Crise de confiança, os mercados e a realidade financeiraVocê, leitor fiel do Dinheirama, já deve estar cansado de ler e ouvir falar da crise financeira atual. Eu estou cansado. Não dá, são diversos artigos pela internet abordando o assunto; os telejornais mostram o que o mundo financeiro pensa e está fazendo para tentar conter o sangramento; os jornais dedicam quase que o caderno todo de economia[bb] para registrar os acontecimentos que circulam toda a turbulência. Ufa.

Hoje, durante o almoço, o noticiário esportivo de uma emissora era pouquíssimo observado. Pararam de falar da reta final do Brasileirão. Diante de tanta gente cabisbaixa, uma voz rouca disse: “Eu lá quero saber de futebol. Quero saber se a taxa de juros vai cair”. Mesmo estando na Paulista, me assustei. Me dei conta de que o país do futebol se transformou no país dos economistas de plantão.

Tudo bem, esta constatação é exagerada. Por incrível que pareça, a crise financeira ainda passa longe do cotidiano da maioria da população. Será? É impressionante como, hoje em dia, Wall Street[bb] parece estar a poucas quadras daqui. E está. Por onde lemos e a todos os programas que assistimos lá estão os jornalistas e a equipe de governo mencionando os mercados americanos. A proximidade que muito nos beneficiou nos últimos anos agora nos brinda com a “importação” de uma crise.

Afinal, que crise é essa?
Confiança é a palavra de ordem. Trata-se de uma crise financeira que, em segunda análise, nos leva ao ponto central do momento que vivemos atualmente: o que fazer para reconquistar a confiança dos investidores e do mercado? Quando o assunto é dinheiro, confiança tem peso enorme. Não é assim?

Perceber e vivenciar a quebra de instituições que antes ditavam as regras e alimentavam o sistema torna o ato de confiar um tanto nebuloso e muito difícil. Quem é confiável? Pensando nisso e nos reflexos reais da crise, os Bancos Centrais das principais economias do mundo parecem matar um leão por dia. Como tornar o sistema novamente confiável?

Injeção de bilhões de dólares e reais aqui e acolá, resgate de carteiras podres de bancos em apuros, flexibilização do compulsório. Hoje está em curso uma ação coordenada entre os Bancos Centrais dos Estados Unidos, União Européia, Canadá, Suíça, Suécia e China. Decidiram, entre outras coisas, reduzir conjuntamente os juros. A volatilidade e as expectativas, porém, continuam preocupando.

E agora, José?
A-há, boa pergunta. E agora? A verdade é que ninguém sabe ao certo como o mercado interpretará essa ação histórica. Isso mesmo, histórica. Nunca havia se pensado em uma ação econômica dessa magnitude e de forma tão coordenada. Talvez essa ação seja considerada atitude-desespero, pela simples constatação de que a crise é maior do que se supunha.

O que se sabe, e talvez esta seja a luz no fim do túnel, é que o problema é global, generalizado. Ações conjuntas talvez sejam as únicas possibilidades reais de sucesso para que o mundo consiga sair dessa crise de confiança e, principalmente, de oportunidades. Com isso, quero dizer que conquistar a confiança terá que ser um trabalho de muitos governos.

O que é uma crise de oportunidades?
O mundo não vive sem crédito, certo? As empresas interrompem os investimentos, param seus projetos de crescimento e os investidores[bb] entram em rota de colisão com os seus próprios planos. Sem crédito, o mundo pára. Congelam-se as oportunidades de desenvolvimento, de geração de empregos, de capital produtivo e etc. As oportunidades passam.

Pessimista sim, terrorista não!
O artigo de hoje está em um tom um pouco pessimista, admito. O Ibovespa fechou em baixa (-3,85%) mais uma vez, dando a entender que a ação coordenada dos BCs não foi suficiente. Na verdade, é cedo para dizer. Por enquanto, reinam o medo e a insegurança, fatores que alimentam a discutida crise de confiança. Está todo mundo “com a pulga atrás da orelha”, esperando pelo próximo movimento. Mas, que movimento será esse?

A comparação com o ciclo fortíssimo de correção da crise de 1929 é um alerta de que as coisas vão mal e podem piorar. No entanto, mantenho a expectativa positiva apoiando-me nas constatações de que crises são cíclicas e de que todos nós estamos tirando boas e importantes lições desse período. Mudanças positivas para o sistema financeiro surgirão. O mundo não vai acabar.

E o que acontece no Brasil?
O Banco Central brasileiro vem agindo no sentido de promover liquidez no mercado. Mais, começou a vender dólares da reserva cambial na tentativa de conter a alta da moeda americana, que hoje recuou um pouquinho (bem pouquinho), fechando em R$ 2,28. Concordo com alguns analistas mais ousados: por que não cortar, agora, hoje, 0,5% da taxa Selic?

Os corvos já rondam os céus cinzentos do mercado financeiro[bb]. Uau, fala-se em deflação em alguns países. Há pouco tempo estávamos preocupados com o dragão inflacionário, não é mesmo? A economia muda muito, mas muito rapidamente. A turma toda gosta de dizer: quem tem sangue frio se beneficiará lá na frente. Pois é, mas quem está disposto a esperar?

Alguns lembretes importantes: 1) A promoção “Investimentos Inteligentes no Dinheirama” está chegando em sua data limite. Você já garantiu sua participação? Ainda não? Acesse o post da promoção e participe; e 2) O clube de investimentos “Meninas com Dinheirama” já conta com bom número de participantes. Com investimentos de apenas R$ 100,00 você pode começar a investir em ações. Que tal? Conheça as regras e participe. Até sexta.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários