CVM de olho na regulação dos clubes de investimentoAssociar-se a pelo menos mais dois amigos, chamar muitos outros – até 150 – e começar a negociar ações através de um clube de investimentos têm sido atitudes de muitos investidores[bb] ao longo dos últimos anos. De olho nas facilidades impostas pelo modelo, muitas corretoras e gestores de carteira passaram a oferecer esta possibilidade aos seus clientes de forma aberta. A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) está de olho e parece não estar gostando do rumo que a coisa está tomando.

Um pouco de história
A popularidade dos clubes de investimento é notória. O aumento no número de clubes registrados na BM&F Bovespa, seu patrimônio e volume de negociações têm aumentado de forma bastante consistente. De acordo com dados compilados pela BM&F Bovespa:

  • Em 1996 existiam 154 clubes de investimento em operação e R$ 79,2 milhões de patrimônio;
  • Em 2002 existiam 473 clubes de investimento e R$ 1,4 bilhão de patrimônio;
  • Em 2005 o total de clubes saltou para 1.323 e R$ 6,9 bilhões de patrimônio;
  • Em 2009 houve outro salto, com 2.955 clubes e R$ 14,1 bilhões de patrimônio.

Clubes ou fundos?
Com o volume representando cerca de 8% do total de patrimônio dos fundos de ações, as atividades em torno dos clubes de investimento chamaram a atenção da CVM. Corretoras estão oferecendo adesão a clubes de forma aberta, com funcionamento praticamente igual ao de um fundo de investimento – tudo de forma lícita, é preciso ressaltar. Neste sentido, a CVM colocou em audiência pública uma minuta de instrução para revisar a legislação dos clubes de investimento.

O argumento do órgão regulador faz sentido: clubes de investimento têm o propósito de permitir que investidores possam se envolver nas decisões de investimento[bb], o que não ocorre com os clubes oferecidos por gestores e corretoras. Ao apenas escolher o clube, comprar as cotas e deixar a gestão por conta da instituição, seu funcionamento passa a ser muito semelhante ao de um fundo, com a diferença de que sua estrutura é mais simples e barata.

As mudanças propostas pela CVM
Com a justificativa de promover melhorias relacionadas ao investidor, resguardando seus direitos e deixando claras as diferenças entre os tipos de produtos e alternativas de investimento, a CVM propõe as seguintes mudanças à legislação relacionada aos clubes de investimento:

  • Mudança no número de cotistas. A proposta é que os clubes passem a ter no mínimo 3 e no máximo 50 cotistas. Hoje eles podem ter até 150, com possibilidades de aumento em casos específicos. Tal proposta não deve trazer grandes impactos, já que cerca de 90% dos atuais clubes têm menos de 50 cotistas;
  • Realização obrigatória de pelo menos uma assembléia anual de investidores. A CVM ressalta que este encontro pode ocorrer de forma eletrônica, quando possível, para que não haja elevação de gastos com a administração dos clubes. O objetivo é valorizar a discussão e participação dos cotistas;
  • Fim da figura obrigatória do representante dos cotistas. O representante poderá existir, mas sua presença não seria obrigatória para o registro de novos clubes, deixando que os investidores se comuniquem diretamente com as corretoras (o que já acontece);
  • Criação obrigatória de um canal de atendimento ao cotista. Tal serviço poderá estar ligado ao setor de atendimento ao cliente[bb] ou ouvidoria, segundo exemplos disponíveis na minuta;
  • Proibição de publicidade dirigida. Serão permitidas somente propagandas institucionais, não podendo existir qualquer alusão a uma carteira específica;
  • Limites de alavancagem para os clubes. Além de dinamizar a possibilidade de investir em futuros e opções, o objetivo é limitar a exposição de modo que, em caso de prejuízo, as perdas não sejam superiores ao patrimônio do clube;
  • Proibição de gestão do clube por um agente autônomo e de mais de um clube por cotista. A medida tem como objetivo envolver os participantes e criar compromisso entre os investidores – representando atenção ao valor investido;
  • Fim do conflito de interesses com regras de aquisição de ativos e cotas de outros fundos. Os clubes não poderiam adquirir papéis de emissão do administrador ou do gestor e estaria vedada a compra de cotas de fundos administrados ou geridos pela instituição – envios mensais de relatórios consolidados à CVM fariam parte do processo de verificação.

As medidas propostas tem o objetivo de resguardar os investidores de clubes e modernizar a legislação do setor. De maneira geral, o mercado[bb] não terá problemas para se adaptar e parece endossar a minuta apresentada, com pequenas ressalvas. Trata-se de um documento em audiência pública, o que significa que sugestões são bem-vindas e que o documento final pode sofrer alterações. Você pode acessar a minuta em seu formato original diretamente do site da CVM (clique aqui). A audiência pública se encerra no dia 23 de abril.

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários