Por Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Caro leitor, escrevo este artigo me dirigindo às pequenas e médias empresas ou startups tocadas por gente séria e competente. Inicio, então, com uma afirmação que servirá para derrubar estigmas e alguns preconceitos.

Lá vai: compliance e gerenciamento de riscos não serve – ou é essencial – apenas para grandes grupos, bancos, seguradoras ou empresas de telefonia.

Sim, ele é essencial para o êxito e segurança da sua operação, protege o caixa da empresa, o seu bolso, o bolso daqueles que acreditaram em você e, tenha certeza, muitas vezes vai garantir a sua liberdade. Em resumo, independe de porte.

Aqui vale a pena uma passada de olhos na nova lei anticorrupção (Lei 12.846). É verdade que trata-se de um tema complexo, assim como é complexo, árduo e arriscado gerenciar – e fazer funcionar – qualquer empreendimento digno de nota ou que objetive alguma consideração no futuro.

Muito além dos aspectos jurídicos e regulatórios

Programas de conformidade “compliance”, que objetivam atender a boa execução de procedimentos e políticas – em acordo a legislação e as normas setoriais – e ainda zelam pelo resultado dos negócios, são exemplos de pacotes completos de empresários e gestores que pensam longe.

Há um equivoco recorrente (inclusive em grandes grupos) quando o tema fica limitado aos aspectos legais. A ideia aqui é oferecer uma abordagem ampla, envolvendo não somente a legislação aplicável e as normas oficiais, mas questões de performance, gerenciamento de riscos e governança.

Webcurso recomendadoTudo o que você precisa saber sobre Tesouro Direto

As empresas não afundam por acaso

Se alguém duvida da importância desta amplitude, sugiro uma pesquisa sobre a mortalidade empresarial no Brasil, que não envolve apenas startups e pequenas empresas, mas também médias e eventualmente grandes grupos que tinham tudo para se perpetuar, mas naufragaram.

E, saiba, o naufrágio empresarial se assemelha muito às quedas de aviões, ou seja, nunca ocorre apenas por um ou outro erro, mas uma sequência encadeada de derrapadas, descuidos e cálculos mal feitos (quando são feitos).

Vamos descomplicar

De certa forma, tudo se resume a um programa de integridade envolvendo processos, métodos, cuidados e um ajustado monitoramento daquilo que pode dar errado (riscos). Se observarmos com cuidado, não há projeto humano que possa dispensar essa lógica.

Tudo passa por uma questão de mentalidade e consciência de boa gestão. Ou seja, não se perpetua um empreendimento sem cuidadosa atenção aos detalhes.

Perpetuando empresas e negócios

Há quem deseje perpetuar seus negócios, deixar um legado, proteger seus herdeiros e não estourar as finanças com “pataquadas” empresariais. Eles pensam assim:

  • Preciso ser agressivo, mas não posso desrespeitar a legislação e as normas do setor;
  • As coisas podem não acontecer como estou prevendo. Preciso me precaver;
  • Quando algo pode desandar, a grande possibilidade é que desande mesmo;
  • Eu não consigo controlar tudo, preciso de processos e procedimentos estruturados;
  • A minha equipe é muito boa, mas jamais posso encará-la como infalível;
  • Seres humanos são instáveis e suscetíveis a falhas.

Leitura recomendadaA nova lei anticorrupção: desafios e perspectivas

Mas existem aqueles que não se preocupam muito com essas coisas e, no lugar de prudência, adotam apenas o otimismo. Eles pensam da seguinte forma:

  • Posso ser condescendente com algumas falhas, até porque a possibilidade de ser pego é mínima;
  • Não perderei muito tempo com cuidados e procedimentos, caso contrário vou acabar desviando o foco do processo essencialmente comercial – que é o que realmente importa;
  • Tudo vai dar certo. Cheguei até aqui desta forma, não preciso perder tempo com essas complicações envolvendo procedimentos;
  • Na hora que os problemas acontecerem, nós resolveremos tudo;
  • Não posso ficar pensando nos problemas e falhas que podem acontecer. Isso traz um clima negativo e de pessimismo para a equipe;
  • No final das contas, todos praticam o mesmo deslize. Então está tudo certo.

Antagonismos à parte, alguns benefícios costumam ser colhidos pelas empresas que adotam programas de integridade de procedimentos e gerenciamento de riscos. Vejamos:

  • Segurança legal e regulatória, protegendo contra punições, multas e outras consequências limitantes;
  • Eficiência operacional a partir de dinâmicas e procedimentos mais organizados;
  • Maior ganho de escala, por conta da própria eficiência operacional;
  • Otimização do relacionamento com clientes e fornecedores;
  • Quantificação de parâmetros de risco e clareza nos caminhos para o seu gerenciamento;
  • Melhor capacidade para enfrentar contingenciamentos, por conta do gerenciamento de riscos;
  • Melhor previsibilidade de performance, beneficiando o relacionamento com investidores e credores.

Por fim, uma vez ajustado o escopo e a complexidade de implantação, um bom programa de compliance pode ser útil e viável até mesmo nas menores “famílias”.

Conexões: evento de networking e experiência

O Evento é uma realização da Plataforma Brasil Editorial e sua segunda edição aconteceu no Restaurante Vino, localizado na Rua Tamandaré de Toledo, 51 – Itaim Bibi –  em São Paulo (uma casa especializada em boa gastronomia, especialmente harmonizada com uma das melhores adegas de São Paulo).

Vídeo recomendadoNetworking e Relacionamento como Ferramentas para Enriquecer

Nesta 2ª edição, contamos com a atuação da Empodere-se (Empresa líder em Design Thinking para o ambiente de inovação), em uma dinâmica rápida de integração com foco na temática do evento.

Tratou-se de um evento com o tema “O desafio de manter-se relevante em um mundo em transformação” e que se diferenciou dos demais eventos corporativos por não envolver palestras ou mesas de debates (um mix que reúne construção estruturada de networking, bom conteúdo e entretenimento com boa gastronomia).

Será realizada ainda uma última edição do evento antes do final de 2016. E em 2017 o evento ocorrerá de forma continuada/recorrente a cada período de 45/60 dias, garantindo aos seus participantes a experiência do pertencimento, e sempre contando com novos convidados, envolvidos em novas temáticas.

O Conexões pretende se transformar no mais importante e completo evento de networking estruturado que se tem notícia no Brasil

Apoiadores da segunda edição: www.timaissimples.com.br, da IBM do Brasil, e http://www.obtive.com.br/

Parceiros: Dinheirama, Revista Franquia, 777 Acelerator, Oficina Coworking, PBMA e CC3 – Compliance Consultancy Three.

Até a próxima!

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários