Home Economia e Política Copom faz “copia e cola” do comunicado e não deixa margem para ajuste na curva de juros

Copom faz “copia e cola” do comunicado e não deixa margem para ajuste na curva de juros

O Copom fez praticamente um ‘copia e cola’ do comunicado anterior

por Reuters
0 comentário

 O comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) na noite de quarta-feira, sem novidades quanto à visão do Banco Central sobre o cenário para a inflação, não deixa margem para ajustes maiores na curva de juros brasileira na quinta-feira, segundo economistas ouvidos pela Reuters.

Durante a tarde, alguns profissionais já tratavam a decisão do Copom desta quarta-feira como uma espécie de “não-evento”, já que a expectativa era de que o colegiado cortasse a taxa básica Selic em 50 pontos-base, para 11,25% ao ano, e mantivesse as linhas gerais de comunicações anteriores. Foi o que aconteceu.

“O Copom fez praticamente um ‘copia e cola’ do comunicado anterior. Não há nada que nos faça pensar em mudança de rota: serão 50 pontos-base de corte nas próximas duas reuniões”, pontuou o economista-chefe do banco Bmg, Flavio Serrano.

“E não tem nada no comunicado que possa mudar a dinâmica na curva de juros. Então, estamos nesta quinta-feira ao sabor de novos dados, ou de alguma correção lá fora”, acrescentou.

A economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Natalie Victal, fez avaliação semelhante.

“Foi praticamente um ‘copia e cola’, só com alguns ajustes. Tudo foi muito em linha com a expectativa”, avaliou Victal. “Para o Brasil, não devemos ter grandes movimentos no mercado motivados pelo BC. O que vai ditar o rumo dos mercados será o exterior”, acrescentou.

Neste sentido, a decisão de política monetária do Federal Reserve, anunciada poucas horas antes da do Banco Central do Brasil, tem maior potencial para conduzir os negócios com DIs (Depósitos Interfinanceiros) e com dólar no Brasil, nesta quinta, do que o próprio Copom.

(Imagem: Reprodução/REUTERS/Amanda Perobelli)
(Imagem: Reprodução/REUTERS/Amanda Perobelli)

Isso porque a mensagem do Fed deu força à visão de que os juros devem começar a cair nos Estados Unidos em maio — e não em março, como vinha sendo largamente precificado. Algumas declarações do chair do Fed, Jerome Powell, foram neste sentido, mas ainda assim os rendimentos dos Treasuries terminaram a sessão em baixa. No Brasil, as taxas dos DIs acompanharam.

A queda dos yields nesta quarta esteve ligada a dados econômicos mais fracos que o esperado nos EUA, mas há também a percepção de que Powell e o Fed não fecharam totalmente a porta para um corte de juros já em março. Nesta quinta não estão descartados ajustes na curva de juros norte-americana, o que também pode impactar o mercado brasileiro.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.