Inteligência financeira é tudo!A crise de janeiro nas bolsas repercutiu como um exemplo de que investir em ações[bb] embute elevado risco. No mês, o noticiário divulgava a crença de que 2008 seria um ano perdido. O pessimismo generalizado levou muitos a repetirem um erro clássico: arrependidos por terem investido em algo que gerou perdas, novos investidores venderam suas ações e prometeram a si mesmos nunca mais voltar a pensar nessa alternativa.

Mas, como nas duas crises anteriores, em maio e agosto de 2007, a recuperação do mercado financeiro foi quase que instantânea. Alívio? Talvez não – seria bom que todos mantivessem em mente a expectativa de especialistas para um ano difícil. Mas temos boas lições a tirar desta crise que inaugurou o ano. Em primeiro lugar, ela serviu para nos lembrar que bons investimentos envolvem risco, e esse risco se traduz na alternância de períodos de fortes ganhos com períodos de perdas, mesmo que as perdas sejam resultantes de uma simples realização de lucros – o que, em janeiro, não foi o caso.

A segunda lição vem da rápida e intensa recuperação: felizmente, ela mostra que o que determina os rumos do mercado, no longo prazo, são os fundamentos e não os movimentos especulativos. Em um Brasil cada vez mais rico e mais competitivo, com negócios ainda pouco dependentes das relações globais, boa parte dos resultados das empresas encontra-se em condição sustentável. Além disso, não deixamos de estar a um degrau do investment grade, nem deixamos de fazer parte do BRIC, o grupo de países com maior potencial de crescimento.

Por essas razões, temos aqui condições favoráveis ao crescimento das empresas, o que faz do mercado de ações[bb] uma alternativa atraente. Porém, quem direcionar suas fichas para este investimento deve estar preparado para as crises. Não apenas preparado para suportá-las, mas principalmente para evitar a euforia de investir quando muitos já estiverem comemorando lucros, e ter paciência e disciplina para aguardar novas crises – que são a situação ideal para investir de maneira concentrada em ativos baratos. Afinal, é nas crises que os preços despencam e o investimento em ações mostra-se como um grande negócio.

Quando todos estiverem comemorando o bom momento dos investimentos[bb], segure seus impulsos e invista de maneira conservadora. Nas crises, abandone seu conservadorismo e faça escolhas que permitam bons saltos em seu patrimônio. É nas crises que começam as belas histórias de investidores de sucesso.

——
Gustavo Cerbasi (www.maisdinheiro.com.br) é consultor financeiro pessoal e autor de Casais Inteligentes Enriquecem Juntos e Dinheiro – Os Segredos de Quem Tem.

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários