Recentemente no Brasil tivemos acesso a mais um modelo de captação de recursos para startups, o Equity Crowdfunding ou Crowdequity. Esse modelo nada mais é que um investimento coletivo no capital de uma empresa.

Diferente do modelo tradicional onde é preciso buscar um ou mais investidores Anjo, no Equity Crowdfunding é possível criar uma campanha e vender títulos da sua empresa para diversos contribuintes (neste caso, investidores) que apostam na sua ideia de negócio.

Ao longo da minha trajetória, participei de inúmeros projetos e presenciei várias campanhas de sucesso para captação de investimento; outras, infelizmente, não foram tão bem (o que a gente aprende com a experiência é que isso é normal e faz parte do processo).

Pensando nisso, resolvi fazer um passo a passo para ajudar os empreendedores que precisam captar por esta modalidade, independente de qual plataforma prefiram usar. São dicas práticas que podem ajudar a encontrar e dar um novo direcionamento para o seu negócio e captação, então aproveite!

1. Analise se realmente você precisa dessa rodada de investimento

Analise os prós e contras de ter investidores na sua jornada. O ideal é pesquisar muito bem antes e avaliar a real necessidade do negócio. Muitas vezes a startup não precisa de investimento externo, o recurso para tocar o negócio pode ser proveniente de vendas, ou seja, do resultado do próprio negócio.

Eu sugiro a seguinte reflexão: preciso expandir rapidamente? Preciso de dinheiro para alçar outros voos e não consigo da forma que o negócio está posicionado hoje? Se a resposta for “Sim” para as duas perguntas, então você é um candidato a buscar uma rodada externa de investimento.

2. Faça uma pré-campanha antes do lançamento da oferta

Faça uma landing page própria com informações “atraentes” sobre a startup para uma pré-campanha, como se fosse uma apresentação para investidores. Não se esqueça que para vender uma ideia (por mais incrível que ela seja e que ela esteja na sua cabeça), você precisa apresentá-la.

E para apresentar e vender, contar com recursos disponíveis de comunicação é fundamental; não esqueça de capturar o e-mail dos possíveis interessados também. Deixe à disposição o compartilhamento e faça uma divulgação pelas redes sociais (principalmente o LinkedIn) para atrair as pessoas para esta possibilidade.

Durante este processo, observe a repercussão e as dúvidas, afinal é importante sentir a receptividade sobre esta intenção.

3. Organização da empresa

Outro fator importante para o sucesso da sua empreitada é certificar-se que a empresa está totalmente regularizada, com impostos em dia, os balancetes (ou balanço contábil) registrados, enfim, os documentos todos em mãos.

Se tiver um sistema de gestão financeira (ContaAzul, por exemplo), que ele esteja 100% atualizado. Prepare um Deck mais completo para investidores interessados, principalmente faça uma planilha DRE com todas as informações de receitas e despesas para os próximos anos.

Este quesito precisa estar impecavelmente dentro do esperado, afinal, as chances de alguém querer investir em um negócio “duvidoso” é muito menor. Não dê sorte ao azar.

4. Escolha da Plataforma de Equity Crowdfunding

No Brasil, a cultura de investimento e desenvolvimento de startups tem avançado gradativamente e felizmente já temos algumas plataformas como o Broota, EQseed, EuSocio e outras.

Elas são muito similares, a diferença entre elas é o modelo de negócio, já que cada plataforma tem uma maneira distinta em seus termos e cobranças aos empreendedores e investidores.

Por isso, minha sugestão é que os interessados tanto em captar e investir via Equity Crowdfunding conheçam todas as plataformas e leiam atentamente os regulamentos. Lembre-se que está é uma escolha que irá influenciar e muito seu futuro!

A plataforma escolhida será, de certa forma, o seu maior e melhor parceiro (ou não), por isso a escolha tem que ser muito consciente e objetiva.

Só para se ter uma ideia do que estou falando, o Broota, que foi o pioneiro neste modelo, não cobra nada para as empresas que já possuem 50% da sua rodada captada com investidores anteriores.

Para as demais, o Broota cobra um custo fixo de R$ 2.500,00 para acessar a base de investidores e utilizar ferramentas de captação, e outros R$ 2.500,00 a serem pagos apenas se a rodada tiver sucesso na plataforma.

Os investidores, por outro lado, rateiam o custo fixo e único de estruturação da captação, em geral entre 2,5% e 5% do valor da rodada online. Além disso, o investidor paga uma taxa de Performance de 5% caso haja lucro futuro.

Leitura recomendadaDinheirama Entrevista: Frederico Rizzo, CEO do Broota

Já a Plataforma EqSeed cobra uma taxa de sucesso caso a startup consiga captar o investimento solicitado e não há, segundo eles, nenhum outro custo nem cobrança embutida.

Para o investidor, não existe nenhuma dedução do valor investido. O investidor só pagará uma comissão (taxa de Performance) para a EqSeed caso haja lucro futuro. Estes são alguns exemplos, pesquise e esteja atento para tomar o rumo certo e direcionar seus negócios da maneira que você realmente deseja.

5. Prepare o ambiente na plataforma escolhida

Após escolhida a plataforma, escolha um líder, ou seja, um investidor ou mentor que possa dar um aval ao seu negócio e a sua captação. Essa pessoa precisa ser escolhida a dedo porque é ela que vai ser fundamental na hora da captação, aliás, parte do sucesso ou insucesso de uma rodada acontece em função deste líder.

Na sequência, escreva um perfil bem interessante na plataforma. Quando digo interessante, quero dizer atraente mesmo, conte a sua história, coloque todas as informações úteis que achar prudente, uma apresentação, sumário executivo, fotos, vídeos, site, onde vai usar o dinheiro solicitado, quais são as possibilidades de saída e disponibilize métricas.

Use gráficos e trações que possam mostrar o desempenho do negócio, apresente seus principais parceiros, mentores, investidores de rodadas passadas, parceiros e clientes estratégicos.

Disponibilize também informações como burn rate, receita mensal média, porcentagem retida pelos fundadores e outras informações, além é claro da minuta do contrato.

Lembre-se que nem sempre você poderá defender sua ideia pessoalmente e que a grande maioria irá receber informações sobre seu negócio de forma online; por isso, quanto mais informação, melhor.

6. Decida se quer uma rodada privada ou pública

Uma questão importante e que precisa ser antecipadamente definida é o fato de algumas empresas não quererem tornar pública sua captação. Ao optar por abrir os detalhes da sua rodada apenas para investidores previamente selecionados pelos fundadores, chamamos isso de rodada privada.

É preciso saber também que caso decida alcançar um público maior, a chamada deve ser aberta ou pública e seu material deve ser submetido previamente para apreciação da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que regula a atividade no Brasil para dispensa de registro.

7. Estratégia de lançamento

Dependendo do rumo que você resolveu dar, se é oferta pública ou privada, aqui cabe uma atenção redobrada. Qual é o Valuation? Para quem vai oferecer primeiro? Quanto quer captar? Essas são questões fundamentais para o êxito.

Minha dica neste momento é que você só coloque no ar para captação um valor possível de ser alcançado em 30 dias. Mesmo que não seja o valor ideal (o total que você está precisando), na sequência amplie a continue a captação; é uma questão de visibilidade, exposição e estratégia mesmo.

Converse sempre com a Plataforma escolhida, com especialistas experientes e com seu líder/âncora no investimento.

Leitura recomendadaEmpreendedorismo na prática: como conseguir dinheiro para começar sua startup?

8. Lançamento de oferta pública

Nesse momento, todo o seu esforço vai ser para angariar investidores. A plataforma tem obrigação de ajudar nessa divulgação (por isso mais uma vez afirmo que essa escolha irá influenciar todo o andamento do seu negócio), aliás os seus atuais clientes também podem se transformar nos investidores da rodada.

Alguns pontos importantes:

  • Use a base de contatos e clientes para divulgar a campanha, vá adicionando novidades no perfil, não o deixando estático. Conhecimento, dinamismo e informações relevantes nunca são demais. Regularmente, atualize o perfil de seu negócio com novas métricas que demonstrem o seu progresso;
  • Use intensamente as redes sociais! Facebook, Linkedin e Twitter são veículos que contam com a ferramenta de compartilhamento para ajudar a sua campanha se espalhar. Quanto mais compartilhamento, melhor;
  • Poste no Twitter algumas vezes por dia, responda os tweets que mencionam seu usuário e compartilhe os tweets que falam a respeito da campanha. Sua página ficará mais interativa. Não deixe de responder para as pessoas que se dispuseram a falar do seu negócio e iniciativa;
  • Crie um evento no Facebook que reúna todos os seus amigos e peça para que eles convidem seus amigos também. Assim, você junta um número grande de pessoas no mesmo lugar para falar sobre a campanha e também posta as atualizações sobre o andamento do projeto, tendo assim um canal exclusivo para falar diretamente com quem está interessado e já confirmou presença;
  • Tente contato com pequenos veículos de imprensa, como revistas e jornais locais ou segmentados (que abordem o seu tema). O ideal aqui é preparar um release bem elaborado para enviar para jornalistas e os veículos;
  • Mande e-mail direcionados para investidores qualificados informando porque sua oferta é irresistível. Isso significa que o e-mail precisa ser direcionado e não impessoal com cópia oculta para 1.000 pessoas. Falar diretamente com alguém faz toda diferença entre o leitor ter interesse em abrir ou não um e-mail;
  • Participe de eventos no período da captação, afinal, “quem não é visto não é lembrado”;
  • Converse sempre com os gestores da plataforma para pedir engajamento;
  • Use gatilhos mentais na comunicação.

 9. Faça um vídeo

Faça um vídeo curto, além do seu Pitch, de preferência mostrando a equipe, seu ambiente de trabalho, contando um pouco da sua história e apresentando seus pontos fortes. Essa é uma estratégia eficiente e que passa muita confiança.

10. Trabalhe incansavelmente

Lançar uma campanha para buscar uma rodada de investimento não é somente subir um perfil em uma plataforma, deixar na mão dela e achar que a captação será um sucesso. Não é assim que funciona, você precisa vender (e muito), estar disponível para chamadas e pensar/respirar 24 horas o seu negócio.

Espero ter ajudado. Se você tem mais dicas, compartilhe-as conosco no espaço de comentários abaixo. Obrigado e até a próxima.

Leitura recomendadaJá pensou em diversificar sua carteira e investir em uma Startup?

Foto “Teamwork”,  Shutterstock

João Kepler
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários