Nos últimos meses, talvez por conta do agravamento da crise econômica e financeira no Brasil, muitos leitores começaram a encaminhar perguntas e comentários sobre como algumas convenções e crenças podem atrapalhar o sucesso e o crescimento das pessoas. Alguns deles apontaram que algumas crenças impedem o enriquecimento.

Recentemente, meu amigo e sócio Conrado Navarro gravou um episódio fantástico para o programa “Tudo Sobre Seu Dinheiro” (clique aqui para assistir), sobre psicologia econômica, e contou com a participação para lá de especial da Dra. Vera Rita Ferreira, a principal pesquisadora sobre o assunto no país. Ela trata o tema com propriedade. Assistir ao programa será uma forma de entender um pouco sobre como, em alguns momentos, nosso comportamento é fundamental para o sucesso financeiro.

Crenças: moldam a forma como enxergamos o mundo

De acordo com a Wikipédia, crença é o estado psicológico em que um indivíduo detém uma proposição ou premissa para a verdade, ou ainda, uma opinião formada ou convicção. Em muitos casos as crenças correspondem a saberes que são passados de uma geração a outra e surgem a partir de significados que as coletividades vão atribuindo a certos costumes e hábitos.

As crenças ligam-se aos paradigmas, que são sistemas moldadores de condutas e que influenciam toda a nossa existência: a forma como nos comportamos, nossos desejos e a forma como lidamos com o outro. Em outras palavras, toda a formação se dá no entorno de um sistema de crenças e paradigmas construídos ao longo do tempo e que nos moldam de forma subjetiva.

Paradigmas podem atrapalhar nossa evolução

Todo o nosso crescimento, seja ele financeiro afetivo ou espiritual, está ligado a certos paradigmas que alimentamos em nossa mente.

Os paradigmas são sistemas simbólicos fundados em crenças, hábitos e/ou regimes de verdades que influenciam em praticamente tudo em nossa vida, sobretudo em o que atraímos em nossa experiência de vida. Parece que não, mas até a forma como lidamos com o dinheiro em nossa vida tem uma forte relação com as crenças e paradigmas.

O grande problema em relação aos paradigmas, é que eles não acompanham as mudanças que afetam o cotidiano das pessoas. Quando pensamos nos aspectos financeiros isso é um grave problema, já que em se tratando de economia (por exemplo) tudo pode mudar rapidamente. Manter-se fiel a um pensamento aumenta as chances de perder oportunidades.

Leitura recomendadaSua mentalidade, suas finanças e a sua vida: cuide dos seus pensamentos

Religião versus Crescimento Profissional

Vivemos em cultura que contém muitos fundamentos religiosos. A visão religiosa, em alguns momentos, defende a vida simples e voltada ao próximo. Infelizmente, algumas pessoas interpretam que o sucesso financeiro é praticamente um pecado.

A verdade é que os maiores filantropos do mundo são as pessoas bem-sucedidas, e frequentemente fazem suas boas ações sem nenhum tipo de exposição. Fazem o bem porque isso é parte de sua convicção pessoal, independente ou não da religião.

Faço questão de deixar claro que isso não é uma crítica a nenhuma religião. A ideia aqui é propor uma reflexão que vai além das questões religiosas. As pessoas são boas ou más independente do envolvimento religioso. Conheço e admiro muitos amigos que fazem da religião uma forma de ficar mais próximos de Deus e fazem isso de uma maneira admirável. Outros amigos não são tão próximos da religião e isso não os impede de fazer o bem.

Essa conversa sobre questões religiosas é para alertar que em alguns casos, elas produzem uma mentalidade de impotência. Conheço também pessoas, que por conta da tradição religiosa, acreditam que o acúmulo de riquezas é sinônimo de mazelas sociais.

Enriquecer leva toda uma vida

É pouco provável que alguém consiga enriquecer rapidamente através do trabalho. Infelizmente, no Brasil vivemos a cultura do imediatismo. Quando algo não é para agora, costumamos não dar o valor necessário.

Por não valorizar o longo prazo, terminamos não dando importância para temas como o planejamento para aposentadoria. As pessoas estão vivendo mais, e já é consenso o fato de que uma reforma previdenciária levará as pessoas a contribuir mais tempo com o sistema antes de conseguirem se aposentar.

Ainda hoje é comum ouvirmos dos mais velhos que a aposentadoria é o momento de parar com tudo e só curtir. Felizmente, muitos já estão pensando diferente. Já entenderam que precisam guardar dinheiro para construir uma aposentadoria, cujo significado seja ter independência financeira no futuro. Só que a ideia não é parar de trabalhar, mas sim dedicar tempo e disposição para atividades que gerem satisfação, tranquilidade e que permitam que fluxo financeiro continue, para que mais (e novos) objetivos sejam alcançados.

Leitura recomendadaAprenda a construir a sua independência financeira

Conclusão

As crenças limitantes são péssimas para o crescimento profissional. Elas criam barreiras para conquistarmos novos horizontes.

Como eu, você também deve conhecer pessoas que deixaram de conquistar seus sonhos por medo ou paradigmas relacionados à família, sexualidade e religião.

Esteja aberto às mudanças e invista em seus sonhos! Descubra que sonhos podem sim se tornar realidade. Tudo vai depender de sua força de vontade para fazer acontecer. Mudar a mente para o novo pode ser o início dessa transformação. Um abraço e até a próxima!

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários