Home Finanças Pessoais Como sair das dívidas ganhando pouco

Como sair das dívidas ganhando pouco

A educação financeira desempenha um papel fundamental na gestão eficiente das finanças

por Blog do Serasa
3 min leitura

Lidar com dívidas enquanto se tem renda baixa é algo desafiador. Assim, saber como sair das dívidas ganhando pouco é essencial para reorganizar a vida financeira.

Equilibrar o pagamento das contas nessa situação demanda criatividade e um plano bem estruturado.

O desafio é possível, mas requer um olhar cuidadoso para as finanças pessoais e uma abordagem estratégica para alcançar a estabilidade financeira.

Banner MBA BARSI

Como sair das dívidas ganhando pouco

Sair das dívidas não é fácil, ainda mais quando os recursos financeiros são escassos.

O primeiro passo é “arrumar a casa”, ou seja, listar as dívidas, priorizar pagamentos e identificar oportunidades para reduzir gastos.

Se há mais de uma dívida, provavelmente não será possível quitar todas em pouco tempo.

Nesse caso, a estratégia é quitar uma dívida por vez. Mesmo que demore mais, a consistência é essencial.

Considere renegociar as dívidas, busque parcelamentos ou condições mais favoráveis com os credores, mas sempre de forma realista.

Buscar alternativas de renda extra também pode ajudar, como um trabalho autônomo, venda de itens não utilizados ou até mesmo um segundo emprego.

Educar-se financeiramente, aprendendo sobre gestão de dinheiro, orçamento e investimentos, faz parte do processo.

A mudança de hábitos financeiros e o comprometimento em seguir um plano podem fazer diferença na jornada para se livrar das dívidas, mesmo ganhando pouco.

Conheça as etapas da reorganização financeira.

1. Orçamento eficiente

Para desenvolver estratégias de orçamento eficiente, é essencial começar com um entendimento claro da renda mensal disponível.

Isso envolve a identificação e registro de todas as fontes de renda, bem como uma análise detalhada das despesas mensais. Uma vez que esses números estejam claros, é possível criar um plano financeiro realista.

Um passo inicial é priorizar despesas essenciais, como moradia, alimentação, transporte e contas básicas. O objetivo é garantir que esses gastos se encaixem confortavelmente na renda disponível.

Reduzir gastos supérfluos e cortar despesas desnecessárias pode ser crucial para manter um orçamento equilibrado.

Ao criar um orçamento, é útil segmentar despesas fixas e variáveis. Isso permite uma melhor compreensão de quais custos são constantes e quais podem ser mais flexíveis.

Estabelecer limites claros para cada categoria de gastos ajuda a manter o controle financeiro.

Além disso, reservar uma porcentagem da renda para poupança ou para o pagamento de dívidas é uma prática fundamental para garantir estabilidade financeira no longo prazo.

Para ajudar na organização, a Serasa disponibiliza uma tabela financeira que vai ajudar e muito a compreender as finanças:

2. Redução de despesas

A redução de despesas é uma parte crucial de um orçamento eficiente, especialmente quando se trata de enfrentar dívidas ganhando pouco.

Uma estratégia eficaz é revisar cuidadosamente os gastos mensais e identificar áreas em que cortes podem ser feitos. Isso pode envolver a renegociação de contratos, a procura por planos mais acessíveis ou simplesmente a eliminação de despesas supérfluas.

Uma dica prática é criar uma lista de todas as despesas mensais e classificá-las por prioridade. Itens essenciais, como moradia e alimentação, devem ter prioridade máxima.

Em seguida, analise despesas menos críticas, como assinaturas de serviços, entretenimento e compras não essenciais. Identificar áreas em que é possível economizar, como por meio de promoções, descontos ou substituições mais econômicas, é fundamental.

Além disso, é útil considerar opções de transporte mais econômicas, procurar por planos de celular mais acessíveis e estar atento a ofertas e descontos em compras do dia a dia.

Pequenos cortes em várias áreas podem resultar em economias significativas ao longo do tempo, contribuindo para aliviar a pressão financeira ao ganhar pouco.

3. Geração de renda adicional

A geração de renda extra é uma ótima maneira de aumentar o orçamento e alcançar metas financeiras, como economizar para uma viagem, comprar um carro ou uma casa, ou pagar dívidas.

Mesmo com um trabalho em tempo integral, é possível encontrar oportunidades para gerar renda extra.

Aqui estão algumas ideias e sugestões para obter renda extra:

Trabalhar como freelancer: se o interessado tem habilidades ou conhecimentos em áreas como design, programação, redação, tradução, pode trabalhar como freelancer para clientes de todo o mundo. Existem diversas plataformas online que conectam freelancers a clientes.

Vender produtos ou serviços: quem tem produtos ou serviços para vender pode abrir uma loja online ou vender em plataformas como Mercado Livre ou OLX. Pode também vender produtos ou serviços pessoalmente, como em feiras ou eventos.

Aluguel de imóveis ou equipamentos: quem possui imóveis ou equipamentos que não usa com frequência, pode alugá-los para outras pessoas.

Ao escolher uma atividade para gerar renda extra, é importante considerar os interesses, habilidades e disponibilidade de tempo.

Aqui estão algumas dicas para gerar renda extra com sucesso:

Ser organizado: manter um registro das despesas e receitas para acompanhar o progresso.

Ser persistente: a geração de renda extra leva tempo e esforço. Não desistir mesmo não vendo resultados imediatos.

Estar aberto a novas oportunidades: ficar atento a novas oportunidades de geração de renda extra que possam surgir.

Outra opção é buscar oportunidades de trabalho temporário ou por contrato, especialmente durante períodos sazonais, como festas de fim de ano ou feriados.

4. Educação financeira

A educação financeira desempenha um papel fundamental na gestão eficiente das finanças.

Compreender conceitos básicos, como orçamento, planejamento e controle de gastos, é essencial para criar bases sólidas em direção à estabilidade financeira. Investir tempo em aprender sobre finanças pessoais, entender juros, formas de pagamento e o funcionamento do mercado financeiro pode ajudar na tomada de decisões mais conscientes e estratégicas.

5. Planejamento de longo prazo

O planejamento de longo prazo é uma ferramenta valiosa para aqueles que desejam sair das dívidas. Estabelecer metas financeiras realistas e desenvolver um plano estratégico para alcançá-las é fundamental para criar uma base sólida para o futuro.

Ao definir objetivos de longo prazo, como a compra de uma casa, a educação dos filhos ou a aposentadoria, os indivíduos podem direcionar seus esforços financeiros de maneira mais eficaz.

Esse processo envolve a identificação de metas específicas, a definição de prazos para alcançá-las e a criação de um plano de ação realista.

O planejamento de longo prazo permite que as pessoas ajustem suas prioridades financeiras, economizem consistentemente e invistam de acordo com seus objetivos.

6. Uso consciente do crédito

Utilizar o crédito de forma consciente é crucial para o equilíbrio financeiro. Entender as taxas de juros, evitar parcelamentos longos e avaliar se realmente precisa do que está comprando.

Algumas estratégias:

Estabelecer um limite para o uso do cartão de crédito, sempre considerando a capacidade de pagamento.

Considerar optar por cartões com menores taxas ou utilizar crédito consignado, geralmente com juros mais baixos.

Evitar o crédito rotativo do cartão também é fundamental, optando por pagar o valor integral da fatura para evitar acúmulo de juros.

Banner MBA BARSI

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.