Não tem como não falar de Copa! Apesar de todos os protestos e votos contra, parece que entramos no clima. Mas e quando pensamos em investimentos, será que foi possível lucrar com o Mundial de Futebol? É o que vamos ver neste texto.

Faz mais de sete anos que Joseph Blatter anunciou que o Brasil sediaria a Copa. Na época, o evento foi comemorado por todos. Estimou-se que grandes investimentos em infraestrutura, logística e segurança seriam realizados e solucionariam grande parte dos problemas no Brasil, principalmente nas 12 cidades sede.

De lá pra cá, muitos projetos foram realizados, mas numa magnitude distante daquela anunciada em 2007. Escândalos de obras atrasadas e superfaturadas tomaram conta do país, a população indignada foi às ruas pedir saúde, educação e transporte “padrão FIFA”.

Neste cenário, os grandes investidores nacionais e estrangeiros revisaram suas expectativas quanto ao legado do evento para o país.

​É claro que a piora das perspectivas dos investidores quanto à economia brasileira não foi fruto apenas de problemas na organização da Copa do Mundo, vai muito além disso.

Inflação alta, baixo crescimento, deterioração fiscal e ingerência governamental têm peso negativo na avaliação de um país. Infelizmente, temos tudo isso. O fato é que perdemos excelentes oportunidades de “sair bem na foto” nas capas dos jornais e revistas internacionais e atrair mais investidores estrangeiros.

E o investidor individual? Neste período, ele esperava lucrar com as ações de empresas dos setores de turismo e infraestrutura. Seus desempenhos poderiam ser potencializados com os investimentos anunciados, todavia, os resultados alcançados não foram os esperados.

É verdade que fomos abatidos pela crise financeira internacional no meio do caminho, mas a deterioração das expectativas e o rumo da economia impactou negativamente a rentabilidade das empresas.

Sobre os investimentos no período da Copa, apenas quem pretende fazer movimentações durante o período deve estar atento ao calendário, pois há dias em que a Bovespa não funcionará ou funcionará em horário restrito, assim como os bancos.

Como os calendários ainda não foram rigorosamente definidos e dependem dos resultados dos jogos, a atenção deve ser redobrada.

Independentemente do legado que a Copa deixará, quem deseja construir patrimônio deve continuar investindo. Sejam quais forem suas expectativas para a economia brasileira, sempre há boas oportunidades de investimentos.

E daqui para frente? Quais são os setores potenciais para investir? Montar a carteira de investimentos de acordo com seu perfil e objetivos continua sendo a fórmula para alcançar os resultados esperados.

Os produtos de renda fixa continuam com um bom rendimento com a taxa básica de juros a 11% ao ano. Contudo, são os produtos de renda variável que possuem maior potencial de valorização no longo prazo.

Mas como não é fácil prever quais serão os setores potenciais e dentro dos setores ainda escolher as principais empresas, acredito que investir em ações através de fundos de ações é a maneira menos arriscada e recomendada para o investidor iniciante.

Digo isso porque os gestores profissionais conseguem identificar as melhores oportunidades do mercado através de ferramentas de análise e acesso a informações que o investidor individual, via de regra, não tem.

Fale comigo e com a Órama

Se você estiver precisando de ajuda para escolher os investimentos mais adequados para seus objetivos, me coloco à disposição através do canal “Fale com a Sandra”, no site da Órama (clique aqui para enviar gratuitamente uma mensagem).

No site você encontrará também a ferramenta “Portfolio Ideal” que utiliza avançados algoritmos e cálculos matemáticos para sugerir uma carteira de Fundos de Investimento de acordo com sua idade, perfil e dinheiro disponível (acesse aqui a ferramenta gratuitamente).

Foto “Brazilian businessman”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários