Crash de 1929, o New Deal e a crise de crédito de 2008Mais uma semana de altos e baixos no mercado financeiro. O sobe e desce deixa a impressão de que a bolsa de valores[bb] se transformou em uma terra sem lei, em um verdadeiro cassino. Isso me preocupa. Sempre fomos da opinião de que o mercado de ações é composto de muitos elementos, mas sorte ou azar nunca foram alguns deles. Será que é isso que estamos vendo nos dias de hoje? O tom exagerado tem objetivo atrair sua atenção. A preocupação com o tema deve ser de todos nós, investidores.

A falta de dados relevantes, significativos para determinar quedas tão expressivas nas bolsas pelo mundo, me leva a crer que, mais do que especulação, o que existe hoje é irracionalidade e falta de critérios. Bons exemplos podem ser tirados aqui do Brasil: grandes empresas exportadoras continuam vendo seus valores de mercado despencarem, ainda que a alta recente do dólar tenha feito parte de suas receitas aumentarem. O fato é que não existem motivos consistentes para uma queda tão grande.

1929 versus 2008?
Muitos discutem as coincidências da crise atual com aquela vivida em 1929. Mesmo notando, de forma nítida e organizada, que hoje existem mais possibilidades de reação por parte dos organismos financeiros mundiais, sou obrigado a concordar com certas singularidades. O artigo de hoje traz alguns comentários sobre o modelo econômico das nações ao longo do último século, o que é interessante para entender melhor a evolução(?) do sistema financeiro mundial.

Na década de 20 estava no ápice o liberalismo clássico, que pregava a teoria econômica da auto-regulação. Em outras palavras, acreditava-se que o mercado livre seria capaz de conduzir-se de maneira mais inteligente e próspera. Nesta teoria, fica nítida a falta da regulação do Estado nas questões econômicas práticas.

Após a crise de 1929, com o crash do mercado de ações[bb] causado pela alta especulação financeira e pela exploração de brechas e falta de critérios impostos pelo governo, os EUA entraram na conhecida grande depressão. A economia congelou, a população sofreu e o crescimento do país ficou estagnado.

Em 1932, mergulhados em uma profunda crise e diante da idéia de que o liberalismo e a especulação financeira haviam imposto um ritmo de crescimento surreal à verdadeira situação da economia, os EUA elegem o democrata Franklin Delano Roosevelt como presidente, com o desafio de reerguer a economia com um modelo diferente de crescimento.

A partir dos princípios econômicos de John Maynard Keynes, a equipe econômica do novo presidente elaborou um plano econômico chamado New Deal, ou Novo Acordo/Pacto. O pacote econômico implantado trouxe, entre outros pontos:

  • Controle governamental dos preços de diversos produtos industriais e agrícolas;
  • Concessão de empréstimos aos proprietários agrícolas;
  • Realização de um grande programa de obras públicas;
  • Criação do seguro-desemprego;
  • Recuperação industrial;
  • Controle de emissão de valores monetários.

Novos tempos, novas teorias
Com o tempo, ficou claro que a presença do governo é indispensável na regulação dos processos econômicos e, aos poucos, isso levou a economia de volta aos trilhos. No entanto, após a década de 70, países desenvolvidos passaram a ter problemas como inflação, recessão e desemprego, caracterizando a decadência da chamada teoria keynesiana.

Já durante a década de 80, e muito mais na década de 90, outro movimento econômico começou a tomar forma e ganhar adeptos no mundo, sobretudo nas maiores economias do mundo: o tão famoso neoliberalismo, caracterizado pela forte abertura dos mercados e pelo fenômeno da globalização[bb] da economia e dos pactos comerciais.

Grandes corporações e bancos de investimentos ditaram a regra para os negócios no mundo todo. A presença do governo foi diminuindo, partindo do pressuposto de que a atuação do Estado retardava o processo de realocação dos capitais dos setores industriais ultrapassados para aqueles surgidos com a terceira revolução industrial.

A idéia era defender, de forma veemente, a liberdade de mercado e o quase que total afastamento do Estado na produção e na intermediação das relações entre patrão e empregado. Caminhou-se, como se sabe, até o total descontrole do sistema financeiro, onde apenas a ganância exagerada e a especulação de grandes grupos sobreviveram.

De volta ao presente…
A lição evidente que fica é que, sim, os governos precisam acompanhar de perto as ações econômicas e financeiras da nação e dos mercados. Esse acompanhamento deve fazer parte da política econômica. Bilhões de dólares foram necessários para gerar liquidez ao mercado, saídos do bolso do contribuinte em várias partes do globo.Trata-se de um mal necessário, caso o contrário as perdas geradas pelo aumento da desconfiança seriam ainda maiores.

A lição que tiramos do breve retrospecto, de 1929 até os dias atuais, é clara: os interesses do governo e do povo precisam ser preservados. A ganância do mercado é insaciável, mas o dinheiro do povo é finito. Aqui do Brasil acompanhamos de perto os desdobramentos da crise e nos preparamos para suas conseqüências. Estamos mais fortes e sólidos, mas sem saber ao certo que papel a turbulência global ainda nos reserva. Essa é outra história, recheada de desafios e oportunidades[bb]. Ufa. Bom final de semana.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários