Crédito consignado é atraente para bancos e endividadosA evolução do crédito consignado no mercado brasileiro não só pode ser vista como uma consequência da procura do consumidor, mas também como uma preferência dos bancos, já que o risco de calote é muito baixo.

O crescimento da demanda é visto como um desdobramento do aumento de consumidores endividados ou inadimplentes, que agora buscam trocar uma dívida cara por outra mais barata. Afinal, a taxa de juros do consignado é menor que a média do mercado pelo baixo risco de calote.

Por esse mesmo motivo o crescimento da oferta também se justifica. O aumento da inadimplência e a redução dos spreads (a diferença entre o custo de captação e do empréstimo) fizeram com que os bancos preferissem vender uma modalidade de crédito que tivesse riscos menores de calote.

Mesmo com o pagamento das prestações sendo descontado automaticamente do salário do consumidor, este prefere essa linha de crédito para o pagamento de dívidas. Uma pesquisa realizada pela Cetelem, financeira do BNP Paribas, expõe esse fato.

Segundo os dados divulgados, 17% dos entrevistados declararam que buscaram o crédito consignado para cobrir despesas com saúde, 21% para gastar na reforma da casa e 40% para pagar dívidas.

Como exemplo temos o caso do servidor público Marcos Antônio Freitas, de 52 anos, que contratou empréstimo consignado de R$ 14 mil. Segundo ele é contrair uma dívida mais barata para pagar outra dívida mais cara, a diferença será destinada para a reforma da casa.

Rogério Calderón, diretor de Controladoria do Itaú Unibanco, apresenta o ponto de vista das instituições financeiras com clareza. Diante dos spreads menores, os bancos partiram para ampliação das operações em linhas de menor risco, como o consignado e o crédito imobiliário.

“É difícil determinar se houve um aumento de demanda das pessoas pelo consignado ou se houve uma busca do banco para ampliar a oferta dessa linha de crédito. Mas as duas coisas levaram a esse resultado: essa foi a linha de crédito que mais cresceu no primeiro trimestre no segmento de pessoa física”, explica Rogério.

Linha cresce entre aposentados

Os aposentados são os que mais são atraídos pela linha de crédito mais barata oferecida pelo empréstimo consignado. De acordo com dados do Banco Central, em 12 meses até abril, as concessões de crédito consignado para beneficiários do INSS cresceram 19,8%.

Jefferson Frauches Viana, diretor do Instituto GEOC, que reúne 17 empresas de cobrança, aponta que são os aposentados inadimplentes quem mais está buscando consignado para pagamento de dívidas.

Dois fatores, segundo Jefferson, explicam esse fato. O primeiro é a facilidade de contratar esse crédito, pois já vem pré-aprovado e é descontado no valor da aposentadoria.

O segundo é que, geralmente, os aposentados querem ajudar familiares próximos que estão endividados. Como o consignado é uma linha de crédito mais barata, o aposentado vê a vantagem.

Cuidado para não transformar a solução em problema

A opção de adquirir um empréstimo mais barato em um país onde os juros são tão altos é uma boa para muitos consumidores. No entanto, é preciso prestar atenção nos direcionamentos dados ao empréstimo.

Ricardo Pereira alertou em seu artigo “Crédito Consignado: uma boa ideia que se tornou um grande problema” sobre como essa boa ideia pode se transformar em um grande problema, quando se opta por consumir bens e produtos através dessa linha de crédito.

A leitura é bastante válida, pois nos mostra que o crédito consignado pode ser uma boa alternativa para quem tem dívidas com juros maiores ou para quem precisa de uma quantia de dinheiro para emergência. Clique aqui para ler o artigo.

Sobretudo, recomendamos mais alguns artigos para complementar o assunto. Veja:

Fonte: R7; R7. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários