Não é mais surpresa nem para a presidente Dilma: estamos atravessando um período muito conturbado; a atual crise política e econômica afeta o desenvolvimento do país e paralisa o governo, que aos poucos se vê sem saída, sendo obrigado a realizar concessões que sabotam o plano de ajuste fiscal.

O empreendedor que está na linha de frente da crise, vendo diminuir o faturamento, a possibilidade real de aumento na carga tributária e a falta de perspectiva no curto e médio prazo acaba por ser obrigado a diminuir seu quadro de colaboradores, elevando o número de desempregados no país.

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), nos últimos 12 meses o país acumula perda de 778.731 postos de trabalho com carteira assinada, sendo que destes 494.386 foram finalizados em 2015 (janeiro a julho).

Com menos dinheiro rodando na praça, vendas caindo e grande incerteza no mercado, o empreendedor precise encontrar saídas, manter a produtividade e aumentar o nível de confiabilidade nos controles internos.

Controle, arma das empresas para superar a crise

De maneira geral, o controle financeiro sempre será um dos pilares de qualquer empresa. Em tempos de crise, isso se torna ainda mais importante, já que o crédito fica escasso e a possibilidade de investir se torna um desafio enorme.

O grande problema é que muitos empreendedores optam pela inércia, deixando o planejamento para trás. O certo é encarar a crise como a chance de dar um salto de qualidade, aproveitando o momento difícil para se consolidar no mercado. É claro que isso não é fácil, mas a crise oferece a chance de fazer com que a criatividade se torne um dos principais diferenciais.

Para que a criatividade possa sobressair, é fundamental que a empresa tenha ótimos controles. Por quê? Ora, para que tudo esteja adequado a nova realidade, além de oferecer aos seus administradores números confiáveis que mostrarão o momento certo de voltar a investir.

Leitura sugerida: Como a crise pode ser boa para o empreendedor? Entenda e pratique!

Um dos controles fundamentais é o financeiro, ele precisa ser confiável e integrado ao dia a dia da empresa. Preparamos algumas dicas para lidar com a realidade atual do país e, ainda assim, manter a empresa no caminho certo:

1. Acompanhe as oscilações de taxas de juros, câmbio e inflação 

Muita gente acha que apenas usar uma planilha já é suficiente para fazer um bom controle financeiro. Acompanhar o que está acontecendo no mercado financeiro é importante e ajuda o empreendedor a antecipar os rumos da economia.

Com base nas informações de inflação, juros e câmbio (entre outras), ficará mais fácil estabelecer precificações e possibilidades de investimentos. Muitos empreendedores tentam não repassar diversas mudanças de cenário para seus consumidores, comprometendo seriamente seu fluxo de caixa. Isto pode ser um erro em inúmeros casos.

2. Reduza os custos desnecessários

Crise é sinônimo não apenas de mais trabalho, mas de reflexão! Muitos custos que acreditamos serem indispensáveis para a empresa, após análise criteriosa podem se tornar desnecessários ou reduzidos.

Por isso, o primeiro passo é mapear todos os custos que você tem na sua empresa (inclusive aqueles que parecem irrelevantes), para que possam ser analisados e mensurados quanto à importância de fato.

Neste ponto, cabe ao empreendedor definir o que é mais importante no negócio, sem que ele perca a essência. Tome cuidado para não cortar custos que comprometam a produtividade e o ambiente de trabalho, pois isso costuma a trazer mais problemas do que benefícios para a empresa.

3. Busque novas saídas através da inovação

Suas receitas diminuíram? Busque soluções! Muitas vezes, a crise serve para que você reinvente seu negócio, coisa que dificilmente fazemos em épocas de bonança. Estude a possibilidade de desenvolver novos produtos para mercados ainda não explorados, por exemplo.

Também aproveite a equipe e busque soluções internamente, ouvindo seus colaboradores e demais envolvidos na operação do dia a dia. Nem sempre você precisará de grandes investimentos, pois a inovação acontece nos pequenos detalhes; durante uma crise, o mais importante é a capacidade de tomar decisões.

4. Trabalhe sua equipe

Em épocas de crise, o ideal é ser franco com a equipe e mostrar que, se todos trabalharem juntos e comprometidos, a solução poderá aparecer mais rapidamente. A melhora da produtividade e da qualidade costumam ser fatores determinantes para o aumento de seu fluxo de caixa e, consequentemente, para a manutenção de muitos empregos.

Leitura complementar: Não cometa estes 5 erros se quiser ter sucesso como empreendedor

Conclusão

Um dos grandes problemas da crise atual é a incapacidade de alguns personagens importantes do país em enxergar que os interesses do país são mais importantes do que os seus próprios.

Crises são cíclicas e sempre irão ocorrer, ainda mais por aqui, mas tirar proveito de situações críticas para benefício próprio só aumenta a pressão em torno de problemas graves de nossa nação. Publicamos aqui uma lista com 6 livros muito legais para empreendedores (clique para conhecê-los) que falam mais sobre o que discutimos neste texto.

É fundamental abrir a pauta do país para questões realmente transformadoras, como a necessidade de o país ser mais competitivo, ter melhor infraestrutura e contar com profissionais mais bem qualificados e leis que garantam que os corruptos sejam punidos (de verdade).

Prefiro acreditar que a crise é um momento de oportunidade! Torço para que tenhamos a serenidade para não desperdiçar essa chance de consolidação e desenvolvimento de nossas empresas, mas também para que o país possa discutir o que é melhor, levando em consideração o sonho de um futuro melhor. Até a próxima!

Foto “Company manager”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários