Olá leitor! Na quinzena anterior escrevi sobre os aspectos administrativos que fazem parte da nossa prática e que constituem o alicerce de nossos próximos passos enquanto profissionais liberais e com consultório.

Quase que concomitantemente ao cuidar dos aspectos acima, devidamente explicados no terceiro artigo (clique aqui para lê-lo), você precisa escolher o lugar onde estabelecerá seu consultório. Eis aqui uma decisão estratégica!

Como escolher o lugar para o consultório?

A primeira questão a considerar é a localização e facilidade de acesso, independente de morar ou não em uma grande cidade. Pense só: as pessoas nos procuram porque possuem alguma dor, seja física ou emocional, confere? Portanto, qual a chance chegarem até nós se estivermos num local longe, de difícil acesso?

Os interessados estão doloridos e ainda terão que se desdobrar para ir até nós? Algumas até irão, claro, mas garanto que farão parte da minoria e aí você pode já ter perdido alguns clientes.

Neste sentido, escolham um local próximo de várias linhas de ônibus, metrô, avenidas conhecidas, bons pontos de referência (por exemplo, atualmente trabalho ao lado de um shopping famoso aqui em SP e meu primeiro consultório ficava apenas há dois quarteirões da avenida Paulista) para que as pessoas cheguem com facilidade (e segurança).

Ou seja, quando passar o endereço de onde atua, os clientes precisam sentir que será fácil chegar até você, dando já o primeiro passo positivo na construção da relação profissional/ cliente.

E se nestas circunstâncias geográficas o custo for alto, comece sublocando horário em uma clínica ou dividindo uma sala com colega. Melhor começar devagar e direito do que se atropelar e ter prejuízos.

Aliás, você entende por quê insisti tanto no artigo anterior sobre planejamento financeiro? Porque ter um bom número de clientes leva tempo e pede paciência. E como ter esta última se o dinheiro é pouco? É aquele ditado popular: “dinheiro pode não trazer a felicidade, mas acalma os nervos…”

Aqui em São Paulo estamos considerando uma outra variável nos últimos tempos: região com pouco risco de alagamento! Sim! Parece bizarro, mas acontece! A rua detrás de meu consultório vive alagando com as fortes chuvas de verão e, nestas circunstâncias, alguns clientes não conseguem chegar a tempo para a sessão.

Triste, mas é a realidade e temos que nos adaptar a ela. Neste caso, eu tenho que me adaptar a ela. E vários colegas também, afinal, alagamento já faz parte da rotina do paulistano. Nestes casos, não cobro a sessão e me disponho a repor em outro dia e horário, o que nem sempre se consegue e aí eu arco com este prejuízo de não ter havido sessão, mas sobre isto falarei mais no próximo artigo.

Optar por iniciar a prática em uma clínica multiprofissional é um jeito inteligente de ser visto e conseguir indicações. Deixe seus cartões na recepção e converse com os colegas apresentando seu trabalho e propondo parcerias. Com certeza haverá boas chances de ter indicações, você também indicará bons profissionais e, aos poucos, construirá o próprio networking.

Leitura recomendada8 Dicas para explorar o potencial das redes sociais nos negócios

Como ter clientes?

Como você já percebeu, ao escolher o local onde estabelecerá o consultório naturalmente estará cuidando da captação de clientes e divulgação de seus trabalhos. Sobre este assunto, uma pergunta recorrente: “Como faço para ter clientes”? Primeira resposta: um bom plano/planejamento, paciência e foco.

Vamos lá: primeiro, defina o número de clientes que quer e consegue atender (escreverei em detalhes sobre isto no artigo sobre atendimentos), mas, para começar, quantos teria disponibilidade horária?

Só então passe a divulgar seu trabalho, e há várias maneiras de fazer isso. Lembre-se de fazer cartões de visita e tê-los sempre à mão. Escreva um email para toda sua rede virtual explicando seu trabalho, passando endereço e até propondo parcerias. Agora mesmo, enquanto escrevo este artigo, recebi uma mensagem de uma colega psicóloga que passou a atender também em São Paulo.

Você pode criar uma página no Facebook, ter um blog no qual possa mostrar suas ideias, entrar no LinkedIn e vários outros grupos virtuais para divulgar seu trabalho.

É muito importante pertencer a associações, ir a congressos, participar de grupos de estudo e supervisão. Isto amplia seus conhecimentos e a rede de relações/indicações.

As associações costumam ter as “Newsletters” ou jornais periódicos e contam com a participações de colegas da área, portanto, você pode pedir para escrever um artigo sobre determinado tema de seu domínio.

Fazer cursos, sejam de curta, média ou longa duração também ajuda, desde que os custos caibam no orçamento.

Uma outra sugestão: faça um mapeamento na região de seu consultório dos locais que podem ser tornar parceiros e indicar clientes. Por exemplo, escolas, clínicas, escritórios de advocacia, instituição de longa permanência para idosos, escritórios, enfim, cada área de saúde com certeza terá um nicho ou mercado próximo a ser identificado e trabalhado.

Realizar trabalhos voluntários também contribuirá para que você fique conhecido e adquira mais prática e autoconfiança.

Na linha dos bons contatos/ networking, você pode ser convidado para dar palestras, participar de programas de rádio, TV e Internet. E até escrever em um site bem legal e conhecido de finanças, como é meu caso, aqui no Dinheirama!

Percebe como networking funciona? Invisto nele desde que comecei minha carreira, há 26 anos atrás e não parei em nenhum momento, porque a vida é muito dinâmica, as circunstâncias profissionais, pessoais, econômicas, incluindo a do país mudam a toda hora e precisamos nos manter atualizados e vistos, desde que com ética e embasamento profissional.

Leitura recomendadaCrescimento profissional, networking e experiência

Como deve ter notado, estou aqui insistindo na ideia de networking, ou rede de relações, que certa vez li a sábia definição: “a força dos laços fracos”. E não é que é verdade? Eu não me lembro o autor desta frase, mas sempre o agradeço muito por esta simples e eficaz explicação.

Você não precisa ser o melhor amigo de alguém para ter boas indicações; precisa, sim, de bons contatos, boas relações que conheçam e respeitem o trabalho que faz e vice-versa. Serão estes profissionais que pouco a pouco lhe encaminharão pessoas para serem cuidadas por você.

E já vou dando uma dica: quando isto acontecer, agradeça sempre e o mais rápido possível a pessoa que os indicou, afinal boa educação, reconhecimento e gratidão são sempre bem-vindos.

Escrever livros, participar de capítulos, dar aulas, palestras, oficinas, oferece uma gama de possibilidades para atuar e mostrar seu trabalho na área de saúde.

E se você quiser “dar uma força extra” na divulgação de seu trabalho, a ideia de contratar uma assessoria de imprensa que levará seu nome às diversas mídias pode ser útil.

As pessoas saberão mais rapidamente que você existe e trabalha com a especialidade “x, y, z”. Como tudo do que escrevo aqui eu já experimentei, contratei por três vezes este tipo de trabalho e os resultados foram bem positivos.

Uma outra forma de divulgar o trabalho e captar clientes é se conveniar a um seguro saúde. Mas uma sugestão: informe-se o máximo possível sobre ele e leia atentamente o contrato antes de se cadastrar.

Cada seguro, além de exigências próprias, tem um valor específico por consulta, sessão, procedimento, entre outros e vale a pena se informar bem antes para evitar problemas e dissabores futuros.

Ao longo do tempo você também perceberá que uma grande fonte de encaminhamento serão os seus próprios clientes. Eles gostarão de você, do trabalho que realizam e passarão a lhe encaminhar pessoas. Para mim é uma das formas mais emocionantes de reconhecimento, algo que me dá sempre aquela sensação de “Uau! Como vale a pena” e me motiva cada vez mais a dar o meu melhor.

Conclusão

Não tenha receio de divulgar seu trabalho! Assim como qualquer outro profissional, você está oferecendo um serviço. Trate seu consultório como aquilo que ele é: um negócio que precisa ser bem administrado e cuidado, sempre!

Para tanto, faça um bom plano. Um plano de ação, como falamos em Coaching, com cada etapa de seu trabalho de divulgação e captação de clientes. Não desanime e tenha sempre um “Plano B” para que não fique parado e supere os obstáculos, que sempre surgirão. Conte com boas informações, peça ajuda e siga em frente!

Sucesso! No próximo artigo escreverei sobre um tema que causa certo desconforto, mas que é fundamental: valores e pagamentos. Até lá!

Leitura recomendadaA Psicologia e os desafios de envolver o dinheiro em sua prática

Foto “Therapy”, Shutterstock.

Valéria Meirelles
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários