Após cerca de oito meses de tramitação, o processo mais longo do Conselho de Ética chegou ao fim nesta terça-feira (14), com a aprovação do pedido de cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB). Em votação nominal, a maioria dos deputados concluiu que Cunha mentiu à extinta CPI da Petrobrás sobre possuir contas no exterior. O resultado foi decidido pela deputada Tia Eron (PRB), voto considerado incerto até momentos antes da votação. Com o apoio de Eron ao relatório de Marcos Rogério (DEM), Cunha perdeu por 11 votos a nove. “Não posso absolver o representado. Quero votar sim com o relatório”, disse Tia Eron.

A votação sofreu uma reviravolta com o voto de Wladimir Costa (SD), aliado de Cunha, que votou a favor da cassação do peemedebista. Momentos antes do anúncio da deputada Tia Eron, ele ainda fazia a defesa do presidente afastado da Câmara, afirmando que ele foi o grande responsável pelo processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff, além disso, chamou os  petistas de “vagabundos”. Antes de Costa mudar de voto, a expectativa era de que Eron poderia empatar o placar em 10 a 10. O voto de minerva ficaria a cargo do presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PR), o que acabou não sendo necessário.

Governo admite erro na dimensão do reajuste de servidores

O Ministério do Planejamento informou nesta terça-feira (14), que errou nas contas ao calcular o impacto do reajuste dos servidores públicos aprovado pela Câmara dos Deputados no início de junho.

O custo para o governo federal será de R$ 67,7 bilhões entre 2016 e 2018 e não de R$ 52,9 bilhões, conforme divulgado anteriormente. O cálculo foi refeito após questionamento do jornal “Valor Econômico”.

Segundo o Planejamento, na tabela anteriormente divulgada, “houve erro técnico na apuração dos impactos decorrentes dos reajustes concedidos no período 2017-2018”. Não houve mudança em relação à estimativa para 2016, que continua sendo de R$ 7 bilhões.

Varejo registra alta de 0,5% em abril

As vendas do comércio varejista subiram 0,5% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, informou nesta terça-feira (14) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ao divulgar a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC).

De acordo com os analistas ouvidos pelo jornal O Estado de São Paulo, o resultado veio dentro do intervalo das estimativas.

Na comparação com abril de 2015, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram baixa de 6,7% em abril de 2016. No varejo restrito, as vendas acumulam retração de 6,9% no ano e de 6,1% em 12 meses.

A alta de 0,5% nas vendas do comércio varejista em abril ante março, foi verificada em três das oito atividades pesquisadas pelo IBGE. A atividade de supermercados e hipermercados foi o destaque, com alta de 1,0% na margem, revertendo a queda de 1,4% vista em março ante fevereiro. A atividade de supermercados representa cerca de 50% das vendas do varejo restrito.

Mercado financeiro

O mercado financeiro continua refletindo a possibilidade real de saída do Reino Unido da União Europeia. A apreensão fez com que as bolsas apresentassem resultados negativos no mundo todo. No Brasil, o mercado continua monitorando a crise política, que teve no último capítulo (até o momento) a aprovação pelo conselho de ética do relatório que pedia a cassação do mandato do deputado Eduardo Cunha.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, subia +0,72% às 11h30,  com 49.121 pontos, enquanto dólar apresentava baixa de -0,08%, negociado a R$ 3,476.

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil/ Fotos Públicas

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários