Certa vez conheci alguém que, apesar de muito boa pessoa, vivia fazendo comparações entre a sua vida e a dos outros. No trabalho, no lugar de se concentrar para realizar as suas atividades da melhor forma, gastava boa parte do tempo reclamando que trabalhava mais e ganhava menos que fulano, ou que fazia determinadas tarefas melhor que sicrano, mas nunca era valorizada nas reuniões.

Na vida pessoal, estava sempre inconformada, por exemplo, de ver a vizinha feliz e com um namorado tão bonito, já que ela “era tão feia”. Ufa, você já conheceu alguém assim?

Desta vez vamos falar sobre comparações e o perigo que elas representam para a sua própria prosperidade, seja nas finanças, no trabalho ou na vida em geral.

O quintal dos outros é mais florido

Como seres humanos, temos a feia mania de sempre achar que o quintal dos outros é mais verde ou mais florido. As redes sociais ampliaram essa forma de perceber erroneamente as coisas. Posta-se apenas o que é lindo, feliz, cheio de status. A forma como as pessoas verdadeiramente se sentem, se comportam ou vivem, porém, raramente é vista. Somente os mais próximos sabem.

É fácil a gente se perder em meio a tantas comparações. A impressão que dá é que a vida está sendo muito gentil com todos ao nosso redor, mas extremamente injusta no nosso caso. Mas, calma lá, quem disse que o que você está vendo é o que realmente acontece? Quem sabe o esforço financeiro ou as dívidas que alguém está fazendo para mostrar um padrão de vida totalmente fora das receitas? Ou quem sabe aquele casal que parece tão feliz não é lá tão feliz assim na vida real?

A gente de fato não sabe. E pense naquelas selfies lindas e sorridentes que todos nós postamos de vez em quando. Em muitos momentos elas podem ter sido feitas nos piores dias da vida de alguém, quando este alguém mais precisava de elogios e comentários para se sentir bem novamente, já pensou nisso? Houve, inclusive, uma pesquisa realizada recentemente no Reino Unido que indicou que o excesso de selfies pode indicar uma carência de autoconfiança por parte das pessoas que as postam.

Use com moderação as redes sociais

Eu já disse algumas vezes por aqui que cada vez mais procuro limitar meu tempo de uso das redes sociais. Acho que elas podem ser muito úteis se consumidas com moderação e se usadas para transmitir mensagens positivas e úteis, além do fato de realmente precisar delas por conta do meu trabalho, mas navegar o tempo inteiro todos os dias já estava beirando à loucura, a minha no caso.

Elas me consumiam muito tempo e energia que passei a gastar com coisas mais úteis para mim, como ler um livro ou assistir a um filme. Vamos pensar que quando gastamos tempo nos comparando e pensando nas coisas legais que os outros podem estar fazendo, na verdade estamos gastando horas preciosas que poderíamos usar para pensar em como poderíamos ser mais felizes em nossa rotina.

O que é felicidade para você?

Aliás, vamos ressaltar aqui que a felicidade é algo muito individual. Assim como para alguém se considerar rico não precisa necessariamente ter muito dinheiro em conta, para alguém se sentir feliz não precisa ter aquela casa com piscina ou estar no melhor restaurante.

É claro que é bom ter a possibilidade financeira de fazer isso e escolher se deseja ou não (aliás, é excelente, e é por isso que estudamos educação financeira!), mas o que quero dizer é que o sentir-se bem é relativo. Você pode estar achando o máximo alguém que posta uma foto sendo promovido e tendo reuniões até altas horas no trabalho todos os dias. “Uau, como ele é bem sucedido, não é mesmo?”, mas este mesmo alguém talvez não preferisse nada disso e quisesse uma rotina mais simples, com mais tempo para a família. Como saber?

Traçar comparações no trabalho também é, aliás, uma das piores coisas a se fazer. Não se concentre nas atividades e nos salários dos outros, trate de fazer o seu trabalho da melhor maneira. Esta é a melhor forma de ser percebido e talvez conseguir negociar um aumento por exemplo. Além disso, acredite: pessoas que não fazem as coisas direito, que não merecem o que ganham, que tratam mal os subordinados, e etc. , mais dia menos dia acabam sendo percebidas. Não é preciso gastar seu precioso tempo e energia para se comparar com elas.

E na vida, para quê comparar se o namorado de fulana é mais bonito ou tem mais dinheiro que o seu? Para que comparar se sicrano tem uma vida muito mais glamurosa que a sua atualmente? Lembre-se que, felizmente, temos em nossas mãos a possibilidade de alterar uma série de coisas para melhor em nossos dias, e que somente fazendo isso conquistaremos resultados concretos.

Lembre-se que comparar o seu quintal com o dos outros não deixará nem o seu mais florido e nem o deles menos verde. O que causará uma transformação verdadeira são as ações que você realizar. Portanto, aja mais e compare menos. Tenho certeza que você perceberá ganhos em todos os sentidos!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários