Crise econômica europeia: uma fênix no lamaçalPor Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Caro leitor, de fato o deblaquê europeu assusta, e não é à toa. Como se não bastasse o problema em si, agora recheado de conturbações políticas de arrepiar, seu contágio em ondas crescentes começam a atingir as terras emergentes. Mas entre disputas ideológicas contraproducentes, mortos, feridos e crises bancárias de liquidez na planície e no horizonte, eis que surge uma luz vinda de terras tão discretas quanto familiares.

Sim, refiro-me aos nossos antigos colonizadores, Portugal. Espremidos entre o oceano e a altiva Espanha[bb] das touradas e dos bancos em dificuldade, foram atingidos em cheio pelo vendaval que percorre não somente sua península, mas praticamente todo o continente.

Entretanto, desde então, sem maluquices políticas radicais, sem demonstrações de incivilidade urbana e em silêncio, lançaram-se a praticar o bom, velho e desafiador dever de casa.

Com isso, os primeiros resultados não tardaram a aparecer. Talvez a principal conquista seja a de terem se descolado do noticiário conflagrado da crise continental, onde radicalismos afloram, tapas são distribuídos nos ambientes parlamentares e um processo constante de responsabilização inconsequente não para de crescer.

Em meio a essa confusão, os nossos patrícios simplesmente resolveram meter a mão na massa. No lugar de longas discussões e fuga dos fatos, decidiram trabalhar. Segundo a France Presse, Portugal anunciou recentemente a superação dos parâmetros analisados trimestralmente pela troika, que por sua vez recomendou a liberação de um novo aporte de € 4 bilhões, com base no resgate financeiro obtido.

Rigorosamente em linha com os critérios estipulados pelas três instituições que supervisionam a assistência financeira ao País, a Comissão Europeia, o FMI e o Banco Central Europeu, a terra de Camões segue superando expectativas a trazendo alívio aos credores e aos observadores do seu programa de recuperação.

Neste quesito, avança tanto na seara quantitativa, quanto no campo estrutural, com reformas econômicas, institucionais e trabalhistas. Ao que parece, o ministro português das finanças, Vítor Gaspar, compõe um grupo político que vislumbra um futuro[bb] no médio prazo, pautado por fértil ambiente para ao empreendedorismo e estímulo à geração de riqueza.

Destas terras não se escutam arroubos nacionalistas ou trombetas triunfalistas. O que se vê é o silêncio da responsabilidade assumida. Um excelente exemplo, numa fase tão escassa de bons exemplos e que, como sabemos tão bem, não serve apenas para os seus colegas europeus.

Bem, recomendo colocarmos a carapuça o quanto antes. O futuro agradece. Deixe sua opinião no espaço de comentários e até o próximo.

Foto de sxc.hu.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários