Conselhos aos jovens investidoresCom a queda das ações de grandes empresas brasileiras nos últimos anos, muitos jovens estão saindo da Bolsa, conforme reportagem do jornal “O Globo” de 29/07, assinada por Bruno Villas Boas. Desistindo da Bolsa, deixarão passar excelentes oportunidades e terão que se esforçar mais para maximizar os ganhos ao longo dos anos que estão pela frente.

Na mesma matéria, uma jovem investidora relata que perdeu metade do que aplicou em ações em 2010 e que agora aplicará na caderneta de poupança, não voltando mais a investir na Bolsa. Será que ela está agindo corretamente? O que eu diria a ela?

O horizonte de investimento tem que ser de longo prazo

Três anos é médio prazo; longo prazo é aplicar pensando em mais de cinco anos. Não dá para avaliar os resultados de investimento em ações antes disto. Bolsa é para investir o dinheiro que se está acumulando para a aposentadoria ou a poupança dos filhos.

Nunca investir todo seu dinheiro em Bolsa

Comece com um percentual de 10%; 50% ou mais é só para quando você tiver experiência e mais recursos disponíveis. Nunca venda um carro ou um imóvel para aplicar em ações, mesmo diante de cenário favorável, pois qualquer desvalorização será motivo para uma história fatídica tipo “Perdi um carro (ou um apartamento) na Bolsa”, o que traumatiza bastante.

Diversificar é mesmo muito importante

Nunca coloque todos os ovos na mesma cesta. Assim sendo, investir em fundos de ações é a melhor opção, pois uma diversificação eficiente só é alcançada por profissionais com qualificação, informação e tecnologia.

Defina um valor máximo de perda

Ganhar 10% em um mês investindo em ações é possível, assim como perder 10% ou 30% num ano. Definir a perda máxima ajuda a tomar decisões em momentos difíceis e evita perdas expressivas como a de 50% da jovem investidora.

Como eu já mencionei em artigos anteriores, quem opta por fundos de ações não costuma se preocupar, pois o gestor utiliza controles de risco e até mesmo stop loss (mecanismo que dispara uma ordem de venda quando um valor mínimo e predefinido é atingido) para evitar perdas excessivas.

Faça aportes regulares

Pode ser todo mês, trimestralmente ou a cada ano, mas somente as aplicações periódicas aceleram a recuperação e potencializam os ganhos. Talvez, com exemplos, fique mais clara a diferença que faz a disciplina dos aportes, principalmente para os mais jovens.

Três investidores aplicaram R$ 20 mil no início do ano de 2008 em produtos de risco, ações e fundos de ações e todos tiveram uma perda significativa naquele ano, quando o Ibovespa caiu 41,22%. Porém, depois de cinco anos, estratégias diversas resultaram em retornos distintos, veja gráfico abaixo:

Gráfico - Exemplo

O investidor A realizou o prejuízo e migrou para caderneta de poupança e, assim como a jovem investidora, não quer mais saber de Bolsa. Decidiu que daquele momento em diante gastaria tudo o que ganhasse. Ao final do primeiro semestre de 2013, acumulava aproximadamente R$ 16 mil na poupança, ou seja, ainda perdia mais de 20% do valor aplicado.

O investidor B manteve a calma e a disciplina, aplicando R$ 5 mil em ações todo ano, independentemente do cenário. Assim, ao final do primeiro semestre de 2013 acumulava R$ 36 mil, resultado melhor do que o obtido pelo investidor A. Perdas com investimento em ações só podem ser recuperadas investindo em ações.

Mas o investidor que obteve o melhor resultado foi o C, que investiu num bom fundo de ações e fez aportes de mais R$ 5 mil todo ano. Ao final do primeiro semestre de 2013, ele acumulava mais de R$ 93 mil líquidos de Imposto de Renda sobre os ganhos.

Portanto, jovem investidor, sempre há boas oportunidades no mercado de ações. O que você precisa para maximizar a rentabilidade dos seus investimentos é ter disciplina. Minha sugestão é que você conheça os Fundos de Ações da Órama e tire proveito do tempo que tem pele frente.

Qualquer dúvida, entre em contato comigo através do canal “Fale com a Sandra”, será um prazer conhecê-lo e atendê-lo. Obrigada e até a próxima.

Foto accounting, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários