escolha o investimento adequado de acordo com o período para realizar seu objeto.

Nota: como lidamos com um público iniciante, as sugestões e exemplos de investimentos citados neste texto têm como referência o perfil do investidor que está dando seus primeiros passos. Para muitos outros perfis, a situação pode mudar, portanto é importante interpretação e discernimento ao realizar a leitura deste material.

Investir no curto prazo

Como o período é curto (máximo 2 anos), o ideal é escolher um investimento mais conservador, com praticamente nenhum risco de perdas financeiras. Três investimentos chamam mais minha atenção quando se trata de curto prazo: título público Tesouro Selic, as Letras de Crédito Imobiliária e/ou do Agronegócio (LCI e LCA) e o CDB (Certificado de Depósito Bancário).

No caso do Tesouro Selic, a ideia é emprestar dinheiro para o governo e financiar a dívida pública. Ao comprar este título pós-fixado, o investidor receberá a variação da Selic do período em que mantiver o título em carteira, podendo vender antecipadamente sem correr riscos de prejuízo (a rentabilidade é por dia útil).

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um título de renda fixa que rende mais que a poupança e é garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito para aplicações de até R$ 250 mil reais. Em muitos casos, há liquidez diária, principalmente no caso de títulos de bancos médios e pequenos, que costumam pagar mais. Busque retornos que sejam acima do CDI, pois há incidência de Imposto de Renda.

O Imposto de Renda, aliás, incide apenas sobre os rendimentos obtidos no período e vale para o Tesouro Direto e CDB, de acordo com a regra abaixo:

  • 22,5 % caso a aplicação fique até 6 meses;
  • 20% caso a aplicação fique de 6 a 12 meses;
  • 17,5% caso a aplicação fique de 12 a 24 meses;
  • 15% caso a aplicação fique acima de 24 meses.

LCI e LCA possuem isenção de Imposto de Renda e são uma boa alternativa para quando o investidor tem um prazo específico para o uso do dinheiro aplicado. Isso porque o investimento neste produto pressupõe carência, ou seja, o dinheiro fica aplicado e não pode ser resgatado antecipadamente (somente no vencimento). Busque retornos iguais ou maiores que 90% do CDI.

Leitura recomendadaLCI e LCA: Ótimas oportunidades de investimento em tempos de crise

Investimentos de médio prazo

No médio prazo, período que vai de 2 a 5 anos, o investidor precisa diversificar e manter o dinheiro investido de forma a aproveitar a elevada taxa de juros, mas ao mesmo tempo ficar atento a oportunidades mais pontuais.

No meu entender, os melhores investimentos para o médio prazo são:

  • LCI e LCA: Títulos de renda fixa, de baixo risco, emitidos por banco com objetivo de financiar o setor imobiliário e do agronegócio. Não tem liquidez diária, conforme explicado no item anterior (curto prazo);
  • Tesouro Direto: Com a possibilidade de excelentes rendimentos em até 5 anos, títulos públicos Tesouro IPCA, por exemplo, são excelentes opções para esse período de inflação mais alta, pois garantem retorno real no período. A venda antecipada, neste caso, pode representar risco de prejuízo;
  • Fundos multimercado: Investimento especializado e feito através de aportes em fundos gerenciados por terceiros, este produto visa manter uma estratégia balanceada de investimentos com alguma exposição ao risco. É fundamental que este investimento não represente mais do que 20% de seu total de patrimônio.

Leitura recomendadaTesouro Direto: exemplo de oportunidade em meio à crise

Investimentos de longo prazo

Para investimentos de longo prazo, que correspondem a períodos de mais de 5 anos, você pode diversificar mais a sua carteira entre os perfis conservador, moderado e arrojado. Na minha visão, quatro tipos de investimentos para períodos acima de 5 anos devem ser considerados e equilibrados para formação de patrimônio e aposentadoria:

  • Ações: Escolha empresas sólidas, com boa governança e histórico de lucro crescente e invista de forma inteligente, acompanhando relatórios e opiniões de analistas credenciados. Jamais se desespere com as oscilações de curto prazo, pois eventuais quedas e perdas podem ser recuperadas ao longo do período;
  • Fundos: Cada instituição financeira possui uma gama de fundos disponíveis para investimento. Conheça tudo sobre o fundo que você deseja aplicar, fazendo comparações entre as taxas de administração e rentabilidade inclusive com outros gestores. Atente para o fato de que os melhores fundos nem sempre estão disponíveis nos tradicionais bancos de varejo, portanto esteja preparado para conhecer corretoras e gestores independentes;
  • Fundos de Investimento Imobiliário (FII): por que investir em um imóvel quando se pode investir em diversos imóveis e diluir o risco, tudo com o mesmo montante e de quebra sem pagar Imposto de Renda no aluguel recebido? Isso é exatamente o que é possível fazer ao investir em FII e você pode ler mais sobre clicando aqui.
  • Tesouro Direto: É uma opção interessante para quem pensa em aposentadoria. O Tesouro Selic é um título indexado ao IPCA (inflação), o que garante rentabilidade real, e possui diversos prazos de vencimento (de mais 20 anos, inclusive).

O investidor inteligente tem objetivos de curto, médio e longo prazo

Quando abordo estas questões práticas de investimento, é muito comum receber uma dúvida em relação a que produto escolher. Não se trata de investir no curto ou médio ou longo prazo, mas de ter uma estratégia em que os objetivos de cada período sejam respeitados e transformados em investimentos perenes.

E-book gratuito recomendado: Riqueza pessoal é possível

Comece, mas do jeito certo: defina objetivos de curto, médio e longo prazo e separe recursos todo mês para cada uma dessas metas. Aos poucos você realizará cada um dos seus desejos e terá, naturalmente, interesse por novos e diferentes investimentos, muitos deles não mencionados neste texto (Imóveis, ouro, dólar, daytrade etc.).

Se investir parecia muito complicado, agora já ficou mais simples e didático, certo? Quer começar? Uma maneira simples é abrir uma conta numa corretora de valores. Como eu já mencionei em outros textos, eu utilizo a Rico.com.vc. Para se cadastrar (clique aqui) não paga nada, e já terá acesso a todas as opções de investimentos disponíveis, podendo analisar com calma qual deles irá escolher.

Então, mãos à obra! Bons investimentos e até a próxima!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários