Consumo inconsciente e crédito fácil: pesadelos nacionais?Hoje vamos conversar um pouquinho sobre crédito. Nada me tira da cabeça que o brasileiro tem, no crédito, ou melhor, na forma como lida com o crédito, um grande problema. Meu temor se deve pela constatação de que em breve teremos dados que selarão o aumento na inadimplência. É importante lembrar e observar, com muita preocupação, que ainda temos juros estratosféricos nas mais diversas operações. Juros que, em parte, respondem pelo esperado aumento na inadimplência.

E se os juros altos não são capazes de conter o apetite pelos financiamentos (que ficam caros e pesados), fica claro que o problema também é cultural. O brasileiro comum parece não se importar com o valor dos juros na hora de financiar ou tomar um empréstimo, especialmente aquele brasileiro que está financiando o consumo direto.

Um dos jornalistas que melhor escreve sobe economia no Brasil, José Paulo Kupfer, abordou a questão no artigo “Por que não limitar o número de prestações?”, em seu blog no Estadão:

“Em razão de uma longa história de convivência com necessidades de consumo não atendidas, em ambiente de inflação e juros altos, os brasileiros aprenderam a decidir por consumo financiado, a partir não dos níveis dos juros e do número de prestações, mas de duas outras variáveis: o encaixe do valor da prestação no orçamento e as perspectivas de sustentação de volume de renda suficiente para absorver os crediários”

Falta planejamento para comprar?
A constatação de que o brasileiro planeja as compras apenas considerando encaixar as prestações no orçamento me preocupa. Afinal, por que nos sujeitar a comprar algo e pagar muito mais caro por isso, se com um pouco de disciplina e planejamento esse mesmo bem seria adquirido de forma muito mais barata e saudável?

Os valores despendidos com o pagamento de juros poderiam e deveriam estar em outro lugar: na formação de patrimônio, no lazer, na carreira, família e etc., sendo utilizados em prol de quem trabalha, e não o contrário, como observamos sempre.

Nada me tira da cabeça que o consumo desenfreado está cada dia mais ligado ao fato de que muitos ainda não aprenderam a lidar com as frustrações cotidianas. Assim, muita gente busca nas compras exageradas (consumo inconsciente) uma recompensa (ingrata) para suportar a cobrança íntima de sucesso. Péssimo negócio!

A inadimplência irá crescer!
No decorrer do ano, vamos ouvir cada vez mais notícias relacionadas ao aumento da inadimplência. O Brasil não vai entrar em recessão, longe disso, mas o momento é de incertezas em relação à economia. Com a inflação em alta, novas correções nos juros poderão vir para conter o ímpeto do mercado. Não estão descartadas novas medidas de contenção ao crédito e entrada de dólares no país – quem utiliza o cartão de crédito internacional já começou a sentir as consequências com o aumento do IOF.

A cada dia fica mais claro que o consumo é necessário, faz o país crescer, gera empregos e cria oportunidades para todos. É verdade. O grande perigo é fazer do consumo uma simples armadilha de crédito. Comprar e não conseguir pagar ou comprar e ficar todo enrolado não ajuda em nada.

Crédito fácil não é sinônimo de crédito barato, não canso de afirmar isso. E mesmo que tivéssemos créditos com juros mais civilizados (estamos longe disso), o consumo consciente ainda seria nossa principal fonte de inspiração – negociações feitas de forma planejada e com recursos próprios.

Nada dará mais prazer do que alcançar o objetivo de compra, usando a inteligência financeira para comprar pagando à vista, sem recorrer a dívidas e com bons descontos. Pense nisso e conte pra gente sua opinião. Bom final de semana.

Foto de sxc.hu.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários