Você já utilizou algum cupom de desconto para pagar mais barato por um almoço ou cinema, entre outras coisas? Saiba que começar a utilizar esta ferramenta para economizar pode fazer com que a sua receita renda muito mais!

Aqui no Brasil a primeira plataforma de cupons gratuitos foi a Cuponeria, fundada em outubro de 2011. Desde o início, quando o desafio também era criar uma cultura de uso dos cupons por aqui, a startup cresceu e hoje distribui cerca de 1 milhão de cupons por mês, além de contar com aproximadamente 4,5 milhões de usuários e mais de mil empresas parceiras, como KFC, Unilever, Burger King, Ambev, Bradesco, Marisa e Carrefour.

A Cuponeria também já recebeu investimentos do Buscapé, ACE, Verus Group e, mais recentemente, do FIP InovaBra, fundo de investimento do inovaBra ventures, parte do ecossistema de co-inovação do Grupo Bradesco.

Acelerada e investida também pelo Google, a empresa foi premiada pela Google Play Store como um dos melhores apps do Brasil, em 2016. “Ao longo da nossa trajetória, percebemos o quanto o brasileiro gosta de descontos. Por isso, nossa meta é oferecer o melhor serviço dentro da plataforma, ampliando a atuação da empresa em todo o território nacional”, afirma Nara Iachan, CMO da empresa. Convidamos a Nara para responder algumas perguntas e explicar ao leitor do Dinheirama as vantagens do uso de cupons e também a história dela e da Cuponeria.

Pode contar um pouquinho de sua formação e trajetória até criar a Cuponeria? O que é empreender para você?

Nara Iachan: Quando começamos a Cuponeria, eu tinha 21 anos e nós (eu e o Thiago, meu sócio) estávamos no meio da faculdade de Economia, no Rio de Janeiro. Por ser muito jovem, não tinha muita experiência profissional, apenas estágios nas áreas de energia, cinema e engenharia de gestão.

Como muitas pessoas de 20 e poucos anos, achava que as coisas eram muito simples e que bastava querer. Hoje em dia é engraçado pensar nisso, mas acredito que na época acabou ajudando bastante. Já empreender para mim é tomar decisões com base no que não existe; criar e recriar; inventar soluções inusitadas.

Agora vamos falar sobre a Cuponeria. Desde quando a empresa está no mercado, quantos usuários já tem e de onde surgiu a inspiração para criá-la?

N.I.: A empresa está no mercado desde 2011 e já tem mais de 5 milhões de usuários. Sou carioca e morei alguns anos na Argentina durante a adolescência. A inspiração surgiu quando voltei de lá, onde os cupons de desconto são frequentes, e vi que no Brasil não existia esse tipo de solução.

A nossa aposta era que, ao contrário do que muita gente dizia, os brasileiros gostavam sim de cupons de desconto, e só não usavam porque eles não existiam aqui. Criamos então uma plataforma totalmente online, onde os códigos podiam ser emitidos de forma simples e prática, e recebemos um ótimo retorno do público: nossa aposta parecia correta.

Você já disse que não havia, quando a Cuponeria começou, a cultura do uso de cupons de desconto por aqui, certo? E agora? Brasileiros já começaram a usar mais os cupons? Como vocês trabalharam esta questão cultural?

N.I.: Com certeza. Criar uma cultura nunca é fácil, mas os saltos foram gigantes. A maior parte dos nossos usuários usa cupom no dia-a-dia, e isso é incrível. A melhor forma de criar cultura é mostrando como o aplicativo é simples e vantajoso.

Um só clique pode cortar a conta no meio em um cinema, restaurante, teatro, loja de roupas e outras compras do dia-a-dia. Quem usa uma vez dificilmente esquece, por isso temos usuários apaixonados pela marca.

Quais as vantagens no uso de cupons de desconto e por que deveríamos usá-los de forma mais frequente por aqui?

N.I.: O cupom proporciona economia em momentos maravilhosos do dia-a-dia, atém de permitir novas experiências de consumo.

Que tipo de cupom é possível encontrar na Cuponeria? Como vocês escolhem as empresas que podem participar e oferecer?

N.I.: A gente sempre prioriza as empresas que estão sendo mais pedidas pelos usuários. Cupons de fast-food e cinema, por exemplo, fazem muito sucesso. Também trabalhamos com moda, beleza, compras, e-commerce, entre outros.

A Cuponeria recebeu investimento de Google e Bradesco, entre outros, certo? Você acredita que acertaram o caminho proposto quando começaram? Quais lições você poderia compartilhar com empresários que estão iniciando projetos que também exigem uma mudança de cultura?

N.I.: Acertar é relativo. A gente erra, acerta, erra, acerta, erra, acerta. Empreender é uma montanha russa (acho que vou mudar a primeira resposta).

A principal lição é a de aprender com o erro e insistir, sem deixar a ansiedade por rápidos resultados atrapalhar. O atendimento de metas é uma questão de tempo, principalmente quando envolve mudança de cultura.

Também aprenderam com coisas que não deram certo nestes anos? Como?

N.I.: Muito. Quando você empreende, tudo é novo. Sempre que a gente faz algo diferente, começa errando.

Como diz o lema dos empreendedores, o importante é errar pequeno, começar sempre com um MVP, algo enxuto e de baixo custo, porque aí dá para ir ajeitando sem grandes danos à empresa.

Quais as perspectivas para a Cuponeria para os próximos anos? Onde pretendem chegar?

N.I.: Pretendemos expandir tanto em segmentos, reforçando nossa presença em mercados como o de moda, como também territorialmente. Estamos abrindo oportunidades no nordeste. O grande objetivo é sempre consolidar a cultura do cupom de desconto no país.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários