O final de ano é um dos períodos em que o consumidor mais entra no “vermelho” por gastar além do que pode. Com muita oferta e apelo ao consumismo, a época é propícia a gastos não planejados e pode causar grandes prejuízos ao bolso do consumidor.

Além das dívidas contraídas nas festas natalinas, no início de um novo ano há também gastos como IPVA, IPTU, matrícula escolar, etc. “O consumo consciente sempre é importante, mas nessa época a atenção deve ser redobrada. É importante fazer uma reserva financeira para evitar começar o próximo ano no negativo”, diz Ana Paula Hornos, educadora financeira e coach.

Para o especialista em Finanças Pedro Braggio, o fim de ano pode ser uma boa época para iniciar a família na educação financeira. “Chame as crianças para participar da pesquisa de preços e dar alternativas do que querem de presente, dentro de uma faixa pré-estabelecida de preço”, recomenda.

Confira algumas dicas de especialistas para manter as contas sob controle e começar 2016 com o bolso em dia:

1. Não compre por impulso

Procure sair de casa já sabendo qual presente comprar e quanto irá gastar. Siga o planejamento. “Contenha ao máximo os ímpetos de consumo. Muito cuidado para não ser contagiado com o comportamento dos outros”, diz Otto Nogami, professor do Insper.

Outra dica é não sucumbir às facilidades de pagamento que são oferecidas, como descontos, parcelamentos sem juros, etc. “São armadilhas para estimular a pessoa a gastar”, afirma.

2. Guarde mensalmente uma quantia para as compras

Dessa forma seu orçamento não terá um grande impacto com o gasto pontual.

Leitura recomendada: Brasileiro continua comprando por impulso. E a crise?

3. Evite usar cartão de crédito e parcelar

A soma de todos os parcelamentos pode ocasionar um susto enorme na hora que a fatura chegar. Além disso, quando comprar à vista, você pode exigir um desconto. O limite do cartão de crédito não é salário, e sim contas a pagar no futuro, o que inevitavelmente reduzirá o seu poder de consumo lá na frente”, alerta Nogami.

4. Evite viagens não programadas

Deixar para última hora pode ser bem mais difícil conseguir um bom pacote de viagem. Se não conseguir se organizar com antecedência, opte por fazer passeios em sua própria cidade, ou simplesmente descansar. 

5. Evite usar todo seu 13º salário nas compras de Natal.

“Guarde esse dinheiro para os pagamentos do início do ano que são sempre mais pesados como IPTU, IPVA, matrículas de escolas e cursos, anuidades de clubes e academias e material escolar e uniforme. Além de livrar-se de contas por todo o ano, você poderá ainda conseguir um ótimo desconto com o pagamento à vista e integral de impostos e serviços. E se sobrar um dinheirinho após os pagamentos, guarde para formação de uma reserva para emergência e realização de sonhos. Lembre-se que ter dinheiro guardado aumenta sua liberdade de escolhas e te dá maior poder de negociação”, diz Ana Paula Hornos.

Leitura recomendada: Dicas para usar o 13º salário, diminuir suas dívidas e investir

6. Reflita sobre o equilíbrio entre felicidade e consumo

Não se deixe levar pelo lado emocional. É possível demonstrar carinho pelas pessoas que você ama ou mesmo presentear-se sem extrapolar seu orçamento. Lembre-se: a simbologia da data e o carinho devem ser sempre mais importantes que o presente em si.

Aproveite o tempo de festas da maneira como deve ser aproveitado: para matar a saudade, para dizer o quanto gosta de alguém, para dividir conhecimento e não para se perder em contas. E se tiver de fazer um propósito para o novo ano, deseje sua libertação financeira!”, ressalta Pedro Braggio.

Leitura recomendada: Ostentação e consumismo não combinam com felicidade

Foto “money for shopping”, Shutterstock.

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários