Temos um convite para você conhecer um conteúdo que poderá te ajudar bastante a administrar melhor o seu dinheiro, mas antes disso, queremos compartilhar uma experiência.

Um de nossos consultores estava avaliando a carteira de investimentos de um cirurgião-dentista que nos procurou.
Ele possui um patrimônio razoável, e buscou uma consultoria personalizada para melhorar o rendimento de suas aplicações.

Para nossa surpresa, o cliente possuía aproximadamente R$ 300 mil aplicados em um VGBL de forma totalmente errada. Ele explicou que havia iniciado aportes nesse plano de aposentaria há muitos anos. Mas que agora ele havia deixado essa “aplicação” parada no banco para “render”.

Analisando as taxas e os rendimentos do plano, vimos algo desastroso…

O VGBL em questão possui 3,40% ao ano de taxa de administração e taxa de carregamento que poderia chegar a 5% do valor depositado, dependendo do montante. Nos últimos 12 meses, apesar dos consistentes ganhos que a renda fixa está oferecendo, esse plano rendeu 8,43%.

Parece interessante? Com certeza um ganho superior a 8% nos EUA ou na Alemanha seria algo para comemorar. Mas você não pode esquecer uma coisa: estamos no Brasil e a inflação em 2015 foi de 10,7%, ou seja, o rendimento real dessa “aplicação” é negativo (-2,27%).

Cada dia que o investimento fica no banco, o cliente perde poder de compra. Então você se pergunta: por que o gerente do banco, sabendo que o seu cliente está perdendo dinheiro, não sugeriu outro tipo de aplicação?

Podemos apontar 2 razões principais:

  • Os grandes bancos possuem milhões de clientes e é difícil analisar cada caso.
  • Os bancos não têm interesse em abrir mão das taxas cobradas em alguns produtos, pois elas são sua maior receita.

Em outras palavras, o seu dinheiro bem aplicado depende quase que exclusivamente de você.

Veja quanto custa para uma pessoa comum, como o dentista que nos procurou, deixar suas economias em um investimento inadequado

Digamos que esses R$ 300 mil fossem ficar parados nesse VGBL por 10 anos e a rentabilidade média fosse 8,43% – valor apurado nos últimos 12 meses. Em 2026, nosso amigo teria o montante de R$ 673.931 bruto.

Você está achando esse valor interessante? Pois saiba que esses mesmos R$ 300 mil aplicados em Tesouro Direto IPCA+ renderiam após 10 anos, a quantia de R$ 1.021.077.

Estou considerando uma inflação média de 6% para os próximos anos. Se for maior do que isso, a diferença aumentaria em favor do Tesouro Direto.

É claro que o cálculo possui variáveis como Imposto de Renda, taxas de custódia, entre outras. Mas isso pesa para os dois lados, e a ideia aqui é apenas evidenciar uma situação alarmante: por se julgar leigo, nosso cliente estava deixando R$ 347 mil na mesa.

É dinheiro suficiente para comprar muitas coisas que podem melhorar a sua qualidade de vida e também a de sua família.

Agora que este exemplo foi dado, e que você já entendeu o quanto é importante aprender a gerenciar o seu dinheiro, clique aqui para conhecer um programa que irá te ajudar com isso. Continuaremos nossa conversa por lá.

Nota: Esta coluna é mantida pelo Criando Riqueza, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Criando Riqueza
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários