Como o investidor pode avaliar uma empresaAvaliar uma empresa para se investir não é uma tarefa fácil. Até porque se fosse fácil todos os analistas de mercado e seus clientes estariam ricos, afinal bastaria apenas seguir as recomendações e realizar lucro atrás de lucro. Infelizmente, a realidade é bem diferente – em muitos casos oposta a esta situação. O processo de avaliar uma empresa exige inúmeras técnicas e habilidades das mais variadas ciências. Conhecimentos econômicos, fórmulas matemáticas, regras contábeis e habilidades financeiras não são suficientes para a elaboração de um estudo aprofundado sobre uma companhia.

Além de entender de economia, contabilidade e administração, o investidor precisa ter sensibilidade sobre os aspectos subjetivos da companhia em estudo. O entendimento de seu produto ou serviço, e o seu papel inserido diante das necessidades de uma economia que está em constante transformação são, muitas vezes, mais importantes que a utilização de sofisticadas fórmulas financeiras. Também cabe destacar que a análise da percepção de clientes, fornecedores, acionistas, funcionários tem um papel importantíssimo no desenvolvimento de um modelo de avaliação. O estudo sobre a avaliação de empresa é uma metodologia especializada e complexa, mas que serve para orientar possíveis decisões de investimentos.

Apesar do processo de investimento ser, muitas vezes, feito de maneira intuitiva, o que nem sempre consegue atingir os melhores resultados, é indispensável que haja uma avaliação mais racional do ativo em estudo. Para isso, existem alguns modelos de avaliação, que vão dos mais simples aos mais sofisticados, como o modelo de desconto de dividendos, fluxo de caixa descontado, avaliação por múltiplos, entre outros.

Entre estes, a metodologia do fluxo de caixa descontado é uma das mais conhecidas dos investidores, talvez a mais aceita e utilizada pelo mercado e o meio acadêmico. É uma ferramenta onde o analista precisa inserir inúmeras premissas conforme suas próprias estimativas ou de acordo com as projeções de instituições financeiras do mercado.

Segundo Aswath Damodaran, professor e especialista em avaliação de ativos, a avaliação por fluxo de caixa descontado relaciona o valor do ativo ao valor presente dos fluxos de caixa futuros esperados relativos a este ativo. Estes fluxos de caixa irão variar de ativo para ativo e a taxa de desconto utilizada no modelo será uma função do grau de risco inerente aos fluxos de caixa esperados. É claro que está metodologia é um tanto sofisticada para aqueles que não têm conhecimento de finanças e economia.

Mas, a boa notícia é que esta é apenas mais uma ferramenta de avaliação, e não uma fórmula mágica que diz, com precisão, o preço justo que a ação deve valer. Alias, é importante ressaltar que não existe fórmula mágica para avaliar um ativo – e pode ter certeza que quem disser que sabe o caminho do “santo grau” está contando uma bela mentira. Não acreditem em milagres no mercado de ações e não invistam através da superstição e muito menos com base no “feeling”.

Insisto em dizer que, apesar de não existir formula mágica, podemos destacar algumas características importantes do investidor de sucesso para a avaliação de empresas. Trata-se de uma combinação de cinco fatores: racionalidade, paciência, bom senso, conhecimento e informação. Procure manter esta combinação em harmonia e evite cair em tentações, rumores ou boatos do mercado. Procure discernir entre aquilo que realmente importa na avaliação de uma empresa e saiba avaliar de acordo com suas próprias perspectivas futuras. Por fim, jamais esqueça que existem duas dimensões que não podem ser ignoradas: o potencial de retorno e o risco embutido na avaliação.

——
André Fogaça é formado em Administração de Empresas e pós-graduando em Economia e Finanças pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sócio fundador do portal GuiaInvest – www.guiainvest.com.br – e administrador de carteiras credenciado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.