Não sei você tem a mesma sensação que eu, mas parece haver um contingente cada vez maior de pessoas que “moram” no Facebook. Essa sensação é traduzida em cada vez mais tempo dedicado à rede social e diversos perfis virtuais ideais, verdadeiros modelos de líderes, esposas, maridos, amigos e profissionais.

Ao criarem a realidade desejada através de fotos, postagens, compartilhamentos e comentários, os moradores do Facebook acabam acreditando na nova versão de suas vidas e passam a se ver dependentes dessa nova imagem gerada. Vivem a emoção de finalmente terem controle de sua vida e fazer dela o melhor que podem, ainda que seja apenas no plano virtual (e de mentira, é claro!).

Facebook, o país ideal?

Você já deve ter reparado em como o Brasil apresentado pelos políticos em seus perfis no Facebook é bem diferente daquele em que você vive. Uma maravilha no mundo virtual, mas como fica o dia a dia do lado de fora da janela? Você enxerga tudo o que está sendo dito e compartilhado no Brasil real? Pois é, nem eu!

Você também já deve ter reparado que a maioria dos seus amigos enaltece o trabalho voluntário e as ações transformadoras de pessoas extraordinárias e suas histórias nas redes sociais, mas nunca participou de alguma iniciativa neste sentido e tampouco doou um agasalho que seja. É mais fácil clicar em “Compartilhar” que compartilhar de fato.

O que dizer dos vídeos e fotos das comidas experimentadas, da vista da varanda de casa, de cada esquina conhecida e cada instante de um evento ou viagem? Os momentos e experiências são para serem vividos com intensidade, não para serem “jogados na cara dos outros” (ninguém admite que é isso que se pretende, é claro!).

Lembranças ou “likes”?

O registro de nossas experiências deveria servir para acionar nossa memória e despertar lembranças vivas daquele instante, mas hoje isso parece superado pelo registro para o puro marketing pessoal (“Eu vou a mais lugares legais que você porque sou livre”) e para despertar a inveja (“Viu só onde e com quem eu estive? Viu como sou feliz?”).

Alguns dirão que estou exagerando e que ao compartilhar queremos que os outros vejam aquilo que logramos alcançar, tudo com o objetivo nobre de compartilhar nossa felicidade, e só isso! Pode ser, mas por que não optar por primeiro curtir intensamente a felicidade e fixá-la antes na memória para só depois pensar em contá-la para o mundo?

Fotografias, vídeos, comentários, opiniões, tudo isso agora existe para receber curtidas e compartilhamentos. Ao postar alguma coisa no seu perfil, o adepto do exibicionismo virtual fica voltando a todo instante para contar seus “likes”. Seus momentos e suas experiências – que deveriam trazer prazer pelo simples fato de terem sido vividos – agora geram angústia numa competição por popularidade.

Se por um lado a facilidade de contato e a manutenção de grupos de interesse é um fantástico benefício das redes sociais, o engajamento presente no virtual parece sempre muito maior que aquele necessário para mudar de verdade as coisas do lado de fora do computador.

“Curtir” é facil, mas e viver?

Não surpreende que seja assim, afinal os problemas seguem sendo os mesmos, assim como as pessoas. Arregaçar as mangas e fazer alguma coisa pelo bem comum ou mesmo para sanar uma questão pontual exige muito trabalho, dedicação, persistência e competência. Ficar clicando em “Curtir” e “Compartilhar” e muito mais fácil.

Arrisco-me a dizer que as redes sociais se tornaram, em muitos casos, uma ferramenta de marketing pessoal e “geração de inveja”, mesmo que este não seja exatamente o objetivo dos moradores do fantástico mundo virtual. O problema, infelizmente, é mais grave de que “apenas” querer se exibir; estamos diante de uma autoimagem distorcida e carente de atenção real.

O resultado da perigosa relação que envolve baixo autocontrole e muita expectativa acaba sendo o refúgio dentro de uma realidade paralela, ideal (ou surreal?!), que pode ser criada a partir dos perfis, relacionamentos e compartilhamentos nas redes sociais. Quase que como atores, há um grupo enorme de pessoas representando, transmitindo uma imagem absolutamente fantasiosa sobre si mesmo e seus feitos.

As consequências destas atitudes para o convívio familiar são diversas e perigosas. Dentre elas, cito:

  • Problemas financeiros decorrentes do exagero necessário para manter as postagens fantasiosas em dia. Roupa nova a todo instante, viagens e um estilo de vida de mentira implicam gastos excessivos. Infelizmente, a imagem parece ser mais importante que a realidade, o que leva famílias inteiras à ruina financeira na busca por status;
  • Divórcios ou brigas constantes entre quatro paredes. As fotos nas redes sociais são sempre do casal em harmonia, da família curtindo momentos fantásticos ou do cônjuge sarado, mas o dia a dia geralmente é de cobranças e discussões por conta da exposição cada vez maior no mundo virtual. Já vi casais se separarem por conta disso;
  • Amizades superficiais e vazias. É comum que pessoas com interesses comuns se mantenham em contato, mas se estes interesses são superficiais e/ou fúteis, as amizades criadas a partir deles serão igualmente desinteressantes. O círculo vicioso se fecha na medida em que passar tanto tempo online e com essas pessoas passa a ser a atividade principal do indivíduo;

Conclusão

Que fique claro que este texto não é uma crítica ao Facebook ou às redes sociais como um todo. Interpretar o texto de hoje desta forma é simplificar a questão e isentar-se da responsabilidade de viver de verdade a sua vida. A questão central somos nós, cidadãos, pessoas, e como temos agido no universo virtual.

Conheço muitas pessoas que simplesmente decidiram sair das redes sociais e curtir mais e melhor a vida. Não se arrependeram. Assim como conheço muita gente que usa as redes sociais com o conceito simples de manter contato e conversar com pessoas que moram longe.

Existem os que equilibram bem seu tempo e são os mesmos online e off-line, embora mantenham seus perfis sempre atualizados e com alguma coisa coerente compartilhada. No final das contas, só existe uma vida a ser vivida e seus desdobramentos, virtuais ou reais, serão reflexos de quem somos e nossas atitudes. Portanto, muito cuidado com as pessoas que moram no Facebook.

O texto é um convite à reflexão sobre nossos hábitos virtuais e o quanto estamos deixando de fazer para satisfazer expectativas dos outros, decisão essa que costuma cobrar um preço alto. O que você pensa sobre o tema? Deixe sua opinião no espaço de comentários ou mande-me uma mensagem no Twitter – sou o @Navarro por lá. Até a próxima.

Foto “Surfing the Internet”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários