Por Dany Rogers.

No livro bestseller “O Poder do Hábito”, Charles Dunning explica porque os hábitos existem e como funcionam. O autor aborda, em cada um dos seus capítulos, um aspecto diferente.

Para ele, não existe uma única fórmula e sim milhares de fórmulas para mudar hábitos. Isso se explica, uma vez que os indivíduos e os hábitos são diferentes.

O autor afirma que alguns hábitos podem ser complexos e persistentes e a mudança pode não ser tão rápida e nem sempre fácil. Mas anime-se! Segundo Dunning, com tempo e esforço qualquer hábito pode ser remodelado.

Sabendo disso, continue com a leitura deste artigo para que possa iniciar ainda hoje uma mudança em seus hábitos. Vou tentar lhe ajudar nessa empreitada.

Ebook gratuito recomendado: 10 Atitudes para Transformar sua Vida Financeira

Os hábitos em nossas vidas financeiras

Temos a sensação de que nossas decisões são feitas sempre com bastante fundamentação e com muitas análises e justificativas. Mas não é bem assim que ocorre em nosso dia a dia.

Em um artigo publicado por um pesquisador da Duke University, mais de 40% de nossas ações diárias não são decisões de fato, mas sim hábitos.

Estamos envolvidos com decisões financeiras diariamente, que podem ser simplesmente a decisão de consumir o nosso café na padaria ou em casa, ou algo mais complexo como a compra de um automóvel ou de uma casa própria.

O fato é que nos preocupamos demais quando a decisão financeira representa uma quantia elevada e que impactará de forma considerável o nosso orçamento.

Em contrapartida, deixamos no piloto automático (sem pensar muito) os nossos gastos cotidianos, sobre os quais aparentemente não necessitamos de uma decisão mais aprofundada.

Podcast recomendado: Finanças e o fim do ano: cuidados para não se enrolar

Impactos dos maus hábitos em nossas vidas

Embora o impacto de cada hábito rotineiro relacionado às nossas finanças possa aparentar pequeno, no longo prazo:

  • Os cafés na padaria;
  • As refeições que pedimos à noite;
  • Os churrascos semanais com os amigos;
  • O uso do carro próprio nas grandes cidades, que muitas vezes é mais dispendioso e mais demorado do que os metrôs;
  • A manutenção de seu investimento na caderneta de poupança rendendo juros baixíssimos; e
  • O gasto de uma renda extra adquirida ao invés de sua aplicação;

podem impactar bastante nossa situação financeira atual e futura e, consequentemente, nossa qualidade de vida.

E não se iluda que esses hábitos financeiros ruins nunca ocorrerão com você, pois o seu próprio cérebro está buscando a todo momento lhe enganar.

Segundo diversos cientistas, os hábitos surgem justamente porque o nosso cérebro está constantemente procurando maneiras de poupar esforços.

Nesse sentido, o hábito de deixar o dinheiro na caderneta de poupança, apenas para evitar a busca de melhores conhecimentos financeiros sobre investimentos, é excelente do ponto de vista do seu cérebro, por exemplo.

Vídeo recomendado: Gastar e Poupar – Entenda e pratique o básico da Educação Financeira

Como fugir dos maus hábitos financeiros

Para você lutar contra o seu cérebro e tentar adquirir bons hábitos financeiros, vou lhe oferecer algumas dicas:

  • Conscientize-se de que a sua mente é a sua principal inimiga quando o assunto é dinheiro. Desenvolva assim inteligência emocional para aprender a ter o controle sobre ela;
  • Fortaleça em sua mente a ideia de que o dinheiro é seu “melhor amigo”. Isso significa que você não pode maltratá-lo, desrespeitá-lo e deixá-lo sem cuidados e dedicação;
  • Nunca ache que o seu conhecimento é suficiente para administrar bem o seu dinheiro. Ser educado financeiramente exige muito conhecimento e disciplina pois as tentações de consumo são muitas;
  • Procure constantemente conhecimentos sobre educação financeira para que o seu cérebro esteja sempre ativo e interessado no tema, evitando assim que ele crie hábitos financeiros ruins para você;
  • Comece a poupar pouco dinheiro (mesmo que seja apenas 3% ou 5% de sua renda) pois é a melhor forma de iniciar a sua vida rumo à independência financeira, bem como para enganar o seu cérebro, que não sentirá falta desse valor ao longo do mês;
  • Não tenha conta corrente conjunta com conta investimentos (ou poupança) para que não gaste dinheiro de suas reservas ou investimentos “por hábito”.

Leitura recomendada: Seus hábitos (e não seu dinheiro) fazem de você uma pessoa rica

A inércia é uma grande aliada quando o assunto é guardar dinheiro

Programe transferências automáticas de dinheiro da sua conta corrente para sua conta investimento no mesmo dia em que recebe o seu salário, sem período definido. A inércia lhe ajudará a não cancelar a programação.

Já deixe programado também os aumentos de renda que você já sabe que vai ter, para que a transferência de dinheiro de sua conta corrente para a sua conta investimentos seja automática.

Não tenha um cartão físico de sua conta investimentos que lhe permita pagar compras ou sacar dinheiro em qualquer hora e lugar.

Caso tenha, quebre-o (é isso mesmo que você está lendo). A inércia não deixará você ir ao caixa do banco para sacar, fazendo você pensar melhor se isso é ou não necessário.

Utilize, como forma de guardar dinheiro, serviços de bancos que arredondam os centavos das suas compras pagas com cartão e automaticamente transferem esses valores para uma conta investimento.

A inscrição é feita apenas uma única vez, e a inércia não deixará que vá ao banco cancelar a mesma.

Aplicativo gratuito recomendado: Controle suas finanças na palma da mão com o Dinheirama Organizze

Conclusão

Com essas sugestões, espero que você tenha compreendido que é possível criarmos bons hábitos financeiros com mudanças simples de comportamento.

Normalmente, os principais problemas financeiros que temos não são por causa de perda de emprego/renda, crise econômica e outros fatores externos, que insistimos em defender para nos justificar.

As dificuldades financeiras que passamos são frutos de nossos maus hábitos e comportamentos que, muitas vezes, podem ser evitados.

Por isso, convido você a alterar esses hábitos financeiros ruins e, acima de tudo, praticar o hábito de gostar do seu dinheiro. Abraços e até logo.

Sobre o autor

Dany Rogers é Doutor em Finanças pela EAESP/FGV, professor do curso de Administração da FACIP e coordenador do Núcleo de Educação Financeira (NEF) da Universidade Federal de Uberlândia. Possui diversos artigos em Finanças Comportamentais. E-mail para contato: [email protected]

NEF - Núcleo de Educação Financeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários