O mercado de ações ao seu alcanceA leitura que podemos fazer do atual momento econômico nos leva a duas grandes constatações: a primeira, e mais obvia, é a evidente alta dos preços. Tudo está mais caro. A segunda constatação é de que esta pode ser a hora de entrar no mercado de ações[bb], devido aos ativos “baratos” de boas empresas. Será que estamos diante de um saldão de ativos? Alguns acreditam que sim. E você?

Crise é oportunidade de crescimento
Desde a década de 1980, a Bovespa passou por 13 grandes crises. Passado cada furacão, o saldo final das crises foi, em alguns casos, de desvalorização de mais de 50% do índice Bovespa. Em uma tradução simplista, durante as crises os investidores chegaram a “perder” metade do seu investimento.

Cada crise teve seu motivo – e outras virão com outros mais -, mas o fato concreto é que não existem crises eternas. Mais, crises são ótimas oportunidades para o que o investidor antenado perceba e aproveite ótimas chances de ganhar, comprando na baixa. Ou não é verdade que quem entrou na bolsa nos piores momentos se deu muito bem? Afinal, a tendência de alta no longo prazo se mantém inalterada.

Dados econômicos e previsões
A maioria dos analistas acredita que, até o final do ano, o Ibovespa volte a encontrar sua tendência de valorização e chegue próximo dos 80.000 pontos. Difícil de acreditar? Nem tanto.

O PIB previsto para o ano é da ordem de 4%, um crescimento considerável para um ano cheio de volatilidades e preços em disparada. Mesmo a inflação, que fugiu um pouco do centro de sua meta, pode – veja bem, pode –, através dos ajustes, encontrar um destino não tão cruel.

Como assim comprar na baixa?
Não é segredo para ninguém (assim espero) que o sucesso do investidor[bb] em termos de resultado aparece com mais força justamente quando ele consegue comprar boas ações na baixa, medindo o seu potencial de valorização, e então vendê-las futuramente por um preço muito mais interessante.

O caso da Vale é um exemplo bastante didático: nos últimos 30 dias, a mineradora teve uma desvalorização de aproximadamente 20%. Mas quem discorda da potencialidade do papel da empresa, analisando o crescimento do setor e a administração profissional e arrojada da empresa?

Com base em recente reportagem da Revista Exame e nos relatórios das empresas Àgora Corretora, Coinvalores, CMA, Infinity, Link Corretora, Corretora SLW, Solidus, Souza Barros, Spinelli e Unibanco, listo algumas sugestões de empresas com bom potencial de valorização para os próximos 12 meses:

  • MARCOPOLO – 78%
  • BANCO DO BRASIL – 66%
  • UNIBANCO – 54%
  • BRADESCO – 52%
  • B2W – 49%
  • VALE – 48%
  • USIMINAS – 48%
  • LOJAS AMERICANAS – 41%

Estes são apenas alguns exemplos citados por profissionais do mercado. Não trata-se de simples recomendação, mas de alerta para as boas oportunidades enquanto vivemos a crise. Afinal, a vida é feita de oportunidades e saber identificá-las é fundamental. Se você está atento, está sempre um passo a frente. Até sexta.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários