Home Economia e Política Cortes de preços e consumo baixo reforçam confiança do Fed

Cortes de preços e consumo baixo reforçam confiança do Fed

O banco central dos EUA deve manter os juros inalterados na faixa de 5,25% a 5,50% em sua reunião de política monetária de 11 e 12 de junho

por Reuters
0 comentário

Os cortes de preços realizados pelos principais varejistas dos Estados Unidos e os novos dados que mostram uma desaceleração nos gastos dos consumidores podem aumentar a confiança do Federal Reserve na queda da inflação em direção à sua meta de 2%.

Ajustados pela inflação, tanto o consumo quanto a renda caíram ligeiramente em abril. O Departamento de Comércio informou na quinta-feira que a economia dos EUA cresceu mais lentamente do que se pensava inicialmente no primeiro trimestre, em grande parte devido à redução do ritmo de consumo, um dos principais pilares que as autoridades do Fed acreditam que precisa esfriar para que a inflação retorne à meta.

Os dados de inflação divulgados nesta sexta-feira mostraram que o índice PCE aumentou a uma taxa anual de 2,7% em abril, igualando o número de março.

O Fed usa o índice para definir sua meta de inflação de 2%, enquanto o núcleo do PCE, sem os preços voláteis de alimentos e energia, subiu 2,8%, também igual ao mês anterior.

Inflação
Prédio do Federal Reserve em Washington, nos EUA (Imagem: REUTERS/Jim Bourg)

As autoridades do Fed têm se preocupado com o fato de que o progresso em direção à meta de inflação do banco central pode ter estagnado após um declínio constante desde um pico acima de 7% em junho de 2022.

Mas, embora os números gerais apontem para outro mês perdido, houve sinais de mudança. O núcleo dos preços subiram menos do que o esperado em uma base mensal, e as quedas no consumo “real” e na renda confirmaram a sensação de uma economia que está se recuperando gradualmente de um período de crescimento rápido e aumentos de preços.

“Embora, em nossa opinião, os balanços patrimoniais das famílias norte-americanas permaneçam sólidos, a margem para gastos discricionários tem sido muito menor”, disse Tuan Nguyen, economista da RSM US, em uma observação que coincide com os novos dados que mostram que os gastos diminuíram em itens como artigos recreativos, uma vez que os consumidores gastaram mais com moradia e serviços públicos.

“O mais provável é que a economia esteja esfriando para um pouso suave, o que dá ao Fed um motivo para repensar sua postura ‘hawkish’ de manter os juros em um nível elevado… Se obtivermos mais dados como esses nos próximos meses, achamos que o Fed deve agir mais cedo ou mais tarde”, escreveu ele em uma análise do novo relatório de inflação e consumo.

O banco central dos EUA deve manter os juros inalterados na faixa de 5,25% a 5,50% em sua reunião de política monetária de 11 e 12 de junho. As autoridades dizem que o próximo passo em relação aos juros provavelmente será reduzi-los, mas não até que se sintam seguros de que a inflação retomará sua desaceleração para 2%.

Os investidores esperam um corte inicial nos juros na reunião de setembro do Fed, embora por uma margem pequena.

As próprias autoridades têm se mostrado relutantes em se comprometer, geralmente observando que, enquanto o mercado de trabalho e a economia em geral permanecerem saudáveis, não há pressa em reduzir os juros, especialmente com aspectos da inflação que ainda os preocupam.

Mas a mudança pode estar chegando.

Varejistas de destaque como Target e Walmart têm cortado os preços de alimentos e outros produtos básicos, e a Walgreens disse nesta semana em um anúncio de corte de preços que a empresa “entende que nossos clientes estão sob pressão financeira”.

As autoridades do Fed têm dito que acham que os consumidores estão em boa forma, com desemprego baixo e salários em alta. No entanto, eles também têm observado sinais de estresse entre as famílias de baixa renda, incluindo o aumento das taxas de inadimplência de empréstimos.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.