Competência também é uma questão de atitudeOutro dia, uma leitora trouxe o seguinte questionamento: “Bernadette, meu filho não se encontra profissionalmente! Parece que não tem competência ou não dá sorte. Cursou uma ótima faculdade, fez curso de especialização e até participou de congressos. Para que? Para ficar horas em frente à televisão vendo a vida passar?”. De acordo com o relato, esse rapaz possui os conhecimentos pertinentes à sua formação e provavelmente teve suas habilidades desenvolvidas no decorrer de faculdade e em estágios.

O que me chamou a atenção foi a questão “para ficar horas em frente à televisão vendo a vida passar?“. Bem, talvez lhe falte atitude[bb]. E nos vemos diante de uma verdade desconfortável: na maioria das vezes, as coisas não dão certo em nossa vida porque nos falta atitude! A esta altura você já sabe que a competência é formada pela intercessão entre conhecimento, habilidade e atitude.

O conceito, trazido da psicossociologia francesa, já foi explorado em meus últimos artigos aqui no Dinheirama. Agradeço a permissão da leitora ao usar seu questionamento como ponto de partida para falar um pouco sobre a outra dimensão da competência, a atitude. Segundo o dicionário Aurélio, atitude é reação ou maneira de ser. É importante dizer que ficar parado, inerte, também representa uma atitude. Concordam? Trata-se de um modo de ser que não agrega, não leva o indivíduo a realizar muitas coisas, e passa bem longe do conceito de competência desenvolvido em meus artigos.

Atitude é querer fazer. Envolve aspectos subjetivos do indivíduo, como a determinação, responsabilidade, comprometimento, sentimentos, valores e motivação. Atitude é a força que nos leva a realizar a ação; a sua falta anula as possibilidades de superação e coloca o indivíduo diante da indiferença e da inércia.

Os empreendedores e sua capacidade de fazer acontecer são um bom exemplo de pessoas com muita atitude. Conseguem ser altamente competentes no que fazem pois, além de conhecimento e habilidades específicas, o querer fazer é o fator de base para suas realizações. Já dentro das empresas, a questão da atitude é um ponto crítico para a administração, pois o desafio constante é fazer com que os processos aconteçam na forma e na velocidade necessária. Para que tudo ocorra satisfatoriamente é preciso contar com a atitude de colaboração dos funcionários.

Essa questão é uma via de mão dupla. Os gestores precisam estimular atitudes pró-ativas como, por exemplo, a adoção de um modelo de gestão[bb] mais participativa; em contrapartida, os colaboradores precisam entender as necessidades da empresa e querer colaborar. Ora, todos precisam demonstrar interesse e atitude.

O cotidiano não é tão simples
Por que temos dificuldades em relação a atitudes positivas em nossa vida ou em nosso trabalho? O fato é que nossos processos internos são muito complexos e a atitude envolve aspectos muito bem guardados dentro de nós. É importante saber que naturalmente temos alguns limitadores do nosso potencial, como as resistências, os bloqueios e os medos. A superação dessas limitações pede uma dose extra de coragem para buscar o autoconhecimento e refletir sobre nosso universo pessoal.

Para entender melhor a “construção do querer fazer”, o escritor Tom Coelho observou a atitude “através de uma lupa”. Assim, percebe-se que ela pode ser composta por três aspectos:

  • Aspecto cognitivo: relacionado aos pensamentos e ao discernimento;
  • Aspecto afetivo: relacionado aos sentimentos, as emoções e à autoestima;
  • Aspecto comportamental: relacionado à intenção de comportamento mediante as situações.

Atitude é querer fazer - Pedagogia Empresarial

Com esse esquema, a atitude pode ser vista mais de perto e melhor compreendida. Experimente pensar e agir da seguinte forma: quando tenho consciência dos fatos, percebo a necessidade de agir e assumo um comportamento reativo positivo; consigo abrir as portas do querer fazer.

Atitude é também intenção. Essa intenção pode ou não acontecer! É preciso que esses três aspectos se equilibrem positivamente para que o indivíduo passe para o plano da ação. Percebem que a competência também é uma questão de atitude? Felizmente, está em nossas mãos o desenvolvimento de nosso potencial[bb] e o desenrolar da nossa vida.

Tudo depende da maturidade de cada um e da disposição para se reinventar sempre. Sei que essa não é uma boa notícia para aqueles que esperam fórmulas mágicas. Como diz o psicólogo indiano Krishnamurti, “Para ir muito longe, você tem que começar de muito perto; e o perto é você mesmo”. Uma ótima semana e felizes descobertas!

Que tal concorrer a até R$ 300,00 em prêmios?
O Dinheirama está com uma promoção exclusiva para seus leitores. Compre o livro “Vamos falar de Dinheiro?”, do amigo Navarro, através da loja virtual da Novatec, com 30% de desconto – digite o código DINHEIRAMA no campo de promoção – e concorra a vale compras no Submarino, Pen Drives, Livros de Negócios, Camisetas e Adesivos. Se você tem um blog, pode aumentar suas chances de ganhar e concorrer a outro vale compras exclusivo e exemplares do livro para sortear entre seus leitores. São vários os prêmios e as oportunidades de garantir conhecimento, informação de qualidade e aprendizado sobre finanças pessoais e investimentos. Aproveite! Conheça os detalhes desta promoção (clique aqui) e participe! Boa sorte!

——
Bernadette Vilhena é pedagoga empresarial, consultora em diversas instâncias da prática educativa nas empresas. Especialista em Gestão de Pessoas e estudos nas áreas de Ergologia, Gestão do Conhecimento e Educação no trabalho.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários