Home Empresas Varejo deve se manter no curto e médio prazos, diz Fitch

Varejo deve se manter no curto e médio prazos, diz Fitch

A Fitch Ratings espera que o processo de consolidação do varejo brasileiro, que vem se intensificando nos últimos quatro anos

por Reuters
0 comentário

A Fitch Ratings espera que o processo de consolidação do varejo brasileiro, que vem se intensificando nos últimos quatro anos, continue no curto e no médio prazos, conforme relatório divulgado nesta terça-feira.

A Fitch disse avaliar que este movimento é positivo para varejistas mais ativas, que buscam fortalecer suas bases de negócios, mas que, ao mesmo tempo, isso aumentará os riscos para as empresas de pequeno e médio portes, “dada a maior exposição de seus negócios à consolidação do mercado, e as concorrentes que buscam elevar suas vantagens competitivas”.

Na visão da agência de classificação de risco, a tendência de consolidação do varejo ganhará força nos próximos anos, impulsionada pela expectativa de melhoria gradual nas condições macroeconômicas, pela baixa inflação e pela redução das taxas de juros.

“Tais condições devem incrementar a oferta de capital para sustentar novas transações.”

O cenário macro mais benigno a partir de 2024 “pode levar a uma retomada no mercado de equity e propiciar um ambiente mais favorável à melhora das estruturas de capital de diversas companhias, abrindo espaço para a retomada das estratégias de crescimento inorgânico em alguns setores do varejo, como os de moda e vestuário, alimentar, farmacêutico e e-commerce”.

A agência cita a intensificação da concorrência de empresas globais como Amazon (AMZN; AMZO34), Mercado Livre (MELI), Aliexpress, Shopee e Shein, como fator que pode levar empresas brasileiras a buscarem maiores ganhos de escala, visando proteção de mercado.

Empresas mais capitalizadas, como Pague Menos (PGMN3), Soma, Grupo SBF (SBFG3) e Smartfit (SMFT3), aproveitaram balanços robustos para realizar aquisições estratégicas, fortalecendo seus negócios, disse a Fitch.

“Com exceção da Smartfit, cujas aquisições foram pouco representativas para o tamanho do negócio, os M&As mudaram o patamar de escala das companhias e elevaram a diversificação em setores ainda bastante fragmentados e com espaço para futuras transações”, afirmou.

A Fitch mencionou ainda como exemplos outros movimentos relevantes feitos por varejistas como Carrefour (CRFB3), Assaí (ASAI3), Magazine Luiza (MGLU3), Arezzo (ARZZ3), Natura (NTCO3) e Grupo Casas Bahia (BHIA3).

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.