Home Finanças Pessoais Como reduzir parcela de financiamento

Como reduzir parcela de financiamento

Aumentar o prazo de pagamento do financiamento em troca de diminui√ß√£o no valor de cada parcela tamb√©m pode ser vi√°vel em algumas institui√ß√Ķes

por Blog do Serasa
3 min leitura

Reduzir parcela de financiamento pode ser uma medida importante em um momento de imprevisto ou desequilíbrio financeiro. 

Existem estratégias que podem ser colocadas em prática a fim de diminuir o valor desembolsado mensalmente, sem precisar abrir mão do bem.

Neste artigo, confira seis dicas pr√°ticas para reduzir as parcelas dos financiamentos e colocar as contas em dia.

Banner MBA BARSI

Quando reduzir a parcela de um financiamento?

√Č importante ter um controle das finan√ßas, acompanhar de perto as entradas e sa√≠das mensais, ter conhecimento sobre o comprometimento da renda e a capacidade financeira para assumir novos compromissos ou lidar com imprevistos.

Assim, sempre que perceber que as contas não estão fechando e que a possibilidade de ficar inadimplente está se aproximando, é sinal de que chegou o momento de buscar reduzir a parcela de financiamento.

Alguns dos sinais que indicam a proximidade de uma situação de endividamento são:

O dinheiro sempre acaba antes do fim do mês.

As dívidas com empréstimos e financiamentos já ultrapassam 30% do orçamento mensal.

Pagar a fatura completa do cartão de crédito está difícil.

Foi necess√°rio deixar de pagar alguma conta para privilegiar outra.

Foi preciso utilizar o cheque especial ou a reserva de emergência.

Como reduzir parcela de financiamento: seis estratégias

Confira alguns caminhos para reduzir a parcela de financiamento e reequilibrar as contas:

Utilize o FGTS

No caso de financiamento imobiliário, é possível utilizar o saldo do FGTS para amortizar parcelas ou oferecer como parte do valor da entrada, se for o caso.

Caso queira utilizar o FGTS é preciso se atentar às regras, como:

Рnão ter parcelas do financiamento em atraso       

-o FGTS deve estar em nome do beneficiário do empréstimo;       

-o recurso s√≥ pode ser utilizado a cada dois anos;¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†–

o financiamento precisa ser feito pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH).

Faça um refinanciamento

O refinanciamento de d√≠vidas √© uma forma de substituir um d√©bito antigo por um novo com condi√ß√Ķes de pagamento diferentes da anterior.

Ele ocorre na mesma instituição financeira e vale para qualquer tipo de empréstimo ou financiamento. Se for optar pelo refinanciamento, é fundamental comparar o custo efetivo total (CET) dos dois contratos e avaliar as vantagens.

Negocie a taxa de juros ou solicite portabilidade de crédito

Tentar negociar uma taxa de juros menor que a aplicada em seu contrato para conseguir reduzir parcela de financiamento de maneira adequada também é uma boa estratégia.

(Imagem: Joédson Alves/Agência Brasil)
(Imagem: Joédson Alves/Agência Brasil)

Se não for possível, solicite uma portabilidade de crédito. Essa opção ajuda quem quer trocar uma dívida cara por uma mais barata, ao transferir um financiamento já solicitado e aprovado de uma instituição para outra.

Faça uma amortização dos juros

A amortização de uma dívida tanto de empréstimo como de financiamento significa a diminuição do total devido por meio de um ou mais pagamentos.

A ideia é antecipar o pagamento das parcelas geralmente as parcelas finais e, assim, reduzir também os juros e o valor mensal.

Renda extra, 13¬ļ sal√°rio e bonifica√ß√Ķes podem ser usados para amortizar a d√≠vida, diminuindo o tempo dela e garantindo bons descontos.

Amplie o prazo de pagamento

Aumentar o prazo de pagamento do financiamento em troca de diminui√ß√£o no valor de cada parcela tamb√©m pode ser vi√°vel em algumas institui√ß√Ķes.

O ganho para o consumidor está em conseguir economizar no fluxo mensal. Mas é preciso ter em mente que, no fim das contas, o financiamento sairá mais caro (quanto mais parcelas, mais juros serão pagos).

Conheça outras linhas de crédito

Outra forma de reduzir parcela de financiamento é conhecendo outras linhas de crédito e as utilizando para quitar a dívida em andamento (na prática, trocar uma dívida cara por uma mais barata).

Por exemplo, o valor levantado por meio de um empréstimo consignado com juros de 1,5% ao mês pode ser usado para quitar um empréstimo pessoal com juros de 3% ao mês.

Além do consignado, outro tipo de crédito que costuma ter taxas de juros menores é o empréstimo com garantia (de imóvel ou de automóvel).

    Quais as vantagens de reduzir parcela de financiamento?

    As principais vantagens s√£o:

    organizar as contas; evitar a inadimplência; manter o nome limpo e o acesso ao crédito; manter-se mentalmente saudável (as dívidas geram estresse e tiram a qualidade de sono de muita gente); promover um melhor controle das finanças mensais da casa/família; conhecer o cenário real da pessoa/família e balizar o consumo de acordo com essa realidade. 

    Quais os principais cuidados ao reduzir parcela de financiamento?

    Pagar menos mensalmente em parcela de financiamento é muito interessante para quem está com dívidas, beirando a inadimplência.

    Mas é preciso tomar alguns cuidados antes de recorrer a estratégias do tipo:

    Lembre-se que parcelas menores com prazos maiores geralmente aumentam o valor total da dívida por conta dos juros (verifique antes o novo custo efetivo total da operação).

    Verifique se não existem outras possibilidades para reduzir a parcela do financiamento (fazer uma amortização, por exemplo, ou antes de finalizar a compra escolher um item de menor valor).

    Cuide para continuar pagando as parcelas em dia, a fim de não se endividar mesmo após a renegociação.

    Monitore os gastos de perto e controlá-los para evitar mergulhar novamente em dívidas, mesmo após a redução da parcela do financiamento.

    Como negociar com institui√ß√Ķes financeiras

    Abrir diálogo com o(a) gerente da instituição financeira é um dos caminhos para inaugurar uma boa comunicação e aguardar as propostas de redução da parcela de financiamento.

    Explicar o cenário com clareza e apresentar toda a documentação necessária é também fundamental.

    Caso o banco n√£o consiga oferecer boas ofertas para negociar o financiamento, √© poss√≠vel partir para institui√ß√Ķes financeiras concorrentes e solicitar propostas para a portabilidade de cr√©dito (do financiamento, no caso).

    Tesouro Nacional
    (Imagem: José Cruz/Agência Brasil)

    Outra alternativa, caso não obtenha sucesso e perceba que o superendividamento já está estabelecido, é recorrer à Lei do Superendividamento (Lei n. 14.181 de 2021).

    A pessoa superendividada é aquela que perdeu a capacidade de pagar suas dívidas com a renda mensal que tem sem comprometer sua subsistência.

    A¬†Lei do Superendividamento¬†surgiu para tentar evitar que essa situa√ß√£o aconte√ßa. Para isso, ela pro√≠be que as institui√ß√Ķes financeiras:

    assediem ou pressionem o consumidor para contratar empréstimo;

    ocultem ou dificultem a compreensão sobre eventuais riscos da contratação de crédito ou da venda a prazo;

    indiquem que a operação de empréstimo possa ser concluída sem consulta a serviços de proteção ao crédito ou sem avaliação da situação financeira do consumidor;

    impeçam ou dificultem a anulação ou o bloqueio do pagamento a pedido do consumidor quando houver uso fraudulento do cartão de crédito;

    dificultem ou impeçam a restituição dos valores recebidos indevidamente.

    Al√©m disso, obriga as institui√ß√Ķes financeiras a: informar o consumidor previamente e de forma adequada sobre o custo efetivo total (CET), a taxa mensal efetiva de juros e os encargos por atraso.

    Também prevê a possibilidade de:

    apresenta√ß√£o de um plano de pagamento para os credores, com direito a tentativa de concilia√ß√£o perante os √≥rg√£os de defesa do consumidor, como o Procon e a Defensoria P√ļblica;

    instauração, a pedido do consumidor superendividado, de processo de repactuação das dívidas perante o juiz, com a presença de todos os credores, com a definição de um plano de pagamento dos débitos com prazo de até cinco anos para quitação.

    A Fundação Procon auxilia os consumidores que querem utilizar a Lei do Superendividamento para reduzir as parcelas de financiamento e outras dívidas e equilibrar as finanças.

    A instituição faz a ponte entre consumidor e bancos e auxilia ao longo de toda a negociação.

    Banner MBA BARSI

    O Dinheirama √© o melhor portal de conte√ļdo para voc√™ que precisa aprender finan√ßas, mas nunca teve facilidade com os n√ļmeros.

    © 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

    O Dinheirama preza a qualidade da informa√ß√£o e atesta a apura√ß√£o de todo o conte√ļdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que n√£o faz qualquer tipo de recomenda√ß√£o de investimento, n√£o se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

    O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.