Você tem consciência em relação ao que consome? Ou apenas compra e não pensa muito a respeito? É fundamental entender que a forma como gastamos o nosso dinheiro é super importante para que possa sobrar ao menos uma parte dele não para consumo imediato, mas para investimentos, empreendimentos, metas e sonhos maiores. Vamos refletir sobre isso?

Acredito que já contei aqui que não sou de fazer compras por impulso, normalmente sou bem controlada com relação a dinheiro, e quando estou ansiosa realmente prefiro dar uma caminhada, ouvir música, enfim, arrumar outras alternativas mais ecônomicas. Porém, uns bons anos atrás, quando ainda não tinha a consciência que tenho hoje na prática, fiz uma compra por impulso que alterou totalmente outros planos que eu tinha: comprei um carro zero. Ou seja, parte do que tinha guardado pagou metade do carro, e a outra metade paguei em dois anos, em parcelas mensais.

Pois bem, esta compra por impulso me levou a desistir da compra de um apartamento naquela época, e por mais que o carro tenha servido a muitos propósitos durante anos, não era exatamente meu plano, não era minha prioridade, entendem? E me serviu de lição para que passasse a agir diferente depois disso!

Pode ser, querido leitor, que as suas compras por impulso tenham valores muito menores e causem muito menos danos ao seu planejamento financeiro do que a compra do carro me causou anos atrás, mas se estas compras não planejadas forem muito frequentes, ah! elas podem estar atrapalhando da mesma forma, só que em “pílulas”. Faça as contas!

Priorize!

Outro dia precisei comprar um mouse porque – há coisas que não têm jeito – ter que escrever e editar em um computador sem mouse estava sendo torturante para mim. Na mesma rua, uma loja da Apple tinha um mouse a 79 libras, cerca de R$ 400, enquanto uma outra loja de departamento tinha um mouse que me serviria da mesma forma por apenas 9 libras, ou seja, cerca de R$ 45. Optei pelo segundo e, veja bem, uma escolha entre um e outro me fez poupar por volta de R$ 350, que certamente procurarei utilizar para uma outra finalidade dentro do meu plano financeiro. Por que quis dar esse exemplo? Porque é fundamental consumirmos com consciência se a gente quiser que o nosso dinheiro atenda aos nossos sonhos e metas. Pode ser que no meu plano estivesse previsto comprar um mouse da Apple, e aí estaria tudo bem também! Mas como não estava, optei pela opção mais barata. É preciso priorizar o que faz mais sentido em nossos planos.

Uma vez uma amiga me disse: “Todo mundo diz que eu e meu marido só viajamos. Mas ninguém conhece as coisas das quais abrimos mão porque nossa prioridade é viajar mesmo”. E ela está certa. Faça as contas: se eu tivesse comprado o mouse de 400, e não o de 45, teria 350 reais a menos na minha conta. Esse mesmo valor, se eu quiser, posso usar, por exemplo, para comprar uma passagem de trem e conhecer um lugar próximo!

É claro que em alguns momentos a gente quer muito uma coisa que custa acima da média. Mas comprar tem que fazer parte dos nossos planos, não pode ser algo não pensado. Senão perdemos dinheiro e perdemos a oportunidade de realizar outros sonhos mais importantes, entende?

4 pontos importantes sobre consumo consciente

Finalmente, vou colocar a seguir alguns pontos necessários para refletirmos a respeito do consumo consciente. Veja como eles se encaixam na sua forma de agir e, caso perceba que está na hora de mudar algo, comece já. Seu bolso e seus planos futuros agradecerão enormemente!

  1. Você quer ou precisa? – A primeira forma de consumir conscientemente é saber se de fato queremos ou precisamos de alguma coisa. Existe um porquê no querer comprar aquela determinada bolsa ou aparelho celular? Muitas vezes não existe, você simplesmente quer. Mas o importante é a aquisição ter sido pensada, não ser algo que apareceu do nada simplesmente para arruinar o seu planejamento.
  2. Ansiedade nas compras? – Você joga sua ansiedade nas compras? Se toda vez que brigar com o parceiro ou parceira, estiver chateado no trabalho ou triste com algo você resolver ir às compras, afinal “você merece”, muito cuidado! Essa atitude pode estar te ajudando a boicotar sonhos maiores que requerem maior cuidado com as finanças.
  3. Ofertas irrecusáveis? – Qual o seu comportamento com relação a ofertas? Você costuma encontrar ofertas “irrecusáveis” e acha que precisa comprar porque o valor real é muito maior do que aquele? Pois bem, saiba de uma coisa. Se um determinado objeto custava R$ 100 e agora custa R$ 50, e você o comprou porque estava por metade do preço mesmo sem precisar dele, então na verdade você não economizou R$ 50, você simplesmente gastou R$ 50, entende a diferença?
  4. Com ou sem pesquisa de preço? – Finalmente, ter consciência na hora de consumir também significa ter paciência para fazer uma pesquisa de preços. Não é porque você precisa desesperadamente de algo, que deve comprar no primeiro lugar que encontrar. Pesquise muito antes – e a internet nos poupa um trabalho enorme neste caso. Desta forma você poderá comprar o que precisa tendo a certeza que não perdeu dinheiro à toa!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários