Se você observar as três frases abaixo, irá encontrar algo em comum que é o motivo, na grande maioria das vezes, por estas situações estarem acontecendo:

  • Uma família que apresenta problemas financeiros,
  • Uma empresa que está flertando com a falência,
  • Um país que está em crise econômica.

O motivo é que todos eles gastam mais do que recebem (ou arrecadam, no caso do país). E isso, por sua vez, se desdobra em outra causa: a falta de controle financeiro.

Se nem sequer sabemos o quanto gastamos e como gastamos, fica impossível realizar qualquer tipo de ajuste ou planejamento. Para corrigir esse problema, o primeiro passo seria conhecer as entradas e saídas, receitas e despesas, fontes de renda e gastos.

Controle: uma ferramenta indispensável

No caso de um país, esse controle é extremamente complexo. No caso de uma empresa, idem, a depender do tamanho e volume de dinheiro que circula. Já numa família, a tarefa é bem mais simples (ainda bem).

Isso significa que as famílias precisam apenas começar a criar o hábito de anotar todos os gastos que cada membro faz, e analisarem isso dia a dia, semana a semana e comparar com as fontes de renda (salários e outros recebimentos) para manter um equilíbrio.

Tão importante quanto anotar, é categorizar os gastos para ter uma melhor visão desse controle, que é chamado de orçamento doméstico (ou familiar). Alguns exemplos:

  1. Você sai do trabalho, passa no supermercado e faz uma compra de R$ 87,23. Então você anota isso na categoria “alimentação” e especifica uma sub-categoria “supermercados”.
  2. Você come um lanche que custou R$ 12,36. Você anota isso na categoria “alimentação” e especifica na sub-categoria “lanches”.
  3. Você paga uma conta de energia elétrica da sua casa de R$ 192,73. Anota isso na categoria “moradia” e sub-categoria “energia elétrica”.

Com isso você começa a ter uma visão detalhada do orçamento doméstico. Caso precise realizar algum tipo de ajuste, fica fácil ver onde pode ser feito.

Afinal, você precisa seguir a regra áurea da educação financeira: gastar menos do que recebe e investir a diferença para multiplicá-la.

Problemas no orçamento? Faça os ajustes necessários

E se as coisas estiverem muito apertadas ao ponto de não ter onde “cortar”, então você precisa melhorar suas habilidades e buscar novas formas para gerar mais renda, inclusive contando com a participação de todos os membros da família que tenham condições de fazê-lo.

Voltando ao assunto do controle de orçamento, isso pode ser feito de várias formas. Desde uma simples caderneta de papel, até um sofisticado aplicativo de smartphone.

O importante é que você faça o seu controle e no fim do mês chame toda a família para discutirem sobre o “balanço mensal”, para juntos identificarem os pontos de melhoria.

A isso chamamos gestão participativa, onde todos os membros da casa assumem o seu papel como responsáveis pelo bom andamento das finanças do lar.

Faça a gestão das suas finanças com o Dinheirama Organizze!

Hoje em dia a maioria de nós possui um smartphone, e levamos ele conosco para todos os lugares. Então nada mais prático do que utilizar um aplicativo de controle de gastos.

E claro, recomendamos o Dinheirama Organizze (clique aqui), que possui um versão gratuita e outra paga (com recursos adicionais, se desejar).

Além da facilidade de pegar o celular e anotar imediatamente todos os gastos realizados, também é possível utilizar várias outras funções interessantes, como verificar o saldo mensal, gastos por categoria, histórico mensal, exportação de dados para Excel, e várias outras.

E ainda compartilhar o mesmo usuário com os outros membros da família, para que todos possam lançar seus dados numa única conta, onde todos podem acompanhar diariamente o orçamento geral.

Agora é partir para a ação! Praticar a educação financeira é melhorar a sua qualidade de vida e também de sua família!

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários