“Empreender não é para qualquer um!”. Mesmo sendo clichê, essa frase é assustadoramente verdadeira. Neste artigo, quero levantar uma discussão importante para aqueles que ainda continuam lutando para ter um negócio que realmente gere os frutos desejados durante muito tempo.

Muitos empreendedores acabam desistindo do seu negócio simplesmente porque tem uma mentalidade errada de como funcionam as coisas. Eu inclusive escrevi sobre objetivos e nossa dificuldade em colocá-los em prática (clique para ler aqui)“Mas qual a mentalidade errada que mata os negócios e o que fazer para evitá-la?”, você pergunta.

Vamos lá. Cada novo negócio é como uma nova semente plantada e que deve ser cuidadosamente zelada para continuar crescendo, criando fortes raízes e um tronco que permita uma pluralidade de frutos. A mentalidade errada reside em achar que dá para colher os frutos antes da árvore crescer.

O perigo de querer tudo agora

O problema é que essa mentalidade está enraizada em nosso cérebro, algo que simplesmente nasce conosco e que conheço pelo nome de “Gratificação Instantânea”.

Para demonstrar o poder desse mecanismo e como ficamos totalmente cegos quando ele age, vou recorrer a uma experiência realizada pela Duke University, dos Estados Unidos.

Essa experiência foi realizada com 2 grupos distintos de pessoas e em quantidade que atende aos requisitos estatísticos para ser considerada válida. Cada grupo foi exposto a uma situação específica conforme vamos discutir abaixo.

Na situação 1, foi perguntado a um grupo de pessoas se elas estariam interessadas em ganhar 1/2 barra de chocolate agora ou a barra inteira depois de um mês.

As pessoas então optaram por receber a 1/2 barra de chocolate agora. E justificavam suas escolhas por inúmeras razões, mesmo sabendo que se esperassem um pouquinho mais elas poderiam receber o dobro da quantidade.

Na situação 2, foi perguntado a um grupo de pessoas se elas preferem receber 1/2 barra de chocolate daqui a um ano ou a barra inteira daqui a um ano e um mês.

Entenda. A diferença entre o tempo para receber 1/2 barra e uma barra completa é exatamente a mesma: um mês. Mesmo assim, o resultado foi completamente diferente.

Na situação 2, as pessoas optaram por receber a barra inteira em 1 ano e um mês. Por quê? Ora, simplesmente porque agora elas foram obrigadas a lidar com uma situação onde não existe a possibilidade de gratificação instantânea.

“Por que isso acontece conosco?”, você deve estar se perguntando (eu me fiz a mesma pergunta depois de ler o estudo e suas conclusões). Porque nosso cérebro primitivo não resiste quando tem a oportunidade de ganhar algo agora (lembra da música do Queen, “I want it all and I want it now”?).

O que temos que entender e aceitar é que esse pensamento imediatista que nos permitiu sobrevivermos é o mesmo que pode destruir nossos negócios e nossa capacidade de construir riqueza.

Portanto, imagine agora esse mesmo pensamento sendo levado para os negócios. No empreendedorismo, é preciso exercitar o “pensar a longo prazo”, algo não natural para nós e abominado pelo nosso mecanismo de gratificação instantânea.

No caso da barra de chocolate, a única “dor” envolvida na situação 2 é o tempo. Quanto estamos falando de negócios, não é somente o tempo, mas também todo o trabalho demandado para construir um negócio de sucesso no decorrer desse tempo.

O excesso de gurus do “aqui e agora”

Não bastasse essa dificuldade natural de todos empreendedores, o que mais vemos são pessoas que dizem querer ajudar, mas que acabam somente alimentando esse mecanismo. Já defendi, inclusive, que precisamos lidar melhor com nossos fracassos antes de buscar empreender (clique aqui para ler).

Assim, os empreendedores iniciantes são seduzidos a seguir os exemplos de outros empreendedores iniciantes que conseguiram (ou que dizem ter conseguido) ganhar dinheiro em pouco tempo com seus negócios, os tais “gurus” do empreendedorismo online.

E aqui mora o perigo. Veja, eu acredito que a multiplicação de “gurus” que vivem com os pais tentando ensinar outras pessoas a ter negócios a partir dos seus “quartos high-tech” é particularmente catalisadora da gratificação instantânea, que tanto impede negócios crescerem.

Isso porque, invariavelmente, o que vemos é a promessa de dinheiro, negócios lucrativos e sucesso em pouquíssimo tempo, as vezes menos de 30 dias. Embora essa estratégia seja boa para quem vende (o “guru”), ela não é boa para quem está montando um negócio.

Se é fácil ou rápido demais, desconfie…

Portanto, se você deseja montar um negócio, cuidado com o que (e quem) você está tomando como exemplo. Cuidado com as pessoas que você escuta, as fontes que você toma como referência e os produtos que compra.

Procure sempre entender se você está tomando uma decisão visando construir algo para dar frutos no longo prazo ou se você está tão ávido atrás dos ovos de ouro a ponto de correr o risco de matar a galinha. Cabe a você ficar alerta ao seu mecanismo de gratificação instantânea.

Se algo parece fácil demais, rápido demais ou descomplicado demais quando o assunto é empreender e ficar rico, fique atento!

Saiba que os empreendedores campeões são aqueles que mais trabalham atentos ao seus mecanismos de gratificação instantânea e cultivam seus pensamentos e planejamentos de longo prazo. O Dinheirama já publicou uma lista de empreendedores que mostra isso (clique aqui para conhecê-los).

Foto “Letting go of paperwork”, Shutterstock.

Rodrigo T. Antonangelo
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários