O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (31) manter, mais uma vez, a taxa básica de juros (Selic) em 14,25% ao ano.

Apesar de a decisão ter sido esperada pelo mercado, chamou a atenção dos economistas o trecho do comunicado em que os diretores da instituição detalharam as condições necessárias para que os juros comecem a cair.

A redução da Selic dependerá da velocidade de recuo da inflação nos próximos meses –inclusive da persistência dos efeitos do choque nos preços dos alimentos– e da aprovação das medidas de ajuste fiscal, segundo o documento.

Para o Banco Central, esses fatores podem dar mais confiança de que a meta de inflação de 4,5% em 2017 será atingida e, assim, abrir espaço para a flexibilização da política monetária.

O Palácio do Planalto considera o cenário de a proposta do teto de gastos só ser aprovada pelo Congresso Nacional no próximo ano, por causa das eleições municipais de outubro.

Com a confirmação de sua permanência no cargo, que ocorreu também nesta quarta-feira, Michel Temer tentará acelerar a tramitação da proposta no Legislativo.

Segundo a avaliação da equipe, isso pode melhorar a expectativa do mercado em relação à economia e contribuir para uma queda na inflação.

Palestras gratuitas recomendas: Conrado Navarro, Gustavo Cerbasi e outros convidados num evento de finanças e empreendedorismo

Governo irá corrigir tabela de IR em 5%

O governo vai corrigir a tabela de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) em 5%.

O reajuste será concedido de forma linear entre todas as faixas de rendimento. A correção é inferior à projeção do governo para a inflação deste ano, de 7,2%, mas um pouco maior do que a expectativa para a inflação – medida pelo IPCA – para 2017, de 4,8%.

O salário mínimo deve ficar em R$ 945,80 no ano que vem. As estimativas integram o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) apresentado pelo governo nesta quarta-feira, 31, primeiro dia da gestão efetivada de Michel Temer na Presidência e último dia do prazo para apresentação da proposta orçamentária para 2017.

O reajuste da tabela do IR é um aceno do governo para a classe média. A equipe econômica era contra a proposta, que deve reduzir ainda mais as receitas em um ano em que o déficit deve atingir R$ 139 bilhões.

O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Eduardo Guardia, admitiu que a correção da tabela do Imposto de Renda vai reduzir a arrecadação prevista para o ano que vem, mas afirmou que isso já está incluído nos cálculos feitos para o Orçamento.

PIB do Brasil: Pior resultado comparado com 34 países

A retração de 3,8% no Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre (na comparação com o mesmo período do ano passado) pôs o Brasil mais uma vez na lanterna do ranking de 34 países, que já tiveram os dados oficiais para o período divulgados.

Eles representam 82% do PIB mundial. No primeiro trimestre o Brasil já havia amargado o pior desempenho para o período na comparação internacional.

Novamente o desempenho do País foi superado por economias que passaram por crises recentemente, como a Grécia (-0,1%), além de Ucrânia (1,3%) e Rússia (-0,6%), que enfrentaram guerras.

A agência de classificação de risco Austin Rating, que elabora a análise, ressalva que outras economias que apresentaram resultados muito ruins nas edições anteriores do ranking, como a Venezuela, até o momento não divulgaram seus resultados.

Mercado financeiro

O impeachment da Presidente Dilma Rousseff trouxe o final de um dos capítulos mais tristes da história do país, que ficou paralisado durante mais de um ano, em meio ao agravamento político e econômico.

Espera-se agora que o (novo) governo consiga impor um novo ritmo ao país, com as reformas necessárias, cortes de gastos e principalmente um novo olhar sobre a gestão pública.

O Ibovespa, principal benchmark da Bolsa de Valores de São Paulo, operava às 11:51 em baixa de -0,23% com 57.768 pontos, enquanto o dólar tinha valorização de +0,85%, sendo negociado por R$ 3,25.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários