Chipre: de paraíso fiscal a inferno financeiroO Chipre está localizado ao sul da Turquia, é considerado um polo de turismo e possui diversas ruínas e templos. De acordo com a mitologia grega, teria sido o local de nascimento de Afrodite, a deusa do amor.

Foi colônia britânica durante o século XIX, alcançando a independência em 1960. A partir daí, a ilha se tornou local de diversos conflitos entre as etnias grega e turca. Na metade da década de 70, um golpe de Estado com o objetivo de anexar o Chipre à Grécia fez com que a Turquia invadisse o país.

A história de conflitos do Chipre mostra um país marcado por momentos de grande tensão, e tensão é justamente o que não tem faltado nas últimas semanas no sistema econômico e financeiro do país. A economia local atravessa momentos de grande apreensão, espalhando medo por diversos países, inclusive o Brasil – a Bovespa fechou o pregão de 25/03/13 no menor patamar desde julho de 2012.

Em 2008, o Chipre aderiu ao Euro; nesse mesmo ano, estourou a crise financeira global. A partir de 2010, quando a Grécia apresentou graves problemas econômicos, o sistema financeiro cipriota deu mostra de que um colapso estaria a caminho.

No inicio de 2012, a Rússia concedeu empréstimo de 2,5 bilhões de Euros com juros de 4,5% e, no meio do ano, o país então solicitou oficialmente ao Fundo Europeu de Estabilidade Financeira o resgate econômico.

Após meses de negociação o Chipre irá receber 10 bilhões de Euros do BCE (Banco Central Europeu), da Comissão Europeia e do FMI (Fundo Monetário Internacional). Em troca, haverá um remodelamento do sistema bancário, sendo que o Banco Popular do Chipre (segundo maior do país) será fechado. Haverá ainda congelamento dos depósitos para valores maiores do que 100 mil Euros. O dinheiro congelado será utilizado para pagar a dívida do banco e recapitalizar o maior banco do país, o Banco de Chipre.

O que mais chama a atenção na economia cipriota é o fato de que o setor bancário do país seja oito vezes maior que o PIB do país. Boa parte do sistema financeiro e do montante de depósitos é de origem russa, já que o Chipre é considerado um paraíso fiscal. O acordo fez com que países que também possuem grande quantidade de depósitos estrangeiros, como Luxemburgo, Estônia e Malta se preocupassem com uma possível crise de confiança.

O Chipre é mais um país europeu que foi pego pela crise e se junta a países maiores. Países estes que nos últimos tempos tomaram espaço valioso na mídia especializada – resta agora saber se as medidas adotadas terão efeito. Outro detalhe será justamente observar as consequências de medidas como o congelamento de depósitos, prática que já foi adotada em outros países com resultados muito negativos.

Você, o que acha que vai acontecer? Vamos acompanhar.

Foto de freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários