O Tesouro IPCA+, conhecido anteriormente como Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B Principal), teve início de sua negociação em 11/08/2005. Na criação do programa eletrônico do Tesouro Nacional, o Tesouro Direto, havia apenas a negociação de três títulos, sendo eles o Tesouro Selic (LFT), Tesouro Prefixado (LTN) e a NTN-C, um ativo cujo indexador era o indicador de inflação IGP-M, porém não mais negociado no mercado primário já há alguns meses.

Para aqueles que ainda não conhecem ou não possuem muito conhecimento sobre este o Tesouro IPCA+, trata-se de um título pós-fixado, conforme já informa o próprio site do Tesouro: “São títulos públicos cujo valor é corrigido pelo seu indexador. Assim, a rentabilidade do título depende tanto do desempenho do seu indexador, quanto da taxa contratada no momento da compra”.

Estamos falando de títulos cuja rentabilidade é vinculada à variação da inflação (IPCA), acrescida dos juros definidos no momento da compra. Dentre as principais características, podemos incluir também o pagamento de fluxo simples na data de vencimento, ou seja, o investidor recebe todo o dinheiro aplicado mais o reajuste no período.

Por estas razões, o Tesouro IPCA+ proporciona a chamada rentabilidade real (ou ganho real), onde o investidor fica protegido contra a alta da inflação no período de investimento. Levando-se em conta que há títulos com vencimento em até 2050, pode-se afirmar que são boas escolhas para aqueles que visam a aposentadoria.

O investidor disciplinado, que deseja construir suas reservas futuras no estilo previdência privada, através de aportes fixos mensais ou variáveis, a depender da disposição do “bolso” naquele momento, tem no título Tesouro IPCA+ um grande aliado.

Apenas como referência, do estoque total de títulos do Tesouro, os indexados a inflação, como o Tesouro IPCA+ atinge a marca de 60%, se sobrepondo aos demais emitidos. Os títulos prefixados e os indexados a Selic dividem o restante percentual com 20% cada.

Outro grande destaque são as taxas a pagar. Quando comparado aos fundos de investimento, onde as taxas de administração anuais cobradas são de cerca de 1,5%, o custo anual de apenas 0,1% cobrado na Corretora Rico.com.vc (onde atuo como analista) torna-se bastante interessante. Você pode ver mais detalhes sobre isso neste eBook gratuito (clique para download).

A este 0,1% devemos somar 0,3%, cobrados pela Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), a central depositária da BM&F Bovespa que é responsável pela guarda de ações e títulos no país, trazendo inclusive maior segurança para o investidor.

Ademais, nos fundos de investimento temos o chamado come-cotas, que antecipa a cobrança de Imposto de Renda (IR) a pagar sobre os rendimentos de forma semestral, nos meses de maio e novembro, retirando assim parcela importante de recursos ano a ano, e que pela conta de juros compostos poderia fazer diferença no valor final de resgate.

Pensando no longo prazo, mais precisamente em previdência, outro diferencial positivo de investir no Tesouro IPCA+ tem a ver com a proteção contra a inflação, algo que já citei com alguma ênfase. No gráfico abaixo, apresento a variação do prêmio pago ao investidor ao longo dos anos até o término de 2015.

 

Por que devo comprar títulos públicos (Tesouro IPCA+) pensando na minha aposentadoria?

 

Repare que a taxa atual, acima de 7%, perdura apenas por prazos curtos, em momentos de maior volatilidade do mercado e com maior destaque para o teto atingido, próximo dos 9%, que ocorreu em duas ocasiões, sendo no momento do lançamento do título e na crise de 2008.

Além desta informação, vale ressaltar que a média do prêmio (juros) pago pelo governo é de 6,4% desde o seu início, ressaltando que nos encontramos em um bom momento para novos aportes que visam o longo prazo, uma vez que as taxas pagas estão (bem) acima da média.

Agora falemos sobre o risco, algo demasiadamente questionado. Neste caso, vale citar que menos de 2% da dívida pública federal está nas mãos de pessoas físicas e, portanto, cerca de 98% está em poder de investidores estrangeiros, instituições financeiras, bancos de investimento, empresas que utilizam os títulos do governo como algum lastro de garantia, entre outros.

Caso o governo dê algum calote nestes títulos em decorrência de alguma grande crise nas contas, certamente grandes investidores e instituições seriam prejudicados de forma ainda mais intensa, colapsando o sistema financeiro, algo bastante improvável no atual cenário. O risco de isso acontecer é pequeno.

Pensando mais a fundo, todo investimento possui risco como inclusive a poupança, que em março de 1990 foi confiscada. No caso dos títulos públicos, como mencionei anteriormente, trata-se de um risco bastante baixo, configurando o que chamamos de risco soberano (o risco de o país quebrar é muito menor que o de bancos e instituições quebrarem).

Sendo assim, vejo que, de forma absoluta, estamos em uma ótima oportunidade tanto para aqueles que querem investir visando o médio prazo, quanto para aqueles que já pensam no longo prazo e em sua aposentadoria. A hora é ótima para comprar títulos Tesouro IPCA+ com estes objetivos. Obrigado e até a próxima!

Leitura recomendadaTesouro Direto: Aprenda tudo sobre este investimento sem pagar nada!

Nota: Esta coluna é mantida pela Rico.com.vc, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “Retired”, Shutterstock.

 

Roberto Indech
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários